Cortesia da casa

Rússia passa sem maiores problemas pela Nova Zelândia e faz a festa da torcida

Postado por Redação em 17 de Junho de 2017 às 22h11
Atualizado em 17 de Junho de 2017 às 22h12

A Rússia fez valer o fator casa e abriu a Copa das Confederações com vitória. Ontem, em São Petersburgo, os anfitriões da competição fizeram 2 a 0 na Nova Zelândia. Os gols, um em cada tempo, foram de Boxall, contra, e Smolov.

Com o resultado, os anfitriões aumentam suas chances de avançar à semifinal, grande objetivo da equipe do técnico Stanislav Cherchesov. Os neozelandeses, por sua vez, precisarão surpreender México e Portugal se quiserem sonhar com a classificação.

Na segunda rodada da Copa das Confederações, a Rússia pega Portugal, em Moscou, na quarta-feira, às 12 horas (de Brasília). No mesmo dia, a Nova Zelândia encara o México, às 15 horas (de Brasília), em Sochi.

O jogo 

A Rússia começou com tudo. Aos 6, Vasin acertou a trave, em cabeçada. Dois minutos depois, Poloz tirou do goleiro Marinovic, mas Smith salvou a Nova Zelândia, afastando bola que tinha o caminho do gol.

Aos poucos, porém, a pressão se arrefeceu e, na base dos lançamentos longos, o time da Oceania conseguiu sair de trás. Ainda assim, com pouca qualidade técnica, o máximo que conseguiu foi evitar as chances russas.

Aos 30, porém, saiu o gol russo. Poloz lançou Glushakov e o camisa 8 conseguiu, com um leve toque, tirar de Marinovic. Dois defensores ainda foram em direção à bola, tentando afastá-la, mas não conseguiram: 1 a 0. O tento acabou sendo creditado como contra, de Boxall.

Nos minutos finais da primeira etapa, mesmo com o time de Anthony Hudson tentando se soltar, o que se viu foi a Rússia superior, mas agredindo menos, poupando energia para o segundo tempo. Assim, a etapa inicial chegou ao fim com 1 a 0 no placar.

O início de segundo tempo dos anfitriões foi parecido com o do primeiro tempo. Aos 2, Poloz e Erokhin exigiram duas ótimas intervenções de Marinovic, que impediu a ampliação do placar. Cinco minutos depois, nova defesa, em arremate de Poloz.

Aos poucos, percebendo a fragilidade dos rivais, o time da casa também não forçou tanto o jogo, preferindo segurar a bola e administrar o duelo. Ainda assim, a maior parte da partida acontecia no campo de ataque dos russos.

Sem forçar, os comandados de Cherchesov chegaram ao 2 a 0. Em rápida jogada, com a defesa aberta, Samedov cruzou e Smolov só empurrou para as redes, ampliando a vantagem, aos 23.

Aos 32, os campeões da Oceania tiveram a grande chance. Primeiro, finalização de Thomas, defendida por Akinfeev. Na sequência, cabeçada de Smith tinha o endereço certo, mas Zhirkov salvou em cima da linha.

VELOCIDADE

Nos minutos finais, com os neozelandeses entregues, coube a Rússia manter o domínio da bola, mas sem colocar tanta velocidade. Assim, o colombiano Wilmar Roldán apitou o fim da partida com o triunfo dos mandantes por 2 a 0.