Resultado da ingerência do Executivo no Judiciário

O juiz do TRE/TO derruba por liminar decisão do TSE

Postado por Liberato Póvoa em 12 de Julho de 2017 às 21h38

Re­cor­dan­do-me a ses­são do TSE que con­va­li­dou a cha­pa Dil­ma Te­mer no úl­ti­mo mês de maio, quan­do os mi­nis­tros Gil­mar Men­des, Na­po­le­ão Nu­nes Maia Fi­lho, Tar­cí­sio Vi­ei­ra e Ad­mar Gon­za­ga dei­xa­ram de cas­sar a cha­pa Dil­ma/Te­mer, re­me­te-me ao nos­so Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Elei­to­ral. As Cor­tes Re­gi­o­nais pos­su­em dois mem­bros da OAB, dois de­sem­bar­ga­do­res, dois ju­í­zes de Di­rei­to e um ju­iz fe­de­ral, en­quan­to o TSE pos­sui três mi­nis­tros do STF, dois do STJ e dois ad­vo­ga­dos ju­ris­tas, in­di­ca­dos pe­la OAB.

Dos qua­tro mem­bros do TSE que li­vra­ram da cas­sa­ção a cha­pa, ape­nas o mi­nis­tro Na­po­le­ão era ju­iz de car­rei­ra. Ex­clu­in­do-se o au­tor do vo­to de mi­ner­va, Gil­mar Men­des, que se fez ju­iz sa­in­do di­re­to da OAB pa­ra o Su­pre­mo, os dois ou­tros fo­ram sa­ca­dos da ad­vo­ca­cia pa­ra de re­pen­te se sen­ta­rem di­re­ta­men­te na Cor­te Su­pe­ri­or Elei­to­ral pou­cos di­as an­tes pa­ra jul­gar exa­ta­men­te quem os no­me­a­ra; ju­í­zes que nun­ca ha­vi­am re­di­gi­do um des­pa­cho, quan­to mais sen­ten­ça. E a in­con­sis­tên­cia dos vo­tos le­vou-me a lem­brar-me do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Elei­to­ral (TRE) do To­can­tins.

A par­ti­ci­pa­ção do Exe­cu­ti­vo no pro­ces­so de es­co­lha e no­me­a­ção de ju­iz da co­ta da OAB pa­ra o Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Elei­to­ral nor­mal­men­te só apa­re­ce no ato de no­me­a­ção. Mas no To­can­tins a ba­ta­lha pa­ra “em­pla­car” um ali­a­do na Cor­te Elei­to­ral ini­ci­a­va-se des­de a es­co­lha da lis­ta sêx­tu­pla pe­la OAB, pa­ra que, quan­do o TJ re­du­zis­se pa­ra uma lis­ta trí­pli­ce, não cor­re­ria o Go­ver­no ris­co de ter vo­tos con­trá­rios. Co­mo os ju­í­zes e de­sem­bar­ga­do­res, à ex­ce­ção do ju­iz fe­de­ral, vi­nham já apon­ta­dos pe­lo de­do do Exe­cu­ti­vo, fi­ca­va o Pa­lá­cio Ara­gu­aia na cô­mo­da si­tu­a­ção de ver su­as ques­tões elei­to­ra­is ali apro­va­das, no mais das ve­zes com a so­li­tá­ria di­ver­gên­cia do vo­to do ju­iz fe­de­ral.

E o Exe­cu­ti­vo in­ter­fe­ria mes­mo, e um exem­plo foi a do ju­iz Mar­ce­lo Cor­dei­ro, que era na épo­ca na­da mais, na­da me­nos, que o noi­vo (na­mo­ra­do ou com­pa­nhei­ro) da se­na­do­ra Ká­tia Abreu; por­tan­to, co¬lo­ca­do “a de­do” na­que­la fun­ção, ape­sar de seu ine­gá­vel pre­pa­ro ju­rí­di­co, de­mons­tra­do nos seus ar­ti­gos pu­bli­ca­dos na im­pren­sa pal­men­se, sen­do tal­vez o úni­co que foi im­pos­to, mas com mé­ri­tos in­te­lec­tu­ais. Mas Mar­ce­lo Cor­dei­ro, co­mo pro­fis­si­o­nal sé­rio, com pou­co tem­po de ma­gis­tra­tu­ra elei­to­ral, ven­do que sua in­di­ca­ção não bus­ca­va ape­nas com­por a Cor­te pa­ra di­zer “amém” a quem o in­di­ca­ra, de­ci­diu, em no­me da éti­ca e da isen­ção, afas­tar-se do TRE na­que­le plei­to de 2010, jus­ta­men­te quan­do sua na­mo­ra­da, Ká­tia Abreu, bus­ca­va ele­ger o fi­lho, Ira­já Abreu, de­pu­ta­do fe­de­ral.

Is­to cus­tou a Mar­ce­lo uma per­se­gui­ção sem tré­gu­as por par­te da par­la­men­tar, e cau­sou-lhe pre­ju­í­zo na car­rei­ra. É só ob­ser­var o que se deu:

Apo­sen­tan­do-se o de­sem­bar­ga­dor An­tô­nio Fé­lix, em ju­nho de 2012, pre­via-se acir­ra­da lu­ta pa­ra o pre­en­chi­men­to da va­ga no TJ-TO, que se­ria do quin­to da OAB. Se­ria a pri­mei­ra vez que a OAB-TO for­ma­ria a lis­ta, pois quan­do da pri­mei­ra com­po­si­ção do Tri­bu­nal, a lis­ta, for­ma­da por An­tô­nio Fé­lix Gon­çal­ves, Co­ri­o­la­no San­tos Ma­ri­nho e Er­nes­to Car­do­so Lei­te Ne­to, fo­ra fei­ta pe­la OAB de Go­i­ás, pois o To­can­tins ain­da não dis­pu­nha de OAB quan­do da im­plan­ta­ção do Tri­bu­nal. E da se­gun­da vez, em 2002, nem che­gou a ser en­ca­mi­nha­da a lis­ta, por­que o pre­si­den­te do TJ, Des. Lu­iz Ga­dot­ti, sim­ples­men­te de­ci­diu que a va­ga se­ria do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, afron­tan­do o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da al­ter­nân­cia.

Mas, vol­te­mos ao sub­sti­tu­to de An­tô­nio Fé­lix: a OAB in­di­cou, no dia 4/12/2012, a lis­ta sêx­tu­pla, for­ma­da pe­los ad­vo­ga­dos Hen­ri­que Pe­rei­ra dos San­tos, Jo­sué Pe­rei­ra de Amo­rim, Mar­ce­lo Cé­sar Cor­dei­ro, Pau­lo Ro­ber­to da Sil­va, Ro­nal­do Eu­rí­pe­des de Sou­za e Wal­ter Oho­fu­gi Jú­ni­or. No dia 6, o Tri­bu­nal for­mou a lis­ta trí­pli­ce, in­te­gra­da pe­los ad­vo­ga­dos Mar­ce­lo Cé­sar Cor­dei­ro, Jo­sué Pe­rei­ra de Amo­rim e Ro­nal­do Eu­rí­pe­des de Sou­za.  O TJ-TO, des­cum­prin­do a ori­en­ta­ção do CNJ de re­a­li­zar a es­co­lha em vo­to aber­to, ado­tou o vo­to se­cre­to, que ge­rou re­cla­ma­ção de ou­tros con­cor­ren­tes, que, com re­ceio de re­pre­sá­lias do Exe­cu­ti­vo e do pró­prio de­sem­bar­ga­dor es­co­lhi­do, de­ci­di­ram não ques­ti­o­nar a es­co­lha.

Mar­ce­lo Cor­dei­ro era, sem dú­vi­da, o vir­tu­al de­sem­bar­ga­dor, o no­me for­te, já que fo­ra es­co­lhi­do dois anos an­tes pa­ra o TRE e de­mons­tra­ra mui­ta ca­pa­ci­da­de, e, em­bo­ra sua ca­pa­ci­da­de dis­pen­sas­se pa­dri­nho, ti­nha ha­vi­do, tal­vez sem sua anuên­cia,  o de­do de sua en­tão na­mo­ra­da/noi­va/com­pa­nhei­ra se­na­do­ra Ká­tia Abreu, tan­to que, dois anos de­pois, fo­ra o mais vo­ta­do da trí­pli­ce pa­ra de­sem­bar­ga­dor.

Mas aí sur­giu um fa­to no­vo: Mar­ce­lo Cor­dei­ro tro­ca­ra a se­na­do­ra por ou­tra com­pa­nhei­ra mais no­va, com quem se ca­sa­ria de­pois (ali­ás, não se­ria di­fí­cil achar com­pa­nhei­ra me­lhor, pa­ra se li­vrar de uma cin­quen­to­na pre­po­ten­te, já com seus pre­di­ca­dos de be­le­za de­fa­sa­dos). Is­to fe­riu os bri­os da par­la­men­tar, que se vi­ra pre­te­ri­da nas afei­ções do ad­vo­ga­do, e di­zem que ela pas­sou a “de­to­ná-lo”, e deu o tro­co: ape­sar de ele ter si­do o mais vo­ta­do e sen­do ela na épo­ca ali­a­da do go­ver­na­dor Si­quei­ra Cam­pos, Mar­ce­lo Cor­dei­ro não foi es­co­lhi­do, e Ro­nal­do Eu­rí­pe­des, que era con­si­de­ra­do “aza­rão”, foi o no­me­a­do, cer­ta­men­te por in­ge­rên­cia da se­na­do­ra, ten­do con­ta­do tam­bém com a pro­vi­den­ci­al aju­da do con­se­lhei­ro do TCE Jo­sé Wag­ner Pra­xe­des, no­tó­rio ali­a­do do Go­ver­na­dor (que sem­pre apa­dri­nhou Si­quei­ra no TCE, on­de sem­pre foi uma emi­nên­cia par­da) e ve­lho ami­go de Ro­nal­do.

De to­dos os ad­vo­ga­dos que pas­sa¬ram pe­la Cor­te Re­gi­o­nal Elei­to­ral até 2010, nes­tes qua­se trin­ta anos, ape­nas o ju­ris­ta He­lio Mi­ran­da era es­pe­cia­li­za­do em Di­rei­to Elei­to­ral, com in¬ten­so tra­ba­lho na se­a­ra do Di­rei­to Pú­bli­co e obras pu­bli­ca­das so­bre o as­sun­to. Dos de­mais que ocu­pa­ram a clas­se dos ju­ris­tas, sal­vo as hon­ro­sas ex­ce­ções de Er­nes­to Car­do­so Lei­te Ne­to, Jo­sé Ro­ber­to Amên­do­la, Mar­ce­lo Cor­dei­ro e Jo­ão Fran­cis­co Fer­rei­ra, que eram com­pe¬ten­tes ad­vo­ga¬dos, não me re­cor­do de um só que te­nha pon­ti­fi­ca­do na ad­vo­ca­cia elei­to­ral. Ou¬tros se­quer mi­li­ta­vam na ad­vo­ca­cia “ar­roz-com-fei­jão”. Eram sim­ples ma­ri­o­ne­tes com cor­dões ma­no­bra­dos pe­lo Pa­lá­cio Ara­gu­aia,

E is­to le­va­va, mui­tas ve­zes, al­guns a te­rem a “aju­da” do Exe­cu­ti­vo pa­ra ela­bo­rar su­as de¬ci­sões, quan­do o as­sun­to in­te­res­sa­va, vin­do de lá os vo­tos pron­tos ape­nas pa­ra tran­scre­ver pa­ra o im­pres­so do TRE e as­si­nar.

Pa­ra se ver o ní­vel dos in­te­gran­tes da OAB na Cor­te Elei­to­ral, cer­ta épo­ca, um ju­iz da clas­se dos ad­vo­ga­dos, cu­jo no­me não de­cli­no, pa­ra não cons­tran­ger, sus­pen­deu, por li­mi­nar, a pe­di­do do Exe­cu­ti­vo, uma de­ci­são de mé­ri­to do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral, ao fun­da­men­to de que os pre­ju­di­ca­dos ain­da po­de­ri­am re­cor­rer ao STF.

O ca­so en­trou no fol­clo­re ju­rí­di­co. E ca­da dia mais a gen­te se as­som­bra com as pre­se­pa­das que ocor­ri­am no To­can­tins.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa (AGI), es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])