Um instantâneo de realismo mágico

O co­nhe­ci­mento de um ho­mem sin­gu­lar

Postado por Edvaldo Nepomuceno em 12 de Julho de 2017 às 21h46

Um ho­mem so­li­tá­rio es­ta­va dei­ta­do à som­bra de um co­quei­ro. Nu­vens oce­â­ni­cas na­ve­ga­vam no azul lím­pi­do do céu. Uma me­ni­na fe­liz por­que atra­í­da an­jos se apro­xi­mou de­le sen­tin­do com­pai­xão:

– Bom-dia, pe­da­ci­nho de gen­te! – dis­se o ho­mem es­ten­den­do a mão pa­ra cum­pri­men­tá-la.

– Bom-dia! – res­pon­deu a me­ni­na sen­tan­do-se ao la­do de uma du­na de areia.

O ho­mem e a me­ni­na se en­tre­o­lha­vam sor­rin­do di­an­te da vas­ti­dão do mar que tra­zia for­tes on­das pa­ra or­la da praia.

O ho­mem res­pon­deu meio dis­tra­í­do:

– Vo­cê es­tá tris­te por­que não tem ami­gos. Vo­cê quer ir ao pi­que­ni­que que fa­rei ho­je? – per­gun­tou a me­ni­na an­sio­sa num mis­to de es­pan­to e pre­o­cu­pa­ção.

– Por que fi­car dis­cu­tin­do a cor da to­a­lha, a qua­li­da­de da gra­ma, se vai cho­ver, se tem for­mi­gas e se que­re­mos san­du­í­che ou bo­la­chas? In­ter­ro­gou o ho­mem num ar de pro­fun­do de­sâ­ni­mo – no fi­nal nem se­re­mos fe­li­zes co­mo po­de­re­mos ter si­do.

A res­pos­ta foi pron­ta e con­tun­den­te:

– Pois te de­se­jo mui­ta fe­li­ci­da­de. Se vo­cê não for, mes­mo as­sim sen­ti­rei-me fe­liz por ter co­nhe­ci­do ho­je um ho­mem sin­gu­lar.

– Obri­ga­do, eu sou mes­mo um só, úni­co no mun­do – agra­de­ceu o ho­mem num sú­bi­to ar de ale­gria. Eu de­se­jo que vo­cê ob­te­nha tu­do o que nin­guém po­de te dar – acres­cen­tou.

Após um mo­men­to de si­lên­cio, num im­pas­se to­tal, a me­ni­na dis­se:

– Não é is­so que eu de­se­jo ex­pres­sar. Eu só que­ria di­zer que vo­cê é um ami­go ma­ra­vi­lho­so – in­sis­tiu a me­ni­na.

– É… de­va ser por­que eu gos­to de ce­nou­ras, nu­vens e ba­ta­tas – res­pon­deu no­va­men­te o ho­mem sem­pre sor­rin­do pa­ra a me­ni­na.

– Mas eu não es­tou ven­do vo­cê co­mer ce­nou­ras e nem ba­ta­tas, nem se­quer vo­cê es­tá olhan­do pa­ra as nu­vens – in­sis­tia a me­ni­na in­con­for­ma­da e per­ple­xa.

A lem­bran­ça e a sa­u­da­de en­tris­te­ceu o ho­mem:

– É que es­tou lem­bran­do-me da ca­sa que eu per­di, on­de eu da­va ce­nou­ras aos meus co­e­lhos e vi­via plan­tan­do ba­ta­tas.

 

(Ed­val­do Ne­po­mu­ce­no, es­cri­tor)