Cotidiano

Governo fecha acordo com alíquotas diferenciadas para aumento da tributação na folha de pagamento

Levy diz que meta do governo é aprovar a redução das desonerações até o fim do mês

BRASÍLIA – Apesar da discordância de alguns partidos da base, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), afirmou que há um acordo para votar o projeto de lei que aumenta a tributação na folha de pagamento para setores da indústria esta semana. Segundo ele, o aumento das alíquotas cobradas das empresas sobre o faturamento será de até 150%, sendo que para quatro setores – comunicação, call centers, transporte de passageiros e cesta básica – será de 50%. Não haverá escalonamento progressivo das alíquotas. O reajuste só valerá 90 dias depois que a presidente Dilma Rousseff sancionar o projeto.

– Está pacificada a incidência, a garantia da noventena. Não há escalonamento, vamos no máximo ficar nos quatro setores que foram sugeridos para alíquotas diferenciadas. A base está unida para concluir a votação do ajuste – afirmou Guimarães.

[object Object]

O entendimento foi fechado em reunião ocorrida na manhã desta terça-feira com o vice Michel Temer, os ministros Ricardo Berzoini (Comunicações), Carlos Gabas (Previdência), Joaquim Levy (Fazenda), Eliseu Padilha (Aviação Civil) e Aloizio Mercadante (Casa Civil) com líderes da base aliada na Câmara. O titular da Fazenda afirmou que o governo deve ter como meta a aprovação do projeto até o fim deste mês.

– Eu acho que a gente deveria ter como meta exatamente ter essa parte das desonerações votadas até o final desse mês. É essa a meta fiscal que a gente tem que ter no momento – afirmou Levy, depois de defender mais uma vez o ajuste fiscal.

Segundo participantes do encontro, contudo, Levy não ficou muito satisfeito com esse resultado, mas saiu convencido de que é o possível. O relator do PL, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), disse que embora Levy tenha ficado um pouco contrariado, o acordo permite que 80% da proposta original do governo seja aprovada.

– O espírito é preservar as receitas, ou seja, fazer o ajuste, mas proteger esses setores que seriam muito danificados com o projeto integral. O ministro Levy se convenceu da necessidade, me parece, de preservar a totalidade do projeto, de fazer concessões para que o projeto possa ter sua aprovação efetivada. Ou seja, aprovar 85%, 80% da recomposição de receitas que o governo pretende é melhor do que ver o projeto rejeitado no Congresso. Houve bom senso. O ministro tem cumprido seu papel. Devemos dar a ele e à equipe econômica esse crédito de confiança – afirmou Picciani, que garantiu que apresentará seu relatório nesta noite.

A proposta dos líderes que participaram da reunião com Temer é que o governo apresente ao colégio de líderes a proposta de que se encerre hoje a votação sobre a reforma política e vote, entre amanhã e quinta-feira, o PL das desonerações, última medida que ainda falta votar no pacote de ajuste fiscal proposto pelo governo.

Comentários

Mais de Cotidiano