Salvemos nossas crianças

Es­pi­ri­tua­li­zar o en­si­no é um po­de­ro­so an­tí­do­to con­tra a agres­si­vi­da­d

Postado por Paiva Netto em 12 de Julho de 2017 às 21h56

Je­sus, no Seu Evan­ge­lho, con­so­an­te Ma­teus, 24:15 e 16, aler­tou: “Quan­do, pois, vir­des a abo­mi­na­ção da de­so­la­ção, de que fa­lou o pro­fe­ta Da­ni­el, no lu­gar san­to (quem lê en­ten­da! — qui le­git, in­tel­li­gat), en­tão, os que es­ti­ve­rem na Ju­deia fu­jam pa­ra os mon­tes”.

Que lu­gar mais san­to no mun­do po­de exis­tir além da in­ti­mi­da­de das cri­a­tu­ras de Deus, o co­ra­ção, o cé­re­bro, a Al­ma das pes­so­as?

Aten­te­mos pa­ra a co­var­dia e cru­el­da­de con­tra nos­sas cri­an­ças que, quan­do não são ar­ran­ca­das do úte­ro ma­ter­no, so­frem to­do ti­po de agres­são fí­si­ca e/ou psi­co­ló­gi­ca por par­te da­que­les que de­ve­ri­am pro­te­gê-las. Tu­do is­so nos le­va a pen­sar que já vi­ve­mos a épo­ca anun­ci­a­da pe­lo Di­vi­no Mes­tre. Nun­ca co­mo ago­ra a abo­mi­na­ção de­so­la­do­ra ata­cou tan­to o ser hu­ma­no. É pal­mar “fu­gir pa­ra os mon­tes”, do pen­sa­men­to e da com­pai­xão, ou se­ja, pa­ra que do mais al­to vi­gi­e­mos me­lhor o “lu­gar san­to”.

Num pla­ne­ta que se ar­ma até os den­tes, mes­mo pa­re­cen­do que não, ten­do a deu­sa mor­te co­mo gran­de ins­pi­ra­do­ra, os lo­ca­is se­gu­ros vão se re­du­zin­do em ve­lo­ci­da­de des­co­mu­nal. Mas exis­te um oá­sis que se de­ve for­ta­le­cer, por­que é o abri­go das fu­tu­ras ge­ra­ções: o co­ra­ção dos pa­is, em es­pe­ci­al, o das mã­es. É nes­se aco­lhe­dor am­bi­en­te que os pe­que­ni­nos mol­da­rão os seus ca­rac­te­res. Daí te­rão ou não res­pei­to ao se­me­lhan­te, sa­be­rão ou não dis­cer­nir o cer­to do er­ra­do, por­tan­to, cons­tru­i­rão ou não um mun­do mais fe­liz.

O em­ble­má­ti­co epi­só­dio, há al­guns anos, en­vol­ven­do pes­soa apa­ren­te­men­te “aci­ma de qual­quer sus­pei­ta”, guar­diã da lei, que, se­gun­do a pe­rí­cia mé­di­ca, im­pôs maus-tra­tos à fi­lha ado­ti­va, de ape­nas 2 anos, e tan­tos ou­tros no­ti­ci­a­dos pe­la mí­dia são de es­tar­re­cer. Jo­gam por ter­ra a ideia de que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca es­tá so­men­te li­ga­da à de­sar­mo­nia fa­mi­liar, às di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, a pro­ble­mas com dro­gas, a exem­plo do ál­co­ol. Fi­ca pa­ten­te o gra­ve de­se­qui­lí­brio emo­cio­nal pre­sen­te nas es­fe­ras das re­la­ções hu­ma­nas. Ur­ge, pois, por sig­ni­fi­ca­ti­va par­ce­la da Hu­ma­ni­da­de, acu­ra­do exa­me de con­sci­ên­cia.

Por que per­mi­ti­mos que a si­tu­a­ção che­gue a es­se pon­to? Va­lo­res co­mo fa­mí­lia, dig­ni­da­de, fé e Es­pi­ri­tua­li­da­de pre­ci­sam so­bre­por-se à cul­tu­ra do con­su­mis­mo de­sen­fre­a­do, à fri­e­za de sen­ti­men­tos, à fal­ta de ca­ri­da­de e à ga­nân­cia des­me­di­da.

 

Re­fle­xões da Al­ma

Não so­mos pal­ma­tó­ria do mun­do, mas gos­ta­rí­a­mos de co­la­bo­rar na bus­ca de res­pos­tas a es­sas in­qui­e­tan­tes in­da­ga­ções. No meu li­vro Re­fle­xões da Al­ma (2003), pon­de­ro:

O mun­do fa­ti­ga-se com de­ma­sia de pa­la­vras e po­bre­za de ações efi­ca­zes, atos que de for­ma efe­ti­va sir­vam de mo­de­lo pa­ra a con­cre­ti­za­ção de um es­pí­ri­to de con­cór­dia, de Boa Von­ta­de, que ver­da­dei­ra­men­te trans­for­me o in­di­ví­duo de den­tro pa­ra fo­ra, coi­sa que não se con­se­gue por de­cre­to. É evi­den­te que es­se tra­ba­lho es­pi­ri­tual e hu­ma­no de ilu­mi­na­ção das cri­a­tu­ras de­ve ser acom­pa­nha­do por acer­ta­das me­di­das po­lí­ti­cas, eco­nô­mi­cas e so­ci­ais; Ins­tru­ção; Edu­ca­ção; e a in­dis­pen­sá­vel Es­pi­ri­tua­li­da­de Ecu­mê­ni­ca. Is­to é, uma per­fei­ta sin­to­nia com as Di­men­sões Su­pe­ri­o­res da Hu­ma­ni­da­de Ce­les­te, até ago­ra in­vi­sí­veis aos nos­sos olhos ma­te­ri­ais.

O es­tá­gio de fra­gi­li­da­de mo­ral do mun­do é tão avan­ça­do, ape­sar dos pro­gres­sos atin­gi­dos, que, pa­ra aca­bar com a vi­o­lên­cia, só exis­te uma me­di­ci­na for­te: a da es­ca­la­da da Fra­ter­ni­da­de So­li­dá­ria, ali­a­da à Jus­ti­ça, na Edu­ca­ção. Por is­so, ecu­me­ni­ca­men­te es­pi­ri­tua­li­zar o en­si­no é um po­de­ro­so an­tí­do­to con­tra a agres­si­vi­da­de. Por fa­lar na “Se­nho­ra de Olhos Ven­da­dos”, aqui um ilus­tra­ti­vo pen­sa­men­to do en­sa­ís­ta fran­cês Luc de Cla­pi­ers, Mar­quês de Vau­ve­nar­gues (1715-1747): “Não po­de ser jus­to quem não é hu­ma­no”. Por con­se­guin­te, tam­bém não é pos­sí­vel ser fe­liz.

 

Je­sus e as mã­es

A pro­fes­so­ra Adri­a­ne Schir­mer, de São Pau­lo/SP, en­viou-me e-mail no qual des­ta­ca meu ar­ti­go “Je­sus e as Mã­es”: “O que di­zer de tão co­mo­vi­da pre­ce? Nu­ma so­ci­e­da­de em que o Dia das Mã­es é di­re­cio­na­do às ven­das, o se­nhor não se es­que­ce nem da­que­las que já es­tão no mun­do es­pi­ri­tual, ze­lan­do, com cer­te­za, pe­los que aqui fi­ca­ram”.

Gra­to, pro­fes­so­ra Adri­a­ne. A ma­ter­ni­da­de é um sol que não se apa­ga.

 

(Jo­sé de Pai­va Net­to, jor­na­lis­ta, ra­di­a­lis­ta e es­cri­tor. pai­va­net­[email protected] — www.bo­a­von­ta­de.com)