Embaixador do Brasil na Venezuela evita comentar porque não acompanhou a comitiva de senadores

Aécio afirma que conselheiro que deveria acompanhar grupo não apareceu

CARACAS — Quando o avião que trouxe os oito senadores brasileiros a Caracas aterrissou na quinta-feira no terminal auxiliar do Aeroporto de Maequetia, o embaixador do Brasil na Venezuela, Rui Pereira, os recebeu rapidamente e não acompanhou a tumultuada passagem da comissão oficial do Senado pela capital venezuelana. Agora, o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), quer saber se ele recebeu ordens do Itamaraty para não acompanhá-los durante a visita. Além dele, como é de praxe, nenhum funcionário da embaixada deu assistência aos senadores brasileiros.

— Quando o embaixador Rui nos recebeu no avião, nos disse que não poderia nos acompanhar. Mas avisou que um conselheiro da embaixada iria ficar com a comitiva. Ele desapareceu e ninguém da embaixada nos socorreu. Mesmo sabendo que o clima estava tenso, ele nos abandonou. Quero saber se isso foi mesmo ordem do Itamaraty — disse Aécio nesta sexta-feira.

Só no final do dia de ontem, quando os senadores se preparavam para embarcar de volta ao Brasil, ele apareceu para se despedir. Alegou que não se juntou a comitiva de senadores, porque também estava retido no trânsito.

Perguntado porque não ficou quando recebeu os senadores no avião, o embaixador respondeu:

— Eu não comento!

Os senadores lembraram que no episódio dos torcedores corintianos presos na Bolívia, o Itamaraty designou diplomatas para viajar até o presídio em que eles estavam para prestar assistência, o que não aconteceu com senadores da República agredidos por manifestantes pró-Nicolás Maduro.

— O problema não é a Bolívia nem a Venezuela. O problema é o Brasil. Quando o governo quer manda o ministro da Justiça, de Relações exteriores. Mas não houve interesse do governo brasileiro — disse o presidente da Comissão de Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB-SP), que ficou em contato a tarde inteira, por telefone, com o embaixador brasileiro.

Comentários