Crianças para Jesus?

Um no­vo tem­po pa­ra co­me­çar, tra­ba­lhan­do os pa­is das no­vas ge­ra­ções

Postado por Nilson Ribeiro em 12 de Julho de 2017 às 22h02

Dei­xai vir a mim as cri­an­ci­nhas”- Je­sus (Mc 10:13)

O Evan­ge­lho de Je­sus, nos traz as mais di­ver­sa in­ter­pre­ta­ções, sem­pre nos per­mi­te for­mas no­vas de en­ten­di­men­to, ge­ran­do idei­as, ora re­cor­ren­tes, ora in­tei­ra­men­te ino­va­do­ras em seu cer­ne. Es­sa de­ter­mi­na­ção de Je­sus é o se­gre­do do fu­tu­ro dos se­res hu­ma­nos.

Os es­tu­di­o­sos vol­ta­dos pa­ra a for­ma­ção da cri­an­ça, ten­do às mãos obras es­pe­cia­li­za­das, es­cri­tas pe­los mais res­pei­ta­dos au­to­res, vi­san­do con­tri­bu­ir pa­ra a com­pre­en­são e con­du­ção da cri­an­ça em seu uni­ver­so. Cu­ri­o­sa­men­te, os pro­fis­si­o­nais en­vol­vi­dos em sua mai­o­ria, re­cla­mam dos re­sul­ta­dos al­can­ça­dos, par­tin­do na­tu­ral­men­te do ex­plo­si­vo ce­ná­rio ca­ta­lo­ga­do em to­da a ex­ten­são do te­ci­do so­ci­al.

E na pri­va­ci­da­de do seu mun­do men­tal, põ­em-se a in­da­gar so­bre on­de se equi­vo­ca­ram; o que lhes fal­tou no em­ba­sa­men­to do fu­tu­ro de tan­tas al­mas.

Tam­bém pa­is e mã­es com o co­ra­ção opres­so, na­da en­ten­den­do pe­ran­te os ca­mi­nhos do cri­me e vi­o­lên­cia abra­ça­dos pe­los seus ama­dos.

O or­gu­lho de pa­is e pro­fis­si­o­nais, mes­mo an­te a du­ra re­a­li­da­de, não se per­mi­tem ad­mi­tir ter fal­ta­do al­go que es­ta­va ao al­can­ce das pró­pri­as mãos, mas não lhes pa­re­cia mais ade­qua­do, afi­nal, pa­ra que lhes ser­vi­ria a ex­pe­ri­ên­cia en­quan­to pa­is, se es­guei­ran­do pe­los be­cos e vi­e­las da vi­da in­fan­to-ju­ve­nil, sem­pre pron­tos a ofe­re­cer o me­lhor do co­nhe­ci­men­to cul­tu­ral dis­po­ní­vel? Os pro­fis­si­o­nais do en­si­no, pas­mos pa­ram, se per­gun­tan­do: As dé­ca­das de co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do a du­ras pe­nas, on­de edu­ca­ção pe­da­gó­gi­ca co­mo que, lhes ga­ran­tia ro­tei­ro se­gu­ro, pa­ra que ser­vi­ram? Al­guns de ma­nei­ra mais di­re­ta, in­da­gam se os ca­mi­nhos via en­si­na­men­tos do Cris­to não eram a li­ção es­pe­cí­fi­ca que lhes fal­ta­va?

É co­mum os pa­is que en­ca­mi­nhan­do seus fi­lhos pa­ra o co­nhe­ci­men­to, equi­vo­cam-se ao trans­fe­rir ao pro­fes­sor (com ex­ce­ções) a ta­re­fa da for­ma­ção mo­ral e éti­ca. Não é pre­ci­so co­men­tar as con­se­quên­cias de tais des­man­dos, pro­du­zin­do os qua­dros de qua­se to­tal fa­lên­cia de sua mi­são en­quan­to res­pon­sá­veis pe­lo pro­gres­so não só ma­te­ri­al, co­mo em es­pe­ci­al e in­dis­pen­sá­vel, o es­pi­ri­tual.

Es­sa fa­lên­cia múl­ti­pla in­ti­ma to­dos os en­vol­vi­dos  e pre­fe­ren­ci­al­men­te  os pa­is, pa­ra re­u­ni­dos to­mar a de­ci­são que ado­ta­da an­tes, te­ria  quem sa­be evi­ta­do quem sa­be es­se es­ta­do de “in­sol­vên­cia mo­ral e éti­ca”.

Por que não aten­der à de­ter­mi­na­ção do Na­za­re­no, quan­do con­ci­ta pa­is e edu­ca­do­res a per­mi­tir irem a Ele os pe­que­ni­nos?

O fa­to de irem a Ele ab­sor­ven­do no cer­ne das se­men­tes ten­ras, pron­tas a re­gis­trar no mais ín­ti­mo os en­si­na­men­tos em­ba­sa­do­res de vi­das, di­re­cio­na­das ao bem, à prá­ti­ca da jus­ti­ça e do amor, ge­ra­rão um no­vo tem­po pa­ra co­me­çar, tra­ba­lhan­do os pa­is das no­vas ge­ra­ções e as pró­pri­as, es­ta­be­le­cen­do co­mo in­dis­pen­sá­vel a in­tei­ra in­te­gra­ção à Boa No­va, co­mo ro­tei­ro se­gu­ro pa­ra o res­ga­te da paz so­ci­al no fu­tu­ro.

Que es­sa ta­re­fa de en­tro­ni­za­ção do Evan­ge­lho nos co­ra­ções se trans­for­me em ale­gre opor­tu­ni­da­de de re­no­var ca­mi­nhos que pos­si­bi­li­tem a ins­ta­la­ção da es­ta­bi­li­da­de so­ci­al e da con­fir­ma­ção de uma no­va e con­so­li­da­da na­ção, não mais fi­gu­ra co­mo pa­ís do fu­tu­ro, mas, a pá­tria cu­jas ba­ses se ali­cer­çam no con­cre­to for­ja­do na Edu­ca­ção Ple­na, aque­la ca­paz de eter­ni­za-la no ce­ná­rio das na­ções.

 

(Nil­son Ri­bei­ro, es­cri­tor)