Espetáculo África estreia nessa sexta-feira, 18 na Vila Cultural Cora Coralina

Com apoio da Lei de Incentivo à Cultura, temporada conta com quatro apresentações

Postado por Redação em 17 de Agosto de 2017 às 21h19
Atualizado em 18 de Agosto de 2017 às 00h35
Com quatro apresentações entre os meses de agosto e setembro, o espetáculo África está de volta a Goiânia com apoio da Lei de Inventiva à Cultura da Prefeitura de Goiânia e estreia nessa sexta, 18, às 19h na Vila Cultural Cora Coralina com entrada franca. Levado aos palcos pela Cia Delarte a peça conta direção de Alex Amaral, texto de Miguel Jorge e atuação do ator e diretor Wilker Postigo.
O trabalho se desenvolveu a partir de uma composição dramatúrgica inédita no Brasil, baseada no monólogo África de Miguel Jorge, autor que possui uma obra vasta em gênero e em qualidade artística.
A partir dessa ideia, criou-se uma linguagem estética com a qual pretende-se atrair e sensibilizar a atenção do espectador para os caminhos internos percorridos pelo personagem Avelino durante a construção de sua identidade – primeiro em relação ao grupo familiar, depois em relação aos demais grupos sociais, e por fim, perante sua própria consciência ao apresentar como epílogo desse personagem, uma viagem mítica ao continente africano.

O ESPETÁCULO

África é um jogo reflexivo entre dois personagens: Avelino, o enfermeiro falante, e o senhor Torres, doente em estado de coma profundo. Há, assim por dizer, uma explosão de emoções que muitas vezes leva Avelino a afastar-se numa mistura de sentimentos contraditórios, transformando seu ouvinte em seu eco e reflexo. Avelino se depara com a realidade dura de seu paciente. Sua própria realidade! Relata acontecimentos da infância e a desilusão amorosa com sua mulher, Sofia. Por não suportar o peso do mundo, da realidade, propõe uma fuga através da imaginação, da criação de uma África imaginária que conhece apenas por fotos e livros.
A temporada ainda contará com mais três apresentações. No sai 24 de agosto no Centro de Referência da Juventude, 31 de agosto na Casa de Cultura Oficina 3 e 15 de setembro no Espaço Sonhos. A novidade é que o público quem decide quanto vale o espetáculo, ficando a critério do espectador a liberdade de pagar o quanto quiser ou até mesmo assistir de forma gratuita.

Serviço

Assunto: Espetáculo de teatro Africa
Dia: 18 de agosto, sexta-feira
Horário: 19 horas
Local: Vila Cultural Cora Coralina (Rua 3, esquina com Av. Tocantins – Centro)
Ingressos: facultativo (Espectador é livre pra pagar o quanto quiser)
Classificação: Livre
Dia 24 de agosto
Horário: 19 horas
Local: Centro de Ref. da Juventude(Av. Independência, Q.23. nº41- St. Moraes)
Ingressos: facultativo (Espectador é livre pra pagar o quanto quiser)
Classificação: Livre
Dia 31 de agosto
Horário: 19 horas
Local: Casa de Cultura Oficina3 (Rua Ubá, Q.24. Lt.01- Jardim Guanabara)
Ingressos: facultativo (Espectador é livre pra pagar o quanto quiser)
Classificação: Livre
Dia 15 de setembro
Horário: 19 horas
Local: Teatro Espaço Sonhos (Rua RA-18. nº18- Centro)
Ingressos: facultativo (Espectador é livre pra pagar o quanto quiser)
Classificação: Livre

Cia Delarte

A Cia Delarte foi criada em 2009, pelo ator e diretor Wilker Postigo, neste ano a Cia produziu o espetáculo Senhora liberdade, com texto próprio criado a partir da escrita do grupo e colagem de textos. O espetáculo retomava as questões relacionadas às discussões da liberdade em quanto mote, e a estética política dos anos 60 Posteriormente foi montado o texto Muito vento pouca linha de Luciano Caldas, integrante da Companhia no período da montagem. O espetáculo seguiu uma estética moderna, discutindo temas sociais contemporâneos, como por exemplo, o uso e tráfico de drogas, e o sistema carcerário brasileiro.
Em 2012, foi estabelecida uma parceria com o diretor Alexandre Rúdah para a montagem do espetáculo Willam Wilson e o universo, com texto de Edgar Allan Poe, estética contemporânea, uso de projeções, além do uso do espaço em arena. Montagem teatral realizada no Espaço SESC- Rio de Janeiro, em Copacabana, onde ficou em cartaz de 19 de outubro a 11 de novembro.
Em 2015 a Cia Delarte, através do monólogo África de Miguel Jorge, e direção de Alex Amaral, ator e diretor brasileiro com longa e reconhecida carreira no Brasil e na Espanha, segui sua pesquisa do tema do Doppelganger, termo cunhado por Jean Poul Richter em 1976, que designa as pessoas que veem a si mesmas, o duplo.

MIGUEL JORGE

Miguel Jorge nasceu em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, tendo vindo ainda criança para Inhumas, Goiás. Formado em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal de Minas Gerais, Direito e Letras Vernáculas pela Universidade Federal de Goiás e Literatura Brasileira e Goiana pela Universidade Católica de Goiás. Possui uma obra numerosa e eclética, que vai do romance à dramaturgia, da poesia ao roteiro de cinema. Além da adaptação do romance Veias e vinhos para o Cinema Nacional Brasileiro, publicou as obras teatrais:
O Visitante e Os Angélicos (teatro).Goiânia:Editora da UFG, 1974.
Teatro Moderno (quatro peças). Goiânia: Editora da UFG, 198l.
Kybui (teatro). Goiânia: Editora Kelps, 1997.
Olga e as chaves (peças para teatro), Coleção Prosa e Verso, da Prefeitura de
Goiânia, Editora Kelps, 2005.
Dias Profundos: Teatro Moderno III (seis peças para teatro), Coleção Prosa eVerso, da Prefeitura de Goiânia, ed. da UCG, Goiânia. 2007: Laurita, Boi,África, Aleluias e Graças de Manuel Filho (monólogos) O Fosso, peça comvinte atores e Ambivalência, peça com quatro personagens. Goiânia: Editorada UCG, 2007.

WILKER POSTIGO – ATOR

Professor substituto na área de Pedagogia, Teoria e Interpretação Teatral da Escola de Musica e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (UFG) – (2015-2016). Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, e graduado em Licenciatura Plena em Artes Cênicas pela – UFG.
Produziu e atuou no espetáculo William Wilson e o universo (2012), dirigido por Alexandre Rudáh, selecionado para o Festival Internacional de Artes Cênicas Goiânia em Cena de 2012. Montagem teatral realizada no Espaço SESC-Rio de Janeiro, em Copacabana, onde ficou em cartaz de 19 de outubro a 11 de novembro.
Atuou como ator em: Francisco de Assis, A Formiga Fofoqueira, (Mostra de Teatro Nacional de Porangatu – 2005); Os Saltimbancos, Diário de Adolescente, (Mostra Teatral do 5º Salão do Livro do Tocantins – 2009); Atos Trágicos, Todos os Homens da Casa de Sat, (Festival Internacional de Artes Cênicas Goiânia em Cena – 2006, e Mostra Competitiva doII Festival de Teatro Universitário de Patos de Minas – 2007);Atuou como performer em O Barroco Sexo dos Pássaros (Conferência Internacional de CSA,Salvador-Bahia,2007); Good Bye Trem Fei; Paixão de Cristo;Viagem ao Poço do Falcão; Lendas; Muito Vento Pouca Linha; O Menino Marrom (Mostra Teatral do 5º Salão do Livro do Tocantins – 2009). Em 2009, fundou a Cia Delarte, produziu e dirigiu o espetáculo Senhora Liberdade, assinando com Luciano Caldas a redação final do texto. Em 2008, protagonizou o videoclipe O Peso, dirigido por Luiz Cláudio de Melo e produzido pela conceituada produtora goiana Set Produtora (Exibido nacionalmente pela MTV). Interpretou a personagem Santiago em NO AR, curta-metragem produzido e dirigido por Eduardo Rocha e Gabriel Vasconcelos (Mostra Competitiva do IV FestCine – 2009). Fez participação recentemente em dois episódios do programa humorístico Jornal Sensacionalista (Multishow). Além de desempenhar a função de caracterizador em diversos projetos:teatro, cinema e televisão (TV Globo, 2013 – 2015).

ALEX AMARAL – DIRETOR

Nasceu em 1968 em São João da Boa Vista, São Paulo. Muito jovem começou a desenvolver sua carreira artística, aos 13 anos já trabalhava  profissionalmente em teatro. Em 1984 se muda para Goiânia com sua família começando seus estudos de Arte Dramática na Fundação Artes Cênicas, presidida pelo teatrólogo Hugo Zorzetti. Regressa depois a São Paulo para cursar Artes Cênicas na UNICAMP.
Regressa a Goiânia onde tem a oportunidade de trabalhar com diretores como Humberto Pedrancini, Mauri de Castro, Ilson Araújo e Marcos Fayad. Em 1987 dirige sua primeira peça titulada O Circo Rataplan de Pedro Veiga. Em Goiânia dirige seu segundo espetáculo Era uma vez nos anos 50 de Domingos de Oliveira. Em 1991 se muda a São Paulo e trabalha com a companhia Os Satyros. Com o espetáculo Saló Salomé viaja a Europa para representar o Brasil no Festival de Teatro de Expressão Iberica em Porto, Portugal, depois temporada em Lisboa e participações em diversos festivais na Espanha.
Regressando ao Brasil dirige “Farsa para Guiñol” de Federico García Lorca,esse espetáculo realiza temporadas por Goiás e depois por São Paulo, permanecendo oito meses em cartaz. Este espetáculo representou o Brasil no Festival Internacional du Rire em 1994 em Rochefort, Bélgica. Em 1994 se estabelece em Madrid e remonta “El Retablillo de Don Cristobal”, nome original da “Farsa para Guiñol” montada anteriormente em Goiânia, realizando assim temporada por toda a rede de teatros de Castilla y León na Espaha. Em 1996 faz seu primeiro trabalho na televisão na serie La casa de los líos, Antena 3 Espanha. Depois dessa serie seguem muitos outras.
No cinema trabalhou em mais de cinquenta filmes entre longas e curtas podendo se destacar títulos como La Gran Aventura de Mortadelo y Filemón, Besos de Gato, La Torre de Suso, The Cold Light of Day, sendo este último uma produção de Hollywood protagonizada por Bruce Willis e Sigourney Weaver. Em 2004 passa a integrar a companhia do Centro Dramático Nacional na Espanha, interpretando o personagem “El Cachas” na peça “Roberto Zucco”, este personagem lhe deu o prêmio da “Unión de Actores de Madrid”, um reconhecido premio nacional na Espanha, como Melhor Interpretação Masculina de Elenco de Teatro do ano 2005.
Em 2014 recebe PREMIO DAS ARTES 2014 da revista “BRAZIL COM Z”.Publicação exclusiva para brasileiros na Europa.