Cotidiano

Um mal que ainda faz vítimas no Brasil

diario da manha

Hoje é comemorado o Dia Mundial de combate à tuberculose e Goiás se mantém como segundo Estado com menor incidência no país

Divania Rodrigues,Da editoria de Cidades

No Brasil a incidência de casos novos de tuberculose foi reduzida em 22,8% e a taxa de mortalidade em 20,7%, mas o Ministério da Saúde ainda o considera um sério problema da saúde pública. O número de casos novos teve redução de 12,5%, passando de 77.694, em 2004, para 67.966 casos novos registrados em 2014. Em 2014, a incidência de tuberculose no Brasil foi de 33,5 casos por 100 mil habitantes, contra 43,4/100 mil em 2004. A taxa de mortalidade de 2013 foi de 2,3 óbitos por 100 mil habitantes, abaixo dos 2,9 óbitos/100 mil registrados em 2003.

Em Goiás, 808 novos casos de tuberculose foram registrados em 2014. O número de registros se mantém o mesmo dos anos anteriores e coloca o estado em segundo com menor incidência do país. Os dados são do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinanet).

Somente na Capital foram registrados 205 novos casos. O percentual de cura em Goiânia foi de 71,6%, abaixo do índice de 80% estabelecido como meta pelo Ministério da Saúde para o país. De acordo com João Alves de Araújo Filho, infectologista no Hospital de Doenças Tropicais de Goiânia, os números de Goiás mostram um bom cenário dentro do quadro brasileiro. Porém seria preciso trabalhar mais para diminuí-los e no caso da Capital investigar o motivo de não está havendo cura em uma porcentagem maior de casos: “O ideal é que esse número ceda progressivamente.”

 

Doença

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões. A doença é curável. É causada por uma bactéria denominada Bacilo de Kosh, que se propaga pelo ar através das gotículas eliminadas pela respiração, espirros e tosse. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa.

O sintoma principal da tuberculose pulmonar é a tosse prolongada por mais de três semanas. “Normalmente é a tosse que demora a passar, mas a tuberculose tem outros sintomas que vem associado, como febre e perda de peso”, explica o infectologista. A tosse também pode vir acompanhada de secreção e esta pode conter sangue. Outros sinais da doença são sudorese noturna, cansaço e dor no peito.

A doença afeta principalmente os pulmões, mas pode se espalhar por outros órgãos – conhecida como tuberculose extrapulmonar. Qualquer pessoa com tosse persistente deve procurar uma unidade de saúde para fazer o diagnóstico que é realizado por meio de métodos laboratoriais como o exame de escarro, RX e avaliação clínica.

O tratamento dura entre seis a nove meses e depende da forma clínica do paciente e é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Se realizado corretamente há 100% de garantias de cura. Porém, em alguns casos o paciente abandona o tratamento.

O médico explica que isso normalmente acontece porque os sintomas ficam atenuados ou desaparecem e o paciente acaba entendendo que está curado, o que não ocorre antes do tempo de tratamento.  “O que acontece, muitas vezes, é que o paciente ao tomar o remédio se sente melhor – para de tossir, a febre para, ganha peso, então deixa de tomar os remédios. Mas, nesses casos a doença vai voltar em determinado momento.”

Comentários

Mais de Cotidiano