Cotidiano

O vereador Djalma Araújo conseguiu protocolar pedido de abertura da CEI do Transporte Coletivo

diario da manha

Os vereadores do município de Goiânia estão tentando instaurar uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar a má-prestação de serviço do transporte coletivo oferecido pelas empresas de ônibus na cidade.

A iniciativa para a abertura da CEI do transporte foi do vereador Djalma Araújo (SDD) e seu pedido foi protocolado nesta semana. No total, 18 parlamentares assinaram o requerimento. Na semana que vem o presidente da Câmera, Anselmo Pereira (PSDB), deverá assinar o decreto de instauração da CEI e requisitar aos partidos que apresentem os nomes para a composição dos membros.

“É uma vitória da Câmera Municipal, que vai investigar todas as irregularidades e este contrato das empresas com a Prefeitura de Goiânia em 2007, vamos investigar a qualidade do transporte que não existe, a planilha do transporte coletivo. Espero que seja uma investigação séria do poder legislativo goianiense. A Câmara está dando uma resposta pra sociedade ao investigar esta caixa preta do transporte coletivo que só beneficia os empresários em detrimento dos interesses da população da nossa cidade”, frisa o vereador.

O parlamentar analisa que entre os pontos mais críticos a serem analisados pela CEI do Transporte da Câmara estão: o contrato, a planilha de custos e ainda a qualidade de prestação de serviço que é oferecido à população.

“É critico o contrato. A primeira licitação em 1969, a segunda em 2007. As mesmas empresas ganharam a licitação. Isso é crítico. A investigação está no Ministério Público. Outra situação crítica é a planilha de custos, não sabemos como são elaboradas. E outro ponto é a péssima qualidade do serviço oferecido”, ressalta Djalma Araújo.

O presidente da Câmara, Anselmo Pereira, entende que para que esta CEI e a dos Conselhos Tutelares não caiam em descrédito, é preciso cumprir prazos e mostrar resultados.

“Eu já determinei agora a instalação imediata. Vou dar todo o apoio jurídico logístico e inclusive de segurança para que toda a documentação necessária possa chegar a CEI e o presidente e relator tenha condição de menos de 90 dias concluírem. Não dá pra você fazer CEI e ter mais de 90 dias, depois mais 30 e cair no esquecimento. EU como tutor da casa vou exigir o cumprimento do prazo”, avalia o presidente da Câmara.

A comissão é composta por sete membros titulares e três suplentes, que funciona pelo prazo de 90 dias, prorrogáveis por 180.

Comentários

Mais de Cotidiano