Enviado em 16/08/2012 às 00h17

As melhores escolas de Goiás

Colégios da Polícia Militar se destacam por bom desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica

Diário da Manhã
Cecília Preda

Os dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nos dois ciclos da educação mostram que, do 5º ao 9º ano, entre as dez melhores escolas públicas de Goiás, três ficam em Goiânia. Porém a Capital não está no topo do ranking, sendo representada pela escola que aparece em quarto lugar. Na categoria de 5º ao 9ª ano, o destaque fica para os colégios da Polícia Militar: das dez melhores escolas, cinco fazem parte dessa categoria. Entre as melhores escolas de 1º ao 4º ano também existem três  instituições públicas de ensino que ficam na Capital. (Confira o box completo das melhores escolas municipais e estaduais).

A nota do Ideb é calculada a partir do desempenho dos estudantes em uma prova aplicada nacionalmente e através de taxas de aprovação, da frequência em sala de aula, além do índice de reprovação da instituição.

A escola que apresentou melhor desempenho, no Estado, foi o Colégio da Polícia Militar de Goiás Dr. Cézar Toledo, de Anápolis, a 55 km de Goiânia. Ele faz parte do ranking das melhores escolas do País, na categoria de 5º a 9ª ano, sendo o 20º colocado. A instituição apresentou rendimento de 6,7.

Para a coordenadora pedagógica do colégio, Valceni Aparecida de Moura Silva, um dos pontos fortes do Colégio Dr. Cézar Toledo é a seriedade dos profissionais e a cobrança pela disciplina dos alunos. Ela explica que toda a equipe do colégio está empenhada em trabalhar para que os alunos aprendam. “Aqui os funcionários vestem a camiseta da educação. Os militares também fazem ronda pelos corredores para auxiliar o trabalho dos educadores e cobrar a disciplina dos estudantes”.

Valceni destaca o sistema on-line do colégio. Nele, os pais podem acompanhar as faltas e notas dos filhos. Além disso, Moura alega que os professores estão sempre estimulando os alunos. “Trabalhamos incentivando nossos adolescentes. Tanto que nosso aluno foi o primeiro colocado na Olimpíada Nacional de Física e irá representar Goiás no exterior”, afirma.

Já na Capital, das três melhores escolas públicas, duas também são militares. Os Colégios da Polícia Militar de Goiás (Unidade Hugo de Carvalho Ramos e Unidade Polivalente Modelo Vasco dos Reis) e o Colégio Centro de Ensino Pesquisa Aplicada obtiveram índice 5,8. Juntos, eles ocupam o quatro lugar no ranking das melhores escolas do Estado.

Para o major Ubiratan Reges Júnior, que dirige a Unidade Hugo de Carvalho Ramos, que fica no Jardim Goiás, são diversos aspectos que levaram os colégios militares a apresentarem esse desempenho. “Não somos melhores que os outros colégios, mas nossa filosofia de ensino acaba auxiliando no aprendizado dos nossos alunos”, explica.

O major diz que o grande diferencial da escola militar é que fazer o estudante passar no vestibular, apesar de ser importante, não é o principal objetivo. “Entrar numa faculdade é fundamental, mas aqui preparamos a pessoa ensinando valores. Nós queremos que a criança e o adolescente sintam que aqui é sua segunda casa. Afinal, a educação do colégio é uma extensão do ensino que é dado pelos pais”.

Ubiratan ainda destaca que, diferente do que muitas pessoas pensam, o colégio militar não prega o militarismo. “Muita gente associa nossa instituição com a ditadura. Longe disso... Queremos formar cidadãos livres. Incentivamos o esporte, a música e o teatro dentro da escola”.


Valor humano

Já no primeiro ciclo de educação, 1º a 4º ano, a escola que se destacou, em Goiânia, foi o Educandário Espírita Eurípedes Barsanulfo. A escola conseguiu índice de 7,2, ocupando o 3º lugar no ranking estadual. Para a diretora do colégio, Rita Ferreira, o bom desempenho dos alunos está relacionado com a filosofia de valores humanísticos desenvolvidos dentro da instituição.

Além disso, de acordo com a diretora, a presença da família na escola é outro fator que enriquece o ensino dos alunos. “Temos uma escola integral, que trabalha junto com o núcleo familiar. Os pais podem participar. Assim, levamos um pouco do colégio para dentro do lar”, conta.

O índice para escolas particulares foi de 6,7 para o primeiro ciclo de educação e 5,8 para o segundo. No entanto, o Ministério da Educação só divulgou a média geral. Os nomes das escolas privadas e suas respectivas notas não foram publicados.