Cultura

A história do cantor e compositor italiano Luigi Tenco é contada pelo musical Ciao Amore Ciao

diario da manha

Johny Cândido

A história do cantor e compositor italiano Luigi Tenco, que fez grande sucesso na década de 1960, é contada pelo musical intimista Ciao Amore Ciao, que tem à frente o ator brasileiro Antônio Interlandi, vencedor do prestigioso prêmio Molière, e o músico francês Mathieu El Fassi. Em apresentação única, chega a Goiânia hoje, no teatro SESC, às 20h30min.

O cantor Luigi Tenco foi sucesso nos anos 60 na Itália. Contestador dos costumes da época e considerado vanguardista pelos ideais sociais e políticos, o autor do sucesso Ciao Amore Ciao morreu aos 28 anos após ser desclassificado no Festival de Sanremo, em 1967. A hipótese de suicídio é até hoje contestada. Tenco foi o primeiro cantautore italiano e um dos principais responsáveis pela renovação da música popular daquele país.

A obra intensa e apaixonada de Tenco despertou o interesse do ator e cantor Antonio Interlandi que chamou para este trabalho, de piano e voz, o concertista Mathieu El Fassi.

Como surgiu Ciao Amore Ciao

O projeto começou em 2005 quando Antônio Interlandi participava na França, como ator, do filme de Joyce Buñuel sobre a vida da cantora Dalida, ícone absoluta da canção francesa e italiana dos anos 60, 70 e 80. “Certo dia, durante os ensaios, ouvimos uma canção de Luigi Tenco, artista que até então eu desconhecia. Ele era personagem do filme por ter sido amante de Dalida. Fiquei fascinado pelo timbre da voz, interpretação e carisma”, diz Interlandi.

A partir deste contato, Antônio Interlandi começou pesquisar – o que incluiu muitas viagens à Itália – sobre a vida, textos e canções de Tenco, que também era saxofonista e pianista. Em uma destas viagens conheceu o pianista Mathieu El Fassi que mergulhou na aventura, dividindo arranjos, escolhas e opiniões.

“O interesse por Tenco foi mútuo. Ele mantinha uma relação próxima com a música clássica e usamos esta fusão em boa parte dos arranjos. Algumas canções de Chico Buarque, compositor com perfil que muito se aproxima de Tenco, encontraram lugar neste trabalho, acompanhando como imagem refletida no espelho o universo do cantor italiano”, afirma Fassi.

No show eles revelam a intimidade deste artista singular, que teve como marcas a melancolia, o engajamento político, muitos amores e o humor insolente.

“Não se trata de uma reconstrução nostálgica dos doces anos da balada italiana, mas do diálogo entre o ator-cantor-dançarino, o pianista e Luigi Tenco, ícone italiano trazido à vida neste espetáculo de maneira vibrante, no qual toda uma vida desfila aos nossos olhos”, diz Interlandi, que foi o protagonista da peça “Peines de Coeur”, de Alfredo Arias, vencedora do Prêmio Molière de melhor espetáculo musical francês.

Ciao Amore Ciao é o segundo espetáculo escrito e criado por ele e teve as colaborações de Nita Klein e Jean Gillibert, Malavika durante a elaboração em Paris, no Théâtre du Petit Saint Martin.

Antonio Interlandi

 Ator, cantor e bailarino ele divide as atividades entre a França e o Brasil. Cursou o Ballet Stagium em São Paulo, a Académie de Danse Classique, em Mônaco, e a Escola de Teatro de Chaillot, em Paris. Foi discípulo de Nita Klein. Estudou canto na Alemanha e na França.

Fez parte do Ballet do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, do Ballet de Monte Carlo (Mônaco) e do Ballet da Opera de Hamburgo (Alemanha). No cinema, filmou sob a direção de Sam Karmann (La Vérité ou Presque, selecionado no Festival de Cinema Varilux em Curitiba), Lorenzo Gabrielle, Joyce Buñuel, Brice Cauvin e Newton Adouaka (selecionado no Festival de Cannes, na França).

Na televisão, filmou diversos telefilmes para a TF1 e France2 (francesas), e para a RAI (italiana). No teatro, participou de 30 produções, na França e na Itália.

Mathieu El Fassi

 Pianista clássico e concertista, dedica-se à improvisação, com cerca de 350 apresentações, como solista ou ainda acompanhado por bailarinos, atores e cantores. Em paralelo, pratica o canto lírico e faz acompanhamento de cantores em recitais. Participa da elaboração, direção, composição e interpretação de vários espetáculos musicais e teatrais.

Em 2003, torna-se professor no Conservatório Nacional de Paris, junto ao Jeune Choeur de Paris sob a direção de Laurence Equilbey. Integra em 2005 a Companhia do francês Olivier Py, tocando e atuando nos espetáculos Les illusions comiques , Les enfants de saturne, Opus Magnum, Roméo et Juliette, e Die sonne, todos de autoria deste diretor.

Em 2011, participa da criação de La petite fée aux allumettes, ópera a duas vozes. Acompanha vários atores em recitais de canto, como Michel Fau em Récital  Emphatique,  no teatro Bouffes du Nord, em Paris. Participou dos Festivais de Avignon e de Edimburgo. Ciao Amore Ciao é a sua primeira colaboração com Antonio Interlandi.

Luigi Tenco

 Cantor, compositor e poeta italiano dos anos 60, Luigi Tenco nasceu em 1938 em Cassina, Itália. Jovem solitário, revoltado, porém pacífico, amoroso, inteligente, Tenco foi marcado pelos acontecimentos de sua época: os primórdios do divórcio em uma Itália católica conservadora, Bob Dylan e a sua “resposta soprada no vento”, o consumo em massa da cultura musical americana, uma juventude italiana à beira da revolta, reivindicando liberdade política, a liberação da mulher, os homens usando cabelos compridos.

Em somente sete anos de produção artística, Tenco foi músico e um poeta à frente de seu tempo, um vanguardista. Ele foi vítima da censura em algumas de suas canções por suas críticas julgadas excessivas e dirigidas à sociedade.

Em 1967, a gravadora RCA obriga Tenco a apresentar Ciao Amore Ciao no Festival de Sanremo, então passagem obrigatória para o sucesso. Apesar de sua aversão por apresentações em público ele aceita, encorajado pela  cantora Dalida, sua companheira na época.

Para apoiá-lo, ela deve igualmente interpretar Ciao Amore Ciao no final da competição. Tenco, autor desta canção dedicada à emigração da Itália, se apresenta ao público do festival particularmente nervoso, perturbado. A música é eliminada e não fazarte das finalistas. Ele morreu em 1967, aos 28 anos de idade, na noite de sua derrota em Sanremo. A hipótese de um suicídio é até hoje contestada

Ficha Técnica

Coordenação geral: Gyovana Carneiro

Direção artística: Ana Flávia Frazão

Concepção, arranjos e direção cênica: Antonio Interlandi e Mathieu El Fassi

Músicas: Luigi Tenco, Chico Buarque

Texto: Antonio Interlandi

Direção de ator e Projeto de luz: Nita Klein

Iluminação: Nádia Luciani

Som: Valderval de Oliveira Filho

Figurinos: AgnèsB

Tradução: Daniela Machado de Freitas

Serviço

 CIAO AMORE CIAO

Data: Hoje, às 20h30

Local: Teatro do SESI (Av. João Leite, 1013 – Santa Genoveva, Goiânia – GO)

Ingressos antecipados:

Teatro do SESI – (62) 3269-0800

Restaurante Tribo – (62) 3091-3210

Valores: Inteira R$ 40,00 e Meia R$ 20,00 (Pagam meia estudantes, idosos e clientes Unimed Goiânia)

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro