Mãe queima filho de dois anos na fogueira em Goiás

Uma análise psiquiátrica

Postado por Marcelo Caixeta em 4 de Julho de 2017 às 00h55
Atualizado em 4 de Julho de 2017 às 07h53

Acon­te­ceu na ci­da­de go­i­a­na de Pi­ra­nhas, há pou­cos di­as atrás, há uma en­tre­vis­ta da mãe no Yo­u­Tu­be. A mãe ale­gou vá­rios mo­ti­vos pa­ra jo­gar o fi­lho em uma fo­guei­ra e im­pe­di-lo de sa­ir de lá com um pe­da­ço de pau : “não gos­ta­va de­le por­que o pai de­le a ha­via aban­do­na­do”, “não gos­ta­va de­le por­que pa­re­cia com o pai”, “era mui­to bir­ren­to”, “no dia ele avan­çou em mim, deu bir­ra, gri­tos, ta­pas”, “fi­quei ce­ga de rai­va”, “es­ta­va mui­to an­gus­ti­a­da, cho­ran­do, na­que­le dia, não es­ta­va boa”, “es­tou mui­to su­fo­ca­da de fi­car só em ca­sa, sen­ti­do-me pre­sa, só cu­i­dan­do de pro­ble­mas”. Quan­do foi ex­pli­car pa­ra a po­lí­cia co­mo foi seu dia , en­trou em de­ta­lhes es­tra­nha­men­te ir­re­le­van­tes, li­mi­ta­das cog­ni­ti­va­men­te, tal co­mo “eu fi­quei lim­pan­do uns pés de ma­ra­cu­já”, etc.

Na mi­nha aná­li­se abai­xo não vou fa­lar des­se ca­so em par­ti­cu­lar, pois não sou mé­di­co des­sa mãe, não a exa­mi­nei, não dou di­ag­nós­ti­co de­la. Vou fa­zer uma aná­li­se em ge­ral des­se ti­po de com­por­ta­men­to, em cir­cun­stân­cias e per­so­na­li­da­des re­la­ti­va­men­te aná­lo­gas, ten­do co­mo ba­se mi­nha ex­pe­ri­ên­cia e co­nhe­ci­men­to pre­gres­so em psi­qui­a­tria cri­mi­nal ( fo­ren­se ).

1/ Quan­do se tra­ta de fi­li­cí­dio ( as­sas­si­na­to do fi­lho ) de cri­an­ças mui­to pe­que­nas, be­bês, ge­ral­men­te há um epi­só­dio psi­qui­á­tri­co pu­er­pe­ral ( de­pres­são ou psi­co­se pós-par­to ) en­vol­vi­do. O ins­tin­to ma­ter­nal é al­go mui­to bi­o­ló­gi­co, com ba­se hor­mo­nal ( p.ex., oxi­to­ci­na ) , for­te, im­por­tan­te, preg­nan­te, e, pa­ra anu­lá-lo, ge­ral­men­te, só uma do­en­ça igual­men­te gra­ve.

2/ Mui­tas mã­es que não de­sen­vol­vem psi­co­se pu­er­pe­ral fran­ca, ou de­pres­são pós-par­to fran­ca, de­sen­vol­veu uma for­ma mi­ti­ga­da de do­en­ça psi­qui­á­tri­ca, cha­ma­da “post-par­tum blu­es”, e mui­tas des­sas mã­es não con­se­guem de­sen­vol­ver um vín­cu­lo pre­co­ce com seus fi­lhos. Na mai­o­ria dos ca­sos es­sas mã­es re­ver­tem es­ses sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos pa­ra com a cri­an­ça, mas , ou­tras, po­de­rão ter, no fu­tu­ro, al­gum grau de in­dis­po­si­ção, des­con­for­to, es­tra­nhe­za, ou mes­mo hos­ti­li­da­de, com su­as cri­an­ças. É co­mo se aque­la “im­preg­na­ção hor­mo­nal pre­co­ce”, cha­ma­do pe­la eto­lo­gia de “im­prin­ting”, não te­nha acon­te­ci­do de for­ma ade­qua­da e aí a mãe dei­xa de de­sen­vol­ver aque­le for­te vín­cu­lo com seu fi­lho.

3/ Mã­es que já te­nham al­gum tran­stor­no psi­qui­á­tri­co pré­vio, mes­mo que le­ve e não-apa­ren­te, até en­tão la­ten­te, po­dem ser mais pro­pen­sas a de­sen­vol­ve­rem es­se ti­po de pro­ble­ma. Por exem­plo, mã­es que te­nham al­gu­ma ten­dên­cia de­pres­si­va, bi­po­lar, hi­pe­ra­ti­va, psi­co­pá­ti­ca, de­li­ran­te, es­qui­zo­frê­ni­ca, epi­lép­ti­ca, cé­re­bro-le­sio­nal, oli­go­frê­ni­ca, to­xi­co­ma­ní­a­ca, al­co­o­lis­ta, au­tís­ti­ca.

4/ Por exem­plo, uma mãe que te­nha al­gu­ma do­en­ça cé­re­bro-le­sio­nal, ou oli­go­fre­nia ( es­pé­cie de re­tar­da­men­to men­tal/ pro­ble­mas cog­ni­ti­vos ) , ou epi­lep­sia, etc, po­de­rá ter me­nos re­cur­sos ce­re­bra­is pa­ra li­dar com pro­ble­mas exis­ten­ci­ais com­ple­xos. Tem um re­per­tó­rio li­mi­ta­do de ati­tu­des, tem uma en­ver­ga­du­ra exis­ten­ci­al li­mi­ta­da, re­a­ções ex­plo­si­vas, im­pul­si­vas, im­pa­ci­en­tes, ir­ri­ta­bi­li­da­de pa­to­ló­gi­ca. Têm um fo­co exis­ten­ci­al mui­to li­mi­ta­do, não sa­bem li­dar com si­tu­a­ções-li­mi­tes. Por exem­plo, uma mãe com di­fi­cul­da­des cog­ni­ti­vas, “pre­sa em ca­sa com um pu­nha­do de me­ni­nos cus­to­sos”, al­co­o­li­za­da , dro­ga­da ( as ve­zes mes­mo por sub­stân­cias lí­ci­tas ) , ou sob efei­to de sub­stân­cias psi­co­a­ti­vas qua­is­quer, po­de vir a ter ma­ni­fes­ta uma te­na­ci­da­de afe­ti­va, uma ex­plo­si­vi­da­de emo­cio­nal, de­cor­ren­tes de uma ir­ri­ta­bi­li­da­de pa­to­ló­gi­ca de fun­do or­gâ­ni­co. A is­so po­de vir as­sen­tar-se um pro­ble­ma afe­ti­vo ou­tro, tal co­mo de­pres­são, an­sie­da­de, aí a coi­sa fi­ca bem pi­or. É co­mum, por exem­plo, ter-se pa­ci­en­tes com oli­go­fre­nia e do­en­ça bi­po­lar, to­das es­sas pa­to­lo­gi­as jun­tas e com uma mes­ma cau­sa, a cha­ma­da cau­sa “neu­ro­de­sen­vol­vi­men­tal” ( que é quan­do uma mãe bi­po­lar po­de ges­tar uma cri­an­ça com pro­ble­mas ao mes­mo tem­po de na­tu­re­za cé­re­bro-le­sio­nal e afe­ti­va-bi­po­lar, tu­do jun­to ).

5/ Há ma­ni­fes­ta­ções psi­qui­á­tri­cas de cu­nho afe­ti­vo que não são pro­pri­a­men­te de­pres­si­vas ou an­sio­sas, é a cha­ma­da “dis­fo­ria”, um ti­po de ir­ri­ta­bi­li­da­de com mai­or ou me­nor grau de dis­ti­mia ( “mau-hu­mor pa­to­ló­gi­co”). Mui­tos pa­ci­en­tes, que têm um bai­xo ní­vel de de­ter­mi­na­das sub­stân­cias neu­ro­quí­mi­cas (5HT, no­re­pi­ne­fri­na, sig­ma, en­dor­fi­nas, neu­ro­pep­tí­de­os, sig­ma, etc) po­dem vir a de­sen­vol­ver um ti­po de “de­pres­são sem de­pres­são”, ape­nas com sin­to­mas de agres­si­vi­da­de e ir­ri­ta­bi­li­da­de. Es­sa ir­ri­ta­bi­li­da­de po­de ma­ni­fes­tar-se na for­ma de um tran­stor­no de con­tro­le de im­pul­sos, do ti­po ex­plo­si­vo in­ter­mi­ten­te. A pes­soa se diz “ce­ga de rai­va”, “eu não vi na­da de­pois”, etc.

6/ Mã­es com pro­ble­mas psi­qui­á­tri­cos bi­o­ló­gi­cos po­dem re­pas­sar ge­ne­ti­ca­men­te com­por­ta­men­tos pa­to­ló­gi­cos aos fi­lhos, de mo­do a ge­rar uma si­tu­a­ção de “tem­pes­ta­de per­fei­ta” : uma mãe pa­to­lo­gi­ca­men­te ir­ri­ta­da e uma cri­an­ça pa­to­lo­gi­ca­men­te hi­pe­ra­ti­va, opo­si­ti­va, de­sa­fi­an­te, dis­tí­mi­ca, agres­si­va, de­so­be­dien­te. Se a mãe, além de do­en­te, te­ve os pro­ble­mas de des­vin­cu­la­ção pós-par­to que eu des­cre­vi aci­ma, as coi­sas pi­o­ram, pois a cri­an­ça sen­tir-se-á tam­bém psi­co­lo­gi­ca­men­te e afe­ti­va­men­te re­jei­ta­da pe­la mãe, e aí pi­o­ra­rá seu com­por­ta­men­to, num ci­clo vi­ci­o­so di­fí­cil de rom­per.

7/ Aos fa­to­res bi­o­ló­gi­cos apon­ta­dos aci­ma po­dem vir ajun­tar-se pro­ble­mas de or­dem fa­mi­liar, eco­nô­mi­ca, so­ci­al, psi­co­ló­gi­ca, tal co­mo po­bre­za, fal­ta de re­cur­sos ade­qua­dos pa­ra a fa­mí­lia e fi­lhos, aban­do­no ou abu­so afe­ti­vo, sen­sa­ção de so­li­dão, in­ca­pa­ci­da­de, so­bre­car­ga, “es­tres­se”, ex­ces­so de tra­ba­lho, ex­ces­so de pre­o­cu­pa­ção, di­vór­cio, sol­tei­ri­ce, bri­gas ou des­vin­cu­la­ções pas­sio­nais. Es­sa mãe, por exem­plo, re­fe­re que “ti­nha rai­va do fi­lho por­que via ne­le a fi­gu­ra do ex-com­pa­nhei­ro aban­dô­ni­co de­la”.

Co­mo re­la­ta­do aci­ma, es­ses se­te itens re­fe­rem-se a con­jun­tu­ras ge­ra­is do fi­li­cí­cio/in­fan­ti­cí­dio e não pro­pri­a­men­te so­bre es­se ca­so di­vul­ga­do pe­la im­pren­sa.

8/ po­de-se no­tar que a mãe dá uma “sé­rie de ex­pli­ca­ções” pa­ra o cri­me, e quan­do acon­te­ce is­so é por­que a pes­soa não “sa­be bem o por­quê fez o que fez”. Ex­pli­ca­ções de­mais in­di­cam que ne­nhu­ma é efi­caz e só ro­çam a su­per­fí­cie. Pro­fun­da­men­te, é pos­sí­vel que cau­sas afe­ti­vas e ce­re­bra­is im­pe­çam a pró­pria mãe de en­ten­der bem a in­sen­sa­tez do pró­prio ato.

  

(Mar­ce­lo Cai­xe­ta, mé­di­co psi­qui­a­tra ( [email protected] ), es­pe­cia­lis­ta em psi­qui­a­tria cri­mi­nal ( fo­ren­se). Es­cre­ve no Di­á­rio da Ma­nhã, Go­i­â­nia, ( aces­so li­vre em im­pres­so.dm.com.br ) as ter­ças, quin­tas, sex­tas, do­min­gos)