Cultura

Fripoi

diario da manha

por siririca poética

Pele interpela carne crua

Carne de imatura

quer se esconder,

apodrece

Carne sente o tempo

É a finitude

Na carne passa gente

que é violência e paixão

Vontade de vida

Línguas sem barbárie

Saxofones traz de

volta o mundo encantado

Chuva de Molotovs

Anunciam a dança de Tânatos e Eros

Na cidade passam ônibus

Superfaturados

Fratura exposta na perna de dona Maria

mordida pelos interesses

da classe dominante

Ladainhas, os costumes

e boa moral

Interpela

Viver sem tempos mortos

é morta a carne do progresso

E pro matadouro

seguem nossos pés

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro