O 9 de julho de 32

Se­gui­mos lu­tan­do por pro­fun­das trans­for­ma­ções na po­lí­ti­ca

Postado por Caio César Mota em 12 de Julho de 2017 às 21h35

O Dia da Re­vo­lu­ção Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta de 1932, lem­bra­do to­do dia no­ve de ju­lho, co­me­mo­ra­do es­sa se­ma­na, é mar­ca­do por ho­me­na­ge­ar o mo­vi­men­to con­tra o “Go­ver­no Pro­vi­só­rio” de Ge­tú­lio Var­gas, que to­mou po­der com a Re­vo­lu­ção de 1930 e ins­ta­lou no Bra­sil o go­ver­no di­ta­to­ri­al. A re­vol­ta ocor­ri­da em São Pau­lo foi a mais im­por­tan­te do Es­ta­do, o úl­ti­mo gran­de com­ba­te ar­ma­do do Bra­sil e é um bom exem­plo de co­mo as ma­ni­fes­ta­ções mu­da­ram des­de en­tão. 85 anos de­pois, se com­pa­ra­do aos tem­pos atu­ais, es­sa Re­vo­lu­ção pro­vo­ca re­fle­xões.

Ape­sar de elo­gi­á­vel pa­ra al­guns, por ter pro­cla­ma­do o es­ta­do de ex­ce­ção (1937), de­cla­ra­do o Es­ta­do No­vo e atra­vés de­le, cons­ti­tu­í­do di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, di­mi­nu­í­do a im­por­tân­cia do se­tor pri­má­rio na eco­no­mia bra­si­lei­ra e dar chan­ces de ou­tros Es­ta­dos in­ter­vi­rem na po­lí­ti­ca na­ci­o­nal, o go­ver­no de Ge­tú­lio Var­gas foi tam­bém, ine­ga­vel­men­te, fru­to da di­ta­du­ra po­pu­lis­ta com ins­pi­ra­ções fas­cis­tas, res­pon­sá­veis por cri­ar um Es­ta­do in­ter­ven­cio­nis­ta, pa­ter­na­lis­ta e cor­po­ra­ti­vis­ta que ain­da dei­xa tra­ços nos atu­ais go­ver­nos. Na épo­ca em que hou­ve a Re­vo­lu­ção Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta, não exis­ti­am elei­ções di­re­tas, en­tão quan­do Ge­tú­lio Var­gas, to­mou o go­ver­no, as eli­tes pau­lis­tas al­me­ja­vam re­a­ver o do­mí­nio po­lí­ti­co que ha­vi­am per­di­do com a Re­vo­lu­ção de 1930, que im­pe­diu a pos­se do en­tão Pre­si­den­te elei­to Jú­lio Pres­tes. Ade­mais dis­so, sem o fim do go­ver­no de Ge­tú­lio Var­gas e sem a con­vo­ca­ção de uma As­sem­bleia Cons­ti­tu­in­te, agra­van­do a Re­vo­lu­ção.

Du­ran­te três mes­es o go­ver­no na­ci­o­nal foi com­ba­ti­do pe­las ma­ni­fes­ta­ções e pro­tes­tos de São Pau­lo, mas o mo­vi­men­to fra­cas­sou e re­sul­tou no de­por­te e cas­sa­ção dos di­rei­tos po­lí­ti­cos de lí­de­res da re­vol­ta. De qual­quer for­ma o exem­plo his­tó­ri­co es­tá aí e mos­tra as mu­dan­ças po­lí­ti­cas e so­ci­ais so­fri­das, e apre­sen­ta o so­fri­men­to do po­vo bra­si­lei­ro que his­to­ri­ca­men­te cla­ma por go­ver­nos me­lho­res, sem, con­tu­do, se­quer ser ou­vi­do. No úl­ti­mo bi­ê­nio, a si­len­te “Re­vo­lu­ção” im­pe­diu a Pre­si­den­ta Dil­ma Rous­sef de go­ver­nar o pa­ís, pren­deu mais de dez po­lí­ti­cos, con­de­nou mais de 50 pes­so­as por par­ti­ci­pa­rem de es­que­mas de cor­rup­ção em ope­ra­ções co­mo a La­va Ja­to e ain­da acre­di­ta na pos­si­bi­li­da­de de um se­gun­do im­pe­achment, o do Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. O fa­to é que se­gui­mos lu­tan­do por pro­fun­das trans­for­ma­ções na po­lí­ti­ca, e o que mo­ve tu­do is­so, mes­mo de mo­do bem di­ver­so, é o mes­mo que mo­veu em 1932: O Po­vo.

 

(Caio Ce­sar Mo­ta, ad­vo­ga­do e di­re­tor da Co­mis­são de Di­rei­to Imo­bi­liá­rio e Ur­ba­nís­ti­co da OAB de Go­i­â­nia)