Cotidiano

Conferência debate dilemas entre palestinos e israelenses na Semana da Anistia

Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil

A conferência “Encontros e Diálogos entre Palestinos e Israelenses: Dilemas e Perspectivas nos Caminhos Para a Paz”, ocorrida hoje (27), na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo, reuniu estudantes, acadêmicos e políticos das duas nações em um debate para apresentar perspectivas, visões e dilemas.

O evento integra a Semana da Anistia, que relembra os 36 anos da Lei de Anistia. O presidente da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, Paulo Abrão, explicou que o evento pretende que todas as visões possam ser pronunciadas de forma livre, em um ambiente profundamente dialógico.

“A realização desse seminário nos permite conhecer a fundo uma situação de um conflito histórico, que se arrasta durante muito tempo, e o impacto que isso gera na administração das consequências e dos legados que se acumulam ao longo do tempo em torno de violações de direitos humanos”, disse Abrão. Segundo ele, o debate é muito interessante, “já que o trabalho da Comissão de Anistia está intimamente relacionado com essa finalidade de conhecer instrumentos de administração de conflitos sociais”.

O representante palestino, Xeque Barakat Fawzi Hasan, que é diretor-geral do Centro Jerusalém de Estudos e Mídia Islâmica, afirmou que o conflito tem vítimas dos dois lados. Uma das dificuldades para se estabelecer a paz é que ambos os lados requerem Jerusalém como sua capital, o que gera um conflito religioso, de acordo com Hasan. Ele disse que grupos fanáticos usam a religião para promover conflitos e acredita que, se problemas políticos entre palestinos e israelenses se converterem em guerra religiosa, será impossível chegar a um acordo.

Hasan ressaltou que, para um ambiente de segurança, é necessário que haja um Estado Palestino soberano. Ele disse ainda que, oficialmente, existem sete milhões de palestinos refugiados, proibidos de viverem em suas terras. Segundo Hasan, o que se pode esperar do lado palestino é o espalhamento rápido dos acampamentos, mesmo que haja ataques por parte de Israel.

Representante de Israel, Rabino David Shlomo Stav, que é co-fundador e presidente da Organização Tzohar, defendeu que o aspecto religioso é muito relevante e que seria impossível para Israel renunciar à soberania de um território por motivos justamente religiosos. Ele afirmou que políticos podem pensar soluções baseadas na soberania, mas acredita que Deus está acima das nações.

Editor Jorge Wamburg

tags:

Comentários

Mais de Cotidiano