A destruição do Estádio de São Januário, da CLT e de nossos valores

O apri­mo­ra­men­to da CLT é an­tes de tu­do uma ques­tão de jus­ti­ça

Postado por Yuri Brandão em 12 de Julho de 2017 às 21h42

No úl­ti­mo sá­ba­do, o his­tó­ri­co es­tá­dio de São Ja­nu­á­rio foi ví­ti­ma da tí­pi­ca sel­va­ge­ria pra­ti­ca­da em nos­sos es­tá­di­os de fu­te­bol. Além da de­pre­da­ção, vi­o­lên­cia e mor­te; re­si­de o des­co­nhe­ci­men­to de boa par­te do po­vo bra­si­lei­ro da im­por­tân­cia des­te es­tá­dio pa­ra a nos­sa his­tó­ria. Foi nes­te es­tá­dio em 1º de maio de 1943 que o Pre­si­den­te Ge­tú­lio Var­gas as­si­nou a cri­a­ção da CLT (Con­so­li­da­ção das Leis Tra­ba­lhis­tas) que co­in­ci­den­te­men­te es­tá tam­bém sen­do ví­ti­ma de van­da­lis­mo e de­pre­da­ção, não por pseu­do – tor­ce­do­res do Vas­co, mas por uma oli­gar­quia fi­nan­cei­ra e par­la­men­ta­res en­gra­va­ta­dos.

É qua­se nu­la a pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar­mos al­guém que te­nha vi­vi­do a épo­ca an­te­ri­or a Era Var­gas. An­tes de 1930, vi­go­ra­va a Re­pú­bli­ca Ve­lha, po­lí­ti­ca co­ro­ne­lis­ta no pri­mei­ro ter­ço do séc. XX, on­de não ha­via am­pa­ro le­gal ao tra­ba­lha­dor. Sen­do as­sim, de­pen­dia da con­sci­ên­cia do em­pre­ga­dor, o va­lor do sa­lá­rio, a jor­na­da de tra­ba­lho, a se­gu­ran­ça do tra­ba­lho, apo­sen­ta­do­ria en­tre ou­tras coi­sas. Por­tan­to era na­tu­ral en­con­trar­mos cri­an­ças, ges­tan­tes e ido­sos em lo­ca­is in­sa­lu­bres; jor­na­das de tra­ba­lho de 12 a 16 ho­ras di­á­rias, etc. Quan­do aci­den­ta­do ou mor­to, es­ta­va re­le­ga­do á pró­pria sor­te. E a ques­tão so­ci­al do tra­ba­lha­dor era tra­ta­da co­mo ca­so de po­lí­cia. Foi com a CLT em que as re­la­ções en­tre pa­trão e em­pre­ga­do fo­ram re­gu­la­men­tas pe­la lei. Uma jor­na­da de tra­ba­lho com má­xi­mo de 8 ho­ras di­á­rias e 48 ho­ras se­ma­nais, fé­rias re­mu­ne­ra­das de 30 di­as, um sa­lá­rio – mí­ni­mo, 13º sa­lá­rio, li­cen­ça – ma­ter­ni­da­de, pro­te­ção ao tra­ba­lho da mu­lher e do me­nor apren­diz, se­gu­ran­ça e me­di­ci­na no tra­ba­lho, apo­sen­ta­do­ria, di­rei­to de sin­di­ca­li­zar, etc.

A agres­si­vi­da­de do ne­o­li­be­ra­lis­mo no Bra­sil com a cres­cen­te con­cen­tra­ção de ren­da des­ta nos­sa pe­que­na oli­gar­quia eco­nô­mi­ca tem pren­san­do a CLT con­tra a pa­re­de ao lon­go dos anos. O PLC 38/2017 po­rem tem ex­tra­po­la­do to­dos os li­mi­tes até ago­ra. Pon­tos co­mo o tra­ba­lho de ges­tan­tes em lo­ca­is de tra­ba­lho in­sa­lu­bres, pre­va­lên­cia do ne­go­ci­a­do so­bre o le­gis­la­do, fle­xi­bi­li­za­ção da jor­na­da de tra­ba­lho me­di­an­te acor­do, fra­ci­o­na­men­to e re­du­ção in­tra­jor­na­da re­tor­nam o Bra­sil ao co­me­ço do sé­cu­lo pas­sa­do e ou­tros co­mo a ter­cei­ri­za­ção de ati­vi­da­des – fim e con­tra­tos via pes­soa ju­rí­di­ca ou mi­cro – em­pre­en­de­dor in­di­vi­dual vão pre­ca­ri­zar ain­da mais as re­la­ções de tra­ba­lho no Bra­sil. E so­ma­da à re­for­ma da pre­vi­dên­cia que am­plia pa­ra 40 anos a con­tri­bui­ção pa­ra be­ne­fí­cio in­te­gral, 65 anos co­mo ida­de mí­ni­ma e mí­ni­ma de 25 anos de con­tri­bui­ção agra­va­rá ain­da mais o de­se­qui­lí­brio so­ci­al do Bra­sil e nos as­se­me­lha­re­mos às oli­gar­quias es­cra­vo­cra­tas do sec. XIX na era da in­ter­net.

Não se tra­ta de ser con­tra o em­pre­sa­ri­a­do bra­si­lei­ro ou ser con­tra a mo­der­ni­za­ção das re­la­ções de tra­ba­lho. A pre­ser­va­ção e apri­mo­ra­men­to da CLT é an­tes de tu­do uma ques­tão de jus­ti­ça. Pre­ci­sa­mos dis­tin­guir aque­les que pro­du­zem, ge­ram em­pre­gos, cum­prem as leis, cons­tro­em es­te pa­ís e ain­da são pu­ni­dos da­que­les que ape­nas es­pe­cu­lam, usu­fru­em das be­nes­ses do Es­ta­do, des­res­pei­tam as leis e fi­cam ca­da vez mais ri­cos. Es­tas re­for­mas são pa­ra co­brir o bu­ra­co dei­xa­do por es­ta mes­ma oli­gar­quia ran­ço­sa e mes­qui­nha co­mo di­zia Darcy Ri­bei­ro. Es­ta oli­gar­quia que en­gor­dou na Di­ta­du­ra, foi es­cra­vo­cra­ta no Im­pé­rio e tem seus pri­vi­lé­gios e car­tó­rios es­ta­tais. Ob­via­men­te, a CLT é a úni­ca for­ma de de­fe­sa do tra­ba­lha­dor em uma re­la­ção que es­tá dis­tan­te de ser equi­li­bra­da.

Se no Bra­sil o con­cei­to de jus­ti­ça fos­se apli­ca­do, não te­rí­a­mos ne­ces­si­da­de de CLT e po­de­rí­a­mos ter acor­dos equi­li­bra­dos. Es­tão con­fun­din­do li­ber­da­de com li­ber­ti­na­gem e de­tur­pam Ma­qui­a­vel on­de “os fins jus­ti­fi­cam os mei­os. Um Con­gres­so Na­ci­o­nal alie­na­do e des­po­li­ti­za­do que des­co­nhe­ce as pa­la­vras do Pre­si­den­te Ge­tú­lio Var­gas: “Ini­ci­ei o tra­ba­lho de li­ber­ta­ção e ins­tau­rei o re­gi­me de li­ber­da­de so­ci­al… Quan­do vos vi­li­pen­di­a­rem, sen­ti­reis no meu pen­sa­men­to a for­ça pa­ra a re­a­ção. Meu sa­cri­fí­cio vos man­te­rá uni­dos e meu no­me se­rá a vos­sa ban­dei­ra de lu­ta. Ca­da go­ta de meu san­gue se­rá uma cha­ma imor­tal na vos­sa con­sci­ên­cia e man­te­rá a vi­bra­ção sa­gra­da pa­ra a re­sis­tên­cia.” Por is­so, te­mos que re­fle­tir so­bre es­sa vi­o­lên­cia con­tra os nos­sos va­lo­res e nos­sa dig­ni­da­de. Va­mos di­zer um Não Ro­tun­do “a es­ta fes­ta po­bre que os ho­mens ar­ma­ram pa­ra me con­ven­cer.”

 

(Yu­ri Bran­dão, ba­cha­rel em Di­rei­to pe­la PUC/GO e mi­li­tan­te tra­ba­lhis­ta e so­ci­a­lis­ta in­de­pen­den­te)