Cotidiano

Dopada, jovem sofre estupro coletivo e descobre crime por vídeo na web

Durante a festa, ela se aproximou para cumprimentar um colega e acabou aceitando um copo de cerveja de um segundo conhecido.

diario da manha

Uma jovem de 22 anos foi dopada e estuprada por três homens após uma festa na região serrana do Rio de Janeiro ocorrida em 13 de julho. A vítima, que fora dopada na festa, só teve ciência do crime após uma amiga alertá-la sobre o compartilhamento de um vídeo na internet gravado pelos criminosos. A vítima, moradora da cidade de Cordeiro, relata ter sido dopada por um conhecido durante a festa dos “Carecas” evento que ocorreu no dia 13 na cidade vizinha de Cantagalo. De acordo com a advogada dela, Valéria Melo, a jovem aceitou um copo de cerveja e, em seguida, passou mal.

Durante a festa, ela se aproximou para cumprimentar um colega e acabou aceitando um copo de cerveja de um segundo conhecido. Depois disso, ela começou a passar muito mal. Não conseguia ficar em pé, parecia embriaguez, mas não era. Ela comentou que queria voltar para Cordeiro. Eles ofereceram carona e, no veículo, já estava o terceiro envolvido. Ela lembra que eles chegaram a conversar, mas que depois só se recorda de ter acordado em casa”, relatou a defensora. De acordo ainda com a advogada, a vítima seguiu a vida normalmente sem saber o que tinha ocorrido.

Dias depois, ela foi alertada por uma amiga sobre as imagens do vídeo. Ela chegou a achar que estava sendo confundida, mas depois que percebeu que era ela, ficou bem mal. Entrou em desespero. Falou em se matar e, em seguida, registrou o caso na delegacia.

Valéria disse ainda que a vítima está muito abalada e não está indo mais trabalhar, ela está bem abalada, ela trabalha em um comércio da família. As pessoas chegam a parar o carro na frente para olhar para dentro do estabelecimento. Ela vai precisar de ajuda psicológica.

“Tudo foi muito cruel”, descreve advogada.

”O vídeo é muito feio. Pelo rosto dos rapazes você consegue ver que eles estão se divertindo de forma bem cruel. O telefone passa de mão em mão. Dá para ver no rosto dela que ela não está bem, que ela está dopada. Cada um participou do ato de uma forma e no final filmam o rosto dela. O rosto deles também aparece no vídeo. Eles não imaginavam que ia cair na internet. Tudo foi muito cruel”

Segundo Valéria, um dos homens envolvidos no caso já prestou depoimento. Procurada, a Polícia Civil do Rio informou que o caso foi registrado como estupro coletivo e divulgação de cena de estupro. “Diligências estão em andamento para apuração do fato”, informou a polícia através de nota.

tags:

Comentários

Mais de Cotidiano