Cotidiano

Governo afasta policial que coibiu manifestação

diario da manha
Trecho do vídeo em que criança e mãe têm tomadas suas panelas pela Polícia Militar do Estado de Goiás

Administração diz que ‘afastou’ militar responsável por tomar panela de manifestantes

Segundo a assessoria do Governo de Goiás, o policial que tomou panela de manifestantes que protestavam contra a presença da presidente Dilma Rousseff em Goiânia foi afastado da corporação.
A nota do governo não esclarece o nome do policial nem a espécie de ‘afastamento’ que impõe o chefe do Executivo. Por ser servidor público, é preciso instauração de procedimento administrativo. E o Poder Judiciário não afasta a apreciação do caso, sendo necessário também processo judicial para que ocorra um real ‘afastamento’ do cargo.
O episódio teria motivado críticas ao governador Marconi Perillo por ação atentória contra o direito de manifestação, que é direito fundamental da Constituição.

Vídeo
A nota do governo diz que Marconi tomou providências: “Tão logo tomou conhecimento, o governador Marconi Perillo determinou ao secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, Joaquim Mesquita, e ao comandante da Polícia Militar, coronel Sílvio Benedito Alves, o afastamento imediato do policial que se envolveu em incidente com um grupo de manifestantes durante a visita da presidente Dilma Rousseff a Goiânia, na tarde da última quinta-feira (19 de março)”.
Claudina Ramos Caiado, uma das manifestantes agredidas, disse que não foi apenas um policial que agrediu os manifestantes. “Eu fui empurrada e foi da minha filha de apenas 6 anos e de mim que tomaram as panelas! Toda a polícia estava orientada a impedir as manifestações e o acesso! O vídeo que mostra o ocorrido em Goiânia foi divulgado pelo próprio Movimento Brasil Livre e saiu em várias reportagens! O vídeo completo está no meu Facebook claudina ramos caiado e também o video editado (pois só cabem 15 segundos) no meu instagram @claudinacaiado”, diz uma das supostas vítimas do episódio.
Em nota, o Governo de Goiás disse que a corporação não teve qualquer orientação para agredir manifestantes: “O Governo de Goiás observa que não há qualquer treinamento ou orientação por parte de suas forças de segurança que coadunem com a ação impensada do policial. O Governo de Goiás respeita e defende o direito à livre e pacífica manifestação de seus cidadãos. Esta tem sido a postura em relação a todas as manifestações no Estado”.

Comentários

Mais de Cotidiano