Cotidiano

Paisagistas lançam manifesto pela Mata Atlântica

diario da manha

No dia 30 de maio, o Grupo de Trabalho (GT) “Paisagismo e Mata Atlântica”, com o apoio do Legado das Águas – Reserva Votorantim, realizará um ato público de leitura do manifesto voltado à conservação ambiental e qualidade de vida nos centros urbanos brasileiros, por meio do paisagismo sustentável e com utilização de espécies nativas da Mata Atlântica.

A ação ocorrerá a partir das 9h, no auditório Augusto Ruschi, na Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, em São Paulo, durante o Seminário Nacional Sobre Conservação em Terras Privadas. O seminário integra a programação da Semana da Mata Atlântica – que vai de 28 a 31 de maio, com organização do Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica – RBMA, Rede de ONGs da Mata Atlântica – RMA e Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo – SIMA.

O GT, formado durante o 1º Encontro de Paisagismo e Mata Atlântica do Legado das Águas em 2018, tem como objetivo pensar e executar ações conjuntas para viabilizar uma nova linha de atuação de paisagismo, que promova benefícios financeiros para empresários, conforto e elegância para as cidades e, acima de tudo, conservação ambiental, guiadas pelo conceito de cidades do futuro e infraestruturas verdes, que aliam o crescimento urbano com a tecnologia da natureza.

Cerca de dois terços da população brasileira vivem em áreas onde o bioma nativo é a Mata Atlântica, ainda assim, o paisagismo urbano, principalmente de edificações e residenciais, é composto por aproximadamente 90% de espécies exóticas, causando diversos problemas ambientais, que impactam a população, a fauna e a riqueza do bioma mais biodiverso do planeta. Essa é uma das reflexões do manifesto, que destaca a importância de esforços conjuntos para sensibilizar a sociedade e o mercado de paisagismo, gerando oportunidades de negócios e fortalecendo a cadeia produtiva para a valorização e aproveitamento de espécies nativas deste Bioma, que é um dos mais ameaçados do planeta.

O manifesto visa ser uma ação preparatória para criação da Rede Paisagismo e Mata Atlântica, uma organização associativa não governamental e sem fins lucrativos. O documento, assim como o GT, conta com a participação e apoio de profissionais referência, como Ricardo Cardim (Cardim Paisagismo), Clayton Lino (RBMA), Nik Sabey (Novas Árvores por Aí), Thalita Vitachi (Plantare), Silas Cezar (Legado das Águas), dentre outros importantes nomes, que têm como foco de atuação em suas áreas de trabalho, disseminar a importância e a cultura do uso de espécies nativas no paisagismo e arborização urbana.

“Estamos diante de uma oportunidade ímpar para pensar em como queremos as nossas cidades no futuro. O paisagismo sustentável, sem dúvida, é um caminho. Anos atrás, era pouco provável pensar em um viveiro produzindo espécies nativas da Mata Atlântica e hoje isso é realidade, com o Viveiro do Legado das Águas e outros viveiros pioneiros no Estado. Tão pouco provável era um grupo de pessoas pensando em como construir cidades para as pessoas, para o bem-estar dos cidadãos por meio do paisagismo, e hoje estamos nos organizando e crescendo para tornar real e executável. Com o manifesto, queremos tornar esse movimento maior e tornar o paisagismo além da estética, mas funcional em benefício do ecossistema, e por consequência, para as pessoas”, diz Silas Cezar, coordenador do viveiro de plantas nativas do Legado das Águas e membro do GT.

 

Seminário Nacional Sobre Conservação em Terras Privadas

Ainda dentro do Seminário, a partir das 15h30, na Mesa de Debate “Experiências Inspiradoras”, David Canassa, diretor da Reservas Votorantim, empresa gestora do Legado das Águas, ministrará a palestra Planos de Conservação Privada, apresentando o Legado, referência em gestão de área privada por atuar em um modelo de negócio que gera receita a partir da floresta em pé, promovendo a conservação e desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica, fomentando novas cadeias produtivas e o fortalecimento de comunidades do território onde está inserido.

Comentários

Mais de Cotidiano