Cotidiano

Olfato bom para o crime

diario da manha
Cachorro Brutos, de Brasília, tem como profissão colocar traficantes e assaltantes na cadeia: rendimento otimizado da polícia (Pedro Ventura/Agência Brasília)

Uso constante de cachorros para encontrar drogas melhora performance de equipes de policiamento ostensivo

Agência Brasília
Brutos ajudou a colocar muitos traficantes e assaltantes na cadeia. O pastor-alemão de seis anos, um dos mais experientes cachorros da Polícia Militar, é especialista em identificar drogas e armas escondidas por criminosos nos mais inusitados locais. O animal integra um time formado por 56 cães do Batalhão de Policiamento com Cães (BPCães) — unidade da corporação situada no Setor Policial Sul.
Considerado veterano, Brutos participou de incontáveis missões e, em menos de dois anos, deve se aposentar. Os cães da tropa deixam de ser empregados em operações, em média, aos oito anos. “Não significa que ele está cansado e inválido, mas, pelos bons serviços prestados, consideramos que eles devem se aposentar com saúde e disposição”, explica o chefe da seção operacional do batalhão, tenente André Hideki.
Fundamentais em ações policiais, os cachorros da PM são capazes de substituir até 20 policiais na procura por suspeitos, armas e substâncias ilícitas, graças ao olfato 40% superior ao do homem. “Dificilmente o policial consegue encontrar uma pequena porção de maconha escondida dentro da porta de um veículo”, compara Hideki. “O cachorro a localiza em poucos segundos.”
Os cães da Polícia Militar são estimulados antes do nascimento. Adestradores do batalhão fazem massagem na barriga da cadela prenha para aguçar os sentidos dos filhotes. Após um período de convivência com a mãe e com outros cães, eles iniciam o treinamento – atravessar rios, correr sobre pisos irregulares e se familiarizar com sons de bombas, tiros, carros, helicópteros.

Características
Os policiais identificam as principais qualidades de cada animal durante os exercícios. Os de detecção são usados para encontrar entorpecentes, armas e explosivos. Devem ter bom preparo físico e perseverança para achar o que procuram.
Os cachorros de captura, mais robustos e de temperamento forte, auxiliam na detenção e na imobilização de bandidos armados. Pelo porte físico avantajado, também costumam ser vistos em protestos. “Em muitas ocasiões, as pessoas evitam o embate com a PM só pelo impacto da presença de um cachorro forte”, diz o oficial.

Cachorros são adestrados em natação e comandos

No Corpo de Bombeiros, os cachorros são utilizados principalmente para auxiliar nas atividades de busca por desaparecidos em bosques ou desabamentos. “Durante uma procura na mata, por exemplo, o trabalho feito em 30 minutos por um cão equivale ao mesmo serviço realizado durante uma hora por 20 homens”, compara o sargento Elias Souza.
O canil do Corpo de Bombeiros do DF funciona desde 1992 no Grupamento de Buscas e Salvamento, localizado no Setor de Clubes Norte. Lá, os animais, considerados verdadeiros colegas de trabalho dos militares, recebem treinamento intensivo – aprendizado de comandos, simulações em escombros e natação –, além de atividades ao ar livre.
“A partir dos 45 dias, começamos a aplicar os primeiros exercícios com o filhote. O adestramento completo dura aproximadamente um ano. A partir daí, ele está apto para iniciar os trabalhos ao lado de um militar”, diz o sargento, lembrando que, apesar da importância da função exercida pelo animal, tudo é considerado uma grande brincadeira pelo farejador.

Comentários

Mais de Cotidiano

3 de julho de 2019 as 15:11

Morre Wágner Nasser