Cotidiano

Homem rouba supermercado e policiais fazem compras para ele

Os policiais pagaram a fiança do homem

diario da manha

Um homem foi preso após roubar 2 Kg de carne, em um estabelecimento em Santa Maria, Brasília. Ele foi detido na última quarta-feira, após ter ido ao supermercado fazer compras. O cartão que utilizaria não tinha limite e ele tentou esconder parte da mercadoria.

O homem tentou roubar a carne, mas foi impedido pelo dono do estabelecimento, que acionou a polícia. Ao chegar na delegacia, Mário Ferreira Lima, que é eletricista, mas está desempregado, contou o que teria motivado ele a roubar a carne. Ele ainda passou mal e informou que estava sem comer por dois dias, porque havia deixado um pedaço de pão que tinha em sua casa para o filho comer. Os policiais ficaram comovidos com os relatos e acabaram pagando a fiança dele e ainda fizeram compras para o homem.

Mário contou aos policiais que sua mulher sofreu um acidente há 1 anos e precisou se hospitalizar por 8 meses. Nesse período, o homem acabou perdendo o emprego. Após receber alta, a mulher foi morar com um filho de outro casamento, porque Mário não teria condições para sustenta-la.

O homem cuida do filho sozinho. O menino tem 12 anos. A carne foi roubada para sustentar a criança. Mário ainda relatou que, mesmo desempregado, costuma fazer bicos para manter o sustento, mas não encontra qualquer tipo de trabalho há dois meses.

Comovidos, os policiais pagaram a fiança, um valor de R$ 270,00. Um deles ainda pagou o valor da carne que havia sido roubada, aproximadamente R$ 30,00. Eles ainda fizeram uma compra para o homem.

Em entrevista ao G1, Ricardo Machado, um dos agentes que ajudou nas compras informou que o roubo deve ser sempre evitado, mas ele diz que se colocou no lugar do homem e acabou sensibilizado. “A gente sabe que o crime não é certo, mas eu me ponho no lugar. Imaginei a minha filha passando fome. O que eu não faria nessa situação?”, argumentou.

O agente também declarou que Mário agradecia a eles durante todo o tempo. “Não conseguia acreditar e não parava de agradecer”, disse.

Comentários

Mais de Cotidiano