Cotidiano

Túmulo de Chico Xavier é alvo de vandalismo

Filho do líder espiritual pretende reformar mausoléu para aumentar segurança da sepultura. Marcas de agressão foram deixadas na proteção de vidro. Polícia Civil vai investigar agressão

diario da manha

 

Um trincado e algumas marcas de pancadas apareceram no vidro blindado que protege o túmulo de Chico Xavier, situado no Cemitério São João Batista, em Uberaba. As ranhuras fazem o filho adotivo do médium, Eurípedes Higino, pensar em ato de vandalismo, possivelmente motivado por intolerância religiosa. Após o incidente, Higino pretende instalar barras para reforçar a segurança do túmulo. A Polícia Civil vai investigar agressão. De acordo com o diretor de cemitérios, Jaime Messias, o dano ao túmulo não foi comunicado à administração. Ele destaca que o cemitério é vigiado em tempo integral.

Eurípedes disse que pela manhã esteve no local e percebeu que a placa de identificação de um túmulo vizinho estava jogada próximo à sepultura do pai. Segundo ele, um jornalista de São Luís (MA) visitou o túmulo na tarde de ontem para uma pesquisa e percebeu o vidro danificado.

“Eu levei duas senhoras de manhã para conhecerem o túmulo. Quando foi depois do almoço, deixei um rapaz do Maranhão na entrada. Ele logo voltou na minha casa e disse que tentaram quebrar, pois tinha até marcas de pé no vidro”, disse.

Eurípedes acredita que a pessoa que tentou destruir o túmulo utilizou peças de mármore soltas da sepultura vizinha. “Nessa altura, tanto pode ser atitude de drogados, como de intolerância religiosa. Eu pensava que o Chico era respeitado desde as periferias e por pessoas de todas as religiões”, afirmou.

Temendo por mais atos de vandalismo, Eurípedes disse que já chamou um serralheiro para orçar a implantação de grades.“Ele (Chico Xavier) brincava que eu teria mais trabalho depois da sua partida do que quando fosse vivo”, afirmou.

 

LIVROS

Francisco Cândido Xavier morreu, em junho de 2002, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, aos 92 anos de idade, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória. Ao longo da vida, psicografou centenas de livros e teve vendidos mais de 50 milhões de exemplares, sendo considerado o escritor brasileiro de maior sucesso comercial da história.

 

 

 

 

 

 

Comentários

Mais de Cotidiano