Ecossistemas

O pro­pó­si­to é pre­ser­var o ser hu­ma­no e a pró­pria na­tu­re­za

Postado por Weimar Muniz de Oliveira em 12 de Julho de 2017 às 21h21

A in­te­li­gên­cia de­sen­vol­veu-se, até ho­je, na mai­or das len­ti­dões, ao per­pas­sar das eras, que se per­dem na noi­te dos tem­pos, ao lon­go da evo­lu­ção da vi­da na Ter­ra, con­for­me nos in­for­ma a An­tro­po­lo­gia, co­ad­ju­va­da pe­la Pa­le­on­to­lo­gia e ci­ên­cias afins, em aten­ção à Lei da Evo­lu­ção, de que Char­les Darwin  não po­de ser pos­to de la­do, em sua “Da Ori­gem das Es­pé­ci­es”¹.

Na as­cen­são de sua in­te­li­gên­cia, que se ela­bo­rou por mi­lê­ni­os de mi­lê­ni­os, até às épo­cas mo­der­na e con­tem­po­râ­nea, fo­ram ne­ces­sá­rios mui­tos em­ba­tes, vi­tó­rias e in­con­tá­veis der­ro­tas, pa­ra que o ho­mem pu­des­se en­ten­der, pou­co a pou­co, que pre­ci­sa con­vi­ver com a na­tu­re­za, com  res­pei­to, aca­ta­men­to e uni­ão, se qui­ser so­bre­vi­ver. Ca­so con­trá­rio, de­pre­dan­do-a, aca­ba­rá por de­cre­tar o pe­re­ci­men­to de si mes­mo e da na­tu­re­za.

O pro­pó­si­to do pa­ra­dig­ma pro­pos­to pe­los sá­bi­os é no sen­ti­do de pre­ser­var o ser hu­ma­no e a pró­pria na­tu­re­za.

Ve­ja-se a li­ção de Frit­jof Ca­pra, em “O Pon­to de Mu­ta­ção…”²:

“A abor­da­gem sis­tê­mi­ca da eco­no­mia pos­si­bi­li­ta­rá in­tro­du­zir al­gu­ma or­dem no pre­sen­te ca­os con­cei­tu­al, pro­por­ci­o­nan­do aos eco­no­mis­tas uma pers­pec­ti­va eco­ló­gi­ca que se faz ur­gen­te­men­te ne­ces­sá­ria. De acor­do com a con­cep­ção sis­tê­mi­ca, a eco­no­mia é um sis­te­ma vi­vo com­pos­to de se­res hu­ma­nos e or­ga­ni­za­ções so­ci­ais em con­tí­nua ação en­tre si e com os ecos­sis­te­mas cir­cun­dan­tes de que nos­sas vi­das de­pen­dem. Tal co­mo os or­ga­nis­mos in­di­vi­dua­is, os ecos­sis­te­mas são sis­te­mas au­to-or­ga­ni­za­do­res e au­to-re­gu­la­do­res em que ani­mais, plan­tas, mi­cror­ga­nis­mos e sub­stân­cias ina­ni­ma­das es­tão li­ga­dos atra­vés de uma teia com­ple­xa de in­ter­de­pen­dên­cias que en­vol­vem a per­mu­ta de ma­té­ria e ener­gia em ci­clos con­tí­nuos. As re­la­ções li­ne­a­res de cau­sa e efei­to só ocor­rem mui­to ra­ra­men­te nes­ses ecos­sis­te­mas, e os mo­de­los li­ne­a­res não são mui­to úte­is pa­ra des­cre­ver as in­ter­de­pen­dên­cias fun­cio­nais dos sis­te­mas so­ci­ais e eco­nô­mi­cos ne­les in­se­ri­dos e sua tec­no­lo­gia. O re­co­nhe­ci­men­to da na­tu­re­za não-li­ne­ar de to­da a di­nâ­mi­ca de sis­te­mas e a pró­pria es­sên­cia da con­sci­ên­cia eco­ló­gi­ca, a es­sên­cia da “sa­be­do­ria sis­tê­mi­ca”, co­mo a cha­ma Ba­te­son³. Es­se ti­po de sa­be­do­ria é ca­rac­te­rís­ti­co das cul­tu­ras tra­di­cio­nais, não-al­fa­be­ti­za­das, mas foi tris­te­men­te ne­gli­gen­ci­a­do em nos­sa so­ci­e­da­de su­per-ra­ci­o­nal e me­ca­ni­za­da…”

2 – E nes­se tran­si­tar in­fin­do atra­vés da for­ma, dos pro­to­zo­á­rios ao ver­te­bra­do, em bus­ca do ser in­te­li­gen­te, no or­be ter­res­tre, al­guns sé­cu­los de mi­lhões de anos tran­scor­re­ram-se no re­ló­gio do In­fi­ni­to, con­for­me nos in­for­ma Em­ma­nu­el, em “A Ca­mi­nho da Luz”4, psi­co­gra­fia de Fran­cis­co Cân­di­do Xa­vi­er.

Com re­la­ção às pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções de vi­da no pla­ne­ta, o ben­fei­tor, de­pois de no item an­te­ri­or re­fe­rir-se à “Vi­da Or­ga­ni­za­da”, es­cre­ve:

“Di­zí­a­mos que uma ca­ma­da ge­la­ti­no­sa en­vol­ve­ra o or­be ter­re­no em seus mais ín­ti­mos con­tor­nos. Es­sa ma­té­ria, amor­fa e vis­co­sa, era o ce­lei­ro sa­gra­do das se­men­tes da vi­da. O pro­to­plas­ma foi o em­bri­ão de to­das as or­ga­ni­za­ções do glo­bo ter­res­tre, e, se es­sa ma­té­ria, sem for­ma de­fi­ni­da, co­bria a cros­ta so­li­di­fi­ca­da do pla­ne­ta, em bre­ve a con­den­sa­ção da mas­sa da­va ori­gem ao sur­gi­men­to do nú­cleo, ini­ci­an­do-se as pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções dos se­res vi­vos.

Os pri­mei­ros ha­bi­tan­tes da Ter­ra, no pla­no ma­te­ri­al, são as cé­lu­las al­bu­mi­nói­des, as ame­bas e to­das as or­ga­ni­za­ções uni­ce­lu­la­res, iso­la­das e li­vres, que se mul­ti­pli­cam pro­di­gi­o­sa­men­te na tem­pe­ra­tu­ra té­pi­da dos oce­a­nos.

Com o es­co­ar in­ces­san­te do tem­po, es­ses se­res pri­mor­di­ais se mo­vem ao lon­go das águas, on­de en­con­tram o oxi­gê­nio ne­ces­sá­rio ao en­tre­te­ni­men­to da vi­da, ele­men­to que a ter­ra fir­me não pos­su­ía ain­da em pro­por­ções de man­ter a exis­tên­cia ani­mal, an­tes das gran­des ve­ge­ta­ções; es­ses se­res ru­di­men­ta­res so­men­te re­ve­lam um sen­ti­do – o do ta­to, que deu ori­gem a to­dos os ou­tros, em fun­ção de aper­fei­ço­a­men­to dos or­ga­nis­mos su­pe­ri­o­res.”

3 – Ao fim, o au­tor de “O Pon­to de Mu­ta­ção…” con­ti­nua, no pa­rá­gra­fo sub­se­quen­te, às pá­gi­nas 381/382:

“… A sa­be­do­ria sis­tê­mi­ca ba­seia-se num pro­fun­do res­pei­to pe­la sa­be­do­ria da na­tu­re­za, a qual é to­tal­men­te com­pa­tí­vel com os in­sights da eco­lo­gia mo­der­na. Nos­so meio am­bi­en­te na­tu­ral con­sis­te em ecos­sis­te­mas ha­bi­ta­dos por in­con­tá­veis or­ga­nis­mos que co-evo­lu­í­ram du­ran­te bi­lhões de anos, usan­do e re­ci­clan­do con­ti­nua­men­te as mes­mas mo­lé­cu­las de so­lo, água e ar. Os prin­cí­pios or­ga­ni­za­do­res des­ses ecos­sis­te­mas de­vem ser con­si­de­ra­dos su­pe­ri­o­res aos das tec­no­lo­gi­as hu­ma­nas ba­se­a­das em in­ven­ções re­cen­tes e, com mui­ta fre­quên­cia, em pro­je­ções li­ne­a­res a cur­to pra­zo. O res­pei­to pe­la sa­be­do­ria da na­tu­re­za é ain­da cor­ro­bo­ra­do pe­lo in­sight de que a di­nâ­mi­ca da au­to-or­ga­ni­za­ção em ecos­sis­te­mas é ba­si­ca­men­te a mes­ma que a dos or­ga­nis­mos hu­ma­nos, o que nos for­ça a com­pre­en­der que nos­so meio am­bi­en­te na­tu­ral é não só vi­vo, mas tam­bém in­te­li­gen­te. A in­te­li­gên­cia dos ecos­sis­te­mas, em con­tras­te com tan­tas ins­ti­tu­i­ções hu­ma­nas, ma­ni­fes­ta-se na ten­dên­cia pre­do­mi­nan­te pa­ra es­ta­be­le­cer re­la­ções de co­o­pe­ra­ção que fa­ci­li­tam a in­te­gra­ção har­mo­ni­o­sa de com­po­nen­tes sis­tê­mi­cos em to­dos os ní­veis de or­ga­ni­za­ção…”

Re­fe­rên­cias:

1 – Char­les Ro­bert Darwin (1809 – 12882), na­tu­ra­lis­ta in­glês e au­tor da “A Ori­gem das Es­pé­ci­es.

2 – Edi­to­ra CUL­TRIX – São Pau­lo – 2006, cap. 12, p. 381.

3 – Gre­gory Ba­te­son (1904 – 1980), bi­ó­lo­go e an­tro­pó­lo­go nor­te-ame­ri­ca­no. Dei­xou um im­por­tan­te tra­ba­lho, em sua es­pe­cia­li­da­de, sob o tí­tu­lo “Pas­sos pa­ra a Cons­ti­tu­i­ção de um Pa­no­ra­ma Eco­ló­gi­co.

4 – (FEB – Bra­sí­lia/DF – 18ª edi­ção – 1991, cap. II, p. 26/27).

No­ta: de meu li­vro, iné­di­to: “De­du­ções Fi­lo­só­fi­cas e In­du­ções Ci­en­tí­fi­cas da Exis­tên­cia de Deus”.

  

(Wei­mar Mu­niz de Oli­vei­ra. [email protected]