PMs são presos após invadir casa, matar adolescente e balear mecânico em Goiânia

Corporação informou que agentes estão presos e caso será apurado pela Corregedoria

Postado por Yana Maia em 18 de Abril de 2017 às 14h54
Atualizado em 18 de Abril de 2017 às 20h34

Foto:Reprodução/Arquivo Pessoal

Três policiais militares foram presos após invadir uma casa no Residencial Vale Araguaia, em Goiânia, e matar o estudante Roberto Campos da Silva de 16 anos e balear o pai dele, o mecânico Roberto Lourenço da Silva de 42, na noite de ontem, 18. Na ocasião houve troca de tiros e o adolescente foi atingido por dois disparos no momento em que tentava impedir que o pai fosse morto pelos militares.

Segundo a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), os policiais do Serviço Reservado da Polícia Militar (PM) estavam à paisana quando invadiram a casa da família e começaram a atirar. Eles foram presos em flagrante e autuados por homicídio e tentativa de homicídio, além de invasão a domicílio. A motivação do crime ainda é desconhecida.

Através de nota a PM informou que os envolvidos estão presos no Presídio Militar e “a Corregedoria da PMGO irá apurar as circunstâncias do fato em deslinde, acompanhando todo o trâmite legal”.

Relato

A esposa de Roberto e madrasta do adolescente informou que estava em casa com os dois filhos de 14 e 8 anos do casal quando o crime aconteceu. Ela relata que só não foi atingida junto com as crianças, pois se escondeu atrás do imóvel durante o tiroteio.

A mulher diz que antes dos militares invadirem o local, todas as luzes da casa foram apagadas e o marido foi até o quintal para ver o que tinha acontecido. Ao perceber que a vizinhança não estava sem energia, ficou apreensivo, pois já havia sido vítima de um assalto há três meses. Ela conta que o marido comprou uma arma após ter sido feito de refém e ter o carro roubado.

Segundo a esposa, o marido voltou para dentro de casa, pegou a arma e foi em direção ao portão, a partir daí, ouviu os tiros e correu para trás da casa para proteger os filhos. Na ocasião, os militares ainda do lado de fora efetuaram disparos contra o portão que em seguida foi arrombado. Os policiais entraram atirando e atingiram o mecânico e o menor.

Após a morte do adolescente, a mulher disse que os agentes ainda entraram no imóvel e pressionaram ela perguntando por drogas. Roberto Lourenço foi encaminhado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e segundo a unidade, ele passou por cirurgia e está na sala de recuperação. O quadro de saúde dele é considerado regular.