Cotidiano

Igreja Universal tinha preferência por crianças loiras e de olhos azuis, diz documentário

diario da manha

A série de reportagens produzida pela emissora portuguesa TVI que acusa a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) de manter um lar ilegal de crianças, em Lisboa, na década de 90 chegou ao fim nesta sexta-feira (22/12). O último episódio de “O Segredo dos Deuses” revelou que crianças loiras e de olhos azuis ‘eram as mais cobiçadas’ pelos bispos para a adoção.

Segundo a produção, havia uma espécie de ‘troca’ e ‘premiação’. Os religiosos davam dinheiro para a Instituição e podiam escolher os menores por meio de fotografias.

Além destas informações, o documentário mostrou a história de Ricardo Campos que afirmou ter tido a filha roubada pela Igreja. Ele estava em tratamento contra drogas no momento em que a criança nasceu. A esposa Milena de Fátima Castro que ficou sozinha, com duas filhas e sem conseguir trabalho, foi buscar auxílio na IURD.

Conforme depoimento de funcionárias do lar da instituição, a menina ficou no lar um ou dois dias, e foi levada para a residência do bispo João Luís que havia prometido ajudar a mãe. Ao voltar da desintoxicação, o pai foi informado que a filha havia morrido.

Ricardo passou a frequentar a igreja, tornando-se pastor. Anos depois, durante um culto, um outro pastor revelou a verdade sobre a criança.

Leia mais:

Documentário afirma que Igreja Universal mantinha rede ilegal de adoção de crianças

> Netos adotados de Edir Macedo fazem crítica a documentário que acusa a Igreja Universal de tráfico de crianças

 

Comentários

Mais de Cotidiano