Maioria governista derruba requerimento de líder peemedebista

Deputado pede extinção do grupo executivo do VLT no governo do Estado

Postado por Bia Mendes em 20 de Abril de 2017 às 21h15

A maioria dos deputados da Assembleia Legislativa – que são da base aliada do governo do Estado – derrubaram requerimento do líder da oposição, deputado José Nelto (PMDB), em relação à extinção do grupo executivo para implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que é mantido por recursos do governo de Goiás.
Conforme o deputado, o grupo executivo é formado por “quatro marajás e gasta R$ 36 mil por mês”, atesta Nelto que acredita que não tem justifica o grupo executivo ser mantido ser as obras para o VLT estão paradas e não há previsão para que sejam retomadas. O projeto que prevê a implantação VLT em Goiânia é uma promessa de campanha feita em 2010 pelo governador Marconi Perillo (PSDB). A iniciativa deveria ter sido concluída em 2015 e substituiria os ônibus do Eixo Anhanguera, no entanto, as obras foram paralisadas por falta de recursos.
Outra crítica de José Nelto é em relação ao contrato do governo do Estado com o consórcio Mobilidade Anhanguera, contratado para a obra, já que a empresa tem como membro a construtora Odebrecht – envolvida em escândalos de corrupção na Operação Lava Jato. Para o deputado, “não há sentido em manter o grupo executivo, já que não haverá mais VLT”.
“Não há a menor possibilidade deste projeto sair do papel, pois é muito caro, superfaturado. Mas para manter quatro marajás amigos seus no governo, Marconi mantém o grupo executivo do VLT ao custo de R$ 36 mil que são pagos pelos cidadãos goianos. Sem contar que a Odebrecht está metida na obra. É um absurdo, mais uma vergonha deste governo”, criticou na Tribuna do Plenário.