Polícia Civil busca pistas de duplo homicídio de casal de namorados

Investigadores traçam linha de investigação e requerem gravações de ruas próximas

Postado por Beto Silva em 18 de Junho de 2017 às 16h25
Casal estava junto há dois anos e foi enterrado no cemitério jardim da Paz: polícia quer imagens de câmeras próximas ao local do crime  (Foto: Arquivo Pessoal)

 

Um crime sem explicação. Até agora, a Polícia Civil de Goiás não tem uma linha de investigação para apurar o assassinato brutal do casal de namorados Diogo Alves Nunes, 21, e Mariana Helena Siqueira Matias, 19, assassinados na última sexta-feira, 18, dentre 19h40 e 20h.

Aparentemente, não são usuários de drogas, não são fichados criminalmente, nem foram anteriormente ameaçados de forma incisiva, garantem familiares aos policiais do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH). Eles foram mortos no bairro Jardim Mont Serrat, na rua 503, em Aparecida de Goiânia.

Existe um relato de que os assassinos (duas pessoas atiraram primeiro em Diogo e depois perseguiram a garota, que era natural de Bom Jesus (PI). Os suspeitos teriam fugido em um carro escuro, possivelmente um Golf.

Nenhum familiar aponta indícios de desavenças dos dois com outras pessoas. A jovem trabalhava em um shopping enquanto Diogo era auxiliar em uma empresa.

O crime ocorreu logo após o casal parar um carro Jetta VW para trocar pneus próximo a residência da garota.  A jovem levou 17 tiros e o rapaz foi morto com 9.

A Polícia Civil espera um laudo definitivo para confirmar a quantidade e volume de tiros, que pode ajudar a traçar um painel de investigação.  Pela quantidade e intensidade será possível, por exemplo, perceber uma possível motivação, se o crime teria ocorrido por razões afetas à jovem ou o rapaz, por exemplo.

A hipótese de furto e roubo está praticamente descartada já que nada foi levado do casal. Pelo volume de tiros, aumenta hipótese de execução. Por isso as mais tradicionais linhas de investigação – crime passional ou acerto de contas – podem começar a ser avaliadas durante a semana.  A Polícia Civil acredita que o crime foi premeditado e que a coleta de câmeras no bairro, não só na rua onde ocorreu o duplo homicídio, deve ajudar a encontrar os culpados.