Cotidiano

O longo caminho para a recuperação

diario da manha
FOTO:ANDRÉ COSTA

Muita água ainda vai correr no Córrego Botafogo até que se tenha uma solução definitiva para os pro­blemas de infraestrutura na Mar­ginal, que vem ocorrendo sempre que cai uma chuva mais forte em Goiânia. Pelo menos esta é a visão do Crea–Conselho Regional de En­genharia e Agronomia de Goiás, que vem alertando a prefeitura de Goiânia desde 2010 sobre os graves problemas de infraestrutura da via.

O engenheiro civil Everton Schmaltz, especialista em Dre­nagem Urbana e Sistema Viários, diz que em 2010 foi feito um es­tudo técnico sobre a Marginal Botafogo que identificou vários problemas, mas nada foi feito de concreto. Em 2015 o Crea, em um uma entrevista coletiva, alertou novamente que os problemas da via aumentaram e se nada fosse feito poderiam ocorrer mais da­nificações, mas só foram toma­das medidas paliativas. A Seinfra fez um novo projeto de recupera­ção que também não foi coloca­do em prática. Já em 2017, mais um desabamento e novamen­te tomadas medidas paliativas que continuam deixando a Mar­ginal Botafogo uma via perigosa em períodos chuvosos como está ocorrendo atualmente neste ano.

“As condições estruturais da Marginal Botafogo pioraram muito. Se tivesse sido feito algo de concreto antes, com base nos estudos técnicos anteriores, a si­tuação seria outra. A Marginal vi­rou uma colcha de retalhos. Agora é preciso um novo estudo técnico para uma intervenção definitiva que solucione os problemas da via”, afirma Everton Schmaltz. De acordo com o engenheiro é ne­cessário que se faça uma macro drenagem no subsolo onde está a via. Ele diz ainda que são três fases para que se tenha uma so­lução definitiva. A primeira, um novo estudo técnico. A segunda, o desenvolvimento do projeto e ter­ceira, a execução. “De nada adian­ta fazer um estudo técnico como já foi feito e não executá-lo. Por­que o sistema, a cada dia que pas­sa, vai piorando, com o concre­to do córrego rachando abrindo valas subterrâneas. A Marginal Botafogo hoje é o maior passivo ambiental da Capital. É preciso fazer uma macro drenagem, já que a água infiltra e escava o solo abrindo canais embaixo da via, tornando-a cada vez mais peri­gosa”, conclui o engenheiro.

LIBERAÇÃO DAS VIAS

Dos quatro trechos que esta­vam interditados um foi libera­do na última terça-feira. Os outros três, segundo a Seinfra, devem es­tar recuperados em 50 dias. A par­te da via liberada fica no sentido sul norte, entre o cruzamento da Marginal com a Jamel Cecílio e o viaduto da rua 88. Está livre para tráfego pela pista direita com ve­locidade máxima reduzida para 60 Km. Nos pontos de obras a ve­locidade cai para 30 Km. As res­trições para ônibus e caminhões permanecem. Outros três tre­chos em obras continuam inter­ditados. Cruzamento da Aveni­da Anhanguera e Independência (dois sentidos). Intersecções com a Rua PL e a Avenida Jamel Cecí­lio no sentido Norte-Sul.

A Prefeitura conseguiu recur­sos junto ao Ministério de Infraes­trutura na ordem de um milhão e trezentos mil reais para a reali­zação de um novo estudo técni­co sobre os problemas de infraes­trutura da Marginal Botafogo, mas de acordo com o engenhei­ro Everton Schmaltz, estes recur­sos estão longe de garantir uma recuperação definitiva da Mar­ginal. “O estudo técnico fica em torno de dois milhões de reais, e o desenvolvimento do projeto, três milhões. Já a execução a prefeitu­ra alega que faz com 30 milhões, mas a gente avalia que serão ne­cessários de 45 a 50 milhões de reais para a conclusão de toda a obra de recuperação definitiva da Marginal Botafogo”, conclui Ever­ton Schmaltz.

Enquanto uma solução de­finitiva não sai para os graves problemas de infraestrutura da Marginal Botafogo, quem con­tinua sofrendo com as constan­tes interdições da via é a popu­lação, já que a Marginal Hoje é fundamental para o escoamento do trânsito em toda a sua exten­são. Com as interdições cons­tantes, o trânsito fica totalmente tumultuado nas vias que cercam a Marginal, principalmente nos horários de pico.

Engenheiro civil Everton Schmaltz em obra da Marginal Botafogo

Comentários

Mais de Cotidiano