Reformar a administração pública

Um Pa­ís com enor­me po­ten­ci­al de re­to­mar o ca­mi­nho do de­sen­vol­vi­men­to

Postado por Giuseppe Vecci em 12 de Julho de 2017 às 21h51

Que­ro cha­mar a aten­ção dos co­le­gas e da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra que nos lê pa­ra um de­sa­fio que con­si­de­ro pre­men­te e que de­ve­mos en­ca­rar de fren­te: tra­ta-se da Pro­fis­si­o­na­li­za­ção e Ra­ci­o­na­li­za­ção da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca (ad­mi­nis­tra­ção di­re­ta, au­tar­quias, fun­da­ções, em­pre­sas pú­bli­cas, agên­cias re­gu­la­do­ras e fun­dos de pen­são).

Pen­so que, no con­tex­to de cri­ses e in­cer­te­zas que as­som­bra o Pa­ís, nos­so pa­pel co­mo re­pre­sen­tan­tes do po­vo é apre­sen­tar su­ges­tões pa­ra uma agen­da pro­po­si­ti­va. E na­da mais sa­u­dá­vel pa­ra a boa exe­cu­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos – uma co­bran­ça re­i­te­ra­da da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra-, do que me­lho­rar a qua­li­da­de des­ses ser­vi­ços a um cus­to me­nor. É pre­ci­so qua­li­fi­car o gas­to pú­bli­co.

O prin­cí­pio da efi­ci­ên­cia, tão de­fen­di­do pe­los ges­to­res e ad­mi­nis­tra­do­res pú­bli­cos, ra­ra­men­te é ob­ser­va­do na prá­ti­ca, se­ja por uma bu­ro­cra­cia ex­ces­si­va e en­ges­sa­da, se­ja pe­la fal­ta de com­pro­me­ti­men­to de ges­to­res com a coi­sa pú­bli­ca. É pre­ci­so vol­tar o olhar pa­ra a im­por­tân­cia de se ter à fren­te da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca ges­to­res efi­ci­en­tes, que es­te­jam, de fa­to, a ser­vi­ço do bem pú­bli­co. Uma vi­são mais or­ga­ni­za­cio­nal das re­la­ções en­tre o Po­der Pú­bli­co e a po­pu­la­ção que­bra­ria es­se es­tig­ma de mo­ro­si­da­de e ine­fi­ci­ên­cia.

Al­gu­mas re­fle­xões nos sal­tam aos olhos quan­do tra­ta­mos o te­ma. Des­ta­co três que con­si­de­ro im­por­tan­tes:

Pri­mei­ro, a se­le­ção e pro­mo­ção da me­ri­to­cra­cia na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca. Es­co­lher as me­lho­res ca­be­ças, ou se­ja, pro­fis­si­o­nais ges­to­res que te­nham con­quis­ta­do seu es­pa­ço por mé­ri­to pró­prio, no sen­ti­do de ga­ran­tir a boa exe­cu­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos e, as­sim, tor­nar mais efi­ci­en­te e pro­du­ti­va a Ad­mi­nis­tra­ção. Por es­sa ra­zão, é pre­ci­so re­for­çar a me­ri­to­cra­cia.

Mas fa­lar em me­ri­to­cra­cia, vez por ou­tra, as­sus­ta aque­les que es­tão aco­mo­da­dos no fi­si­o­lo­gis­mo e no cor­po­ra­ti­vis­mo. Con­tu­do, no Es­ta­do de Go­i­ás, por exem­plo, im­ple­men­ta­mos um be­lo tra­ba­lho nes­se sen­ti­do, e que tem da­do mui­to cer­to. Re­pro­du­zir es­se mo­de­lo cer­ta­men­te tra­ria tam­bém re­sul­ta­dos po­si­ti­vos em ní­vel fe­de­ral, es­ta­du­al ou mu­ni­ci­pal, em to­dos os Po­de­res. Na­da na vi­da é mais gra­ti­fi­can­te que al­çar vo­os mais al­tos por mé­ri­to pró­prio.

Se­gun­do, o com­ba­te in­ces­san­te ao fi­si­o­lo­gis­mo e ao cor­po­ra­ti­vis­mo. O pro­fis­si­o­nal com­pro­me­ti­do com os ob­je­ti­vos da ins­ti­tu­i­ção é ca­paz de tra­zer me­lho­res re­sul­ta­dos, sem es­tar de­pen­den­te de in­di­ca­ções par­ti­dá­ri­as ou in­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos. O fi­si­o­lo­gis­mo, prá­ti­ca po­lí­ti­ca la­men­tá­vel que bus­ca pri­vi­le­gi­ar in­te­res­ses pes­so­ais ou par­ti­dá­rios em de­tri­men­to do bem co­mum, po­de le­var a con­du­tas imo­ra­is e até mes­mo cri­mi­no­sas. Já o cor­po­ra­ti­vis­mo po­de ser en­ten­di­do co­mo a pre­va­lên­cia da de­fe­sa dos di­rei­tos de uma clas­se pro­fis­si­o­nal em re­la­ção ao res­tan­te da so­ci­e­da­de. Del­fim Net­to, em ar­ti­go de abril des­te ano,  ilus­tra mui­to bem a no­va “lu­ta de clas­ses”, que res­sal­ta a dis­pu­ta en­tre o tra­ba­lha­dor do se­tor pri­va­do, “nós” – aque­les que pro­du­zem e re­cla­mam o re­tor­no dos seus im­pos­tos em bons ser­vi­ços e que vê nos bu­ro­cra­tas es­ta­tais seus gran­des ini­mi­gos – ver­sus “eles”, os ser­vi­do­res pú­bli­cos blin­da­dos em di­rei­tos ad­qui­ri­dos e ine­fi­ci­en­tes na pres­ta­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos. Am­bos, fi­si­o­lo­gis­mo e cor­po­ra­ti­vis­mo, são con­du­tas po­lí­ti­cas que im­pe­dem que a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra ama­du­re­ça e se so­li­di­fi­que.

Ter­cei­ro, a ra­ci­o­na­li­za­ção dos gas­tos com mai­or prá­ti­ca de aus­te­ri­da­de. Pa­ra is­to, é ne­ces­sá­rio:

  1. a) A re­du­ção drás­ti­ca de Gas­tos e Cus­tos nos Po­de­res Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo, Ju­di­ci­á­rio e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. E is­so se tra­duz na re­du­ção das es­tru­tu­ras es­ta­tais e dos car­gos co­mis­sio­na­dos, dos gas­tos e be­ne­fí­ci­os ex­clu­si­vos, das des­pe­sas de cus­teio, etc.
  2. b) Na vo­ta­ção do te­to dos sa­lá­ri­os dos ser­vi­do­res pú­bli­cos. Exis­te, ho­je, nos Três Po­de­res da Re­pú­bli­ca, per­cen­tu­al sig­ni­fi­ca­ti­vo de ser­vi­do­res que re­ce­bemsu­per­sa­lá­ri­os, is­to é, va­lo­res mui­to su­pe­ri­o­res ao li­mi­te pre­vis­to cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te pa­ra a re­mu­ne­ra­ção do fun­cio­na­lis­mo pú­bli­co, re­fe­rin­do-se ao que ga­nha um mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. A pró­pria Cor­te su­pre­ma dá o aval pa­ra si­tu­a­ções que des­to­am à re­a­li­da­de so­ci­o­e­co­nô­mi­ca bra­si­lei­ra ao per­mi­tir que o te­to se­ja ul­tra­pas­sa­do quan­do há acu­mu­la­ção de car­gos pre­vis­tos pe­la Cons­ti­tu­i­ção. São re­mu­ne­ra­ções as­tro­nô­mi­cas se com­pa­ra­das à re­a­li­da­de em que vi­ve qua­se a to­ta­li­da­de dos bra­si­lei­ros. O ser­vi­dor pú­bli­co já con­ta com es­ta­bi­li­da­de e bons sa­lá­ri­os, con­di­ções fa­vo­rá­veis e de­se­já­veis por mui­tos, mas que fal­tam à gran­de clas­se tra­ba­lha­do­ra bra­si­lei­ra.

Pro­fis­si­o­na­li­zar e ra­ci­o­na­li­zar a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca im­pli­ca em me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da da nos­sa po­pu­la­ção, ofe­re­cen­do ser­vi­ços de qua­li­da­de. No mun­do atu­al, de­mo­ras e des­ca­sos com a coi­sa pú­bli­ca e com o ci­da­dão não se jus­ti­fi­cam.

A ma­tu­ri­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca re­sul­ta em mos­trar ao con­tri­buin­te que os re­cur­sos que eles con­fi­am ao Es­ta­do são bem em­pre­ga­dos em ser­vi­ços pú­bli­cos de qua­li­da­de co­mo sa­ú­de, edu­ca­ção, tran­spor­te, sa­ne­a­men­to e se­gu­ran­ça; e não pro­vo­car a in­dig­na­ção com má dis­tri­bui­ção de ren­da, in­jus­ti­ça so­ci­al e dis­cre­pân­cias que ge­ram ain­da mais de­si­gual­da­de.

So­mos um Pa­ís com enor­me po­ten­ci­al pa­ra se re­cu­pe­rar e re­to­mar o ca­mi­nho do de­sen­vol­vi­men­to. Po­de­mos e de­ve­mos res­ga­tar a cre­di­bi­li­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção.

 

(Gi­u­sep­pe Vec­ci, de­pu­ta­do fe­de­ral, pre­si­den­te da Exe­cu­ti­va do PSDB Go­i­ás)