Cultura

Mafalda e fotógrafa Adriana Lestido têm mostras durante Bienal do Livro no Rio

Paulo Virgílio – Repórter da Agência Brasil

Uma das personagens mais queridas e famosas da América Latina, Mafalda comemora 51 anos com exposição inédita na Biblioteca Parque Estadual, no centro da cidade (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Uma das principais personagens dos quadrinhos na América Latina, Mafalda comemora 51 anos com exposição inédita na Biblioteca Parque Estadual, no centro da cidade Tânia Rêgo/ Agencia Brasil

Como parte da programação cultural da 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que faz homenagem à Argentina, duas exposições estão sendo apresentadas em espaços culturais do centro da cidade, bem distante do Riocentro, na Barra, onde ocorre o megaevento literário. As duas mostras são promovidas pela Embaixada da Argentina no Brasil e organizadas pela Direção-Geral de Assuntos Culturais da chancelaria do país vizinho.

A Biblioteca Parque Estadual abriu hoje (5), no Rio de Janeiro, a exposição inédita Mafalda na Sopa, que homenageia os 51 anos da difusão no Brasil de uma das personagens mais emblemáticas dos quadrinhos argentinos, a menina Mafalda. O cartunista Quino, criador da personagem que se tornou o carro-chefe do desenho de humor argentino, também é homenageado na mostra.

São expostas diferentes obras de Quino, entre elas, os trabalhos preliminares da tira publicada na revista 7 Dias, os papéis com cópias das personagens e o original de uma famosa obra do cartunista contra um dos ditadores militares argentinos, Juan Carlos Onganía (1968). Homenagens a Mafalda e a Quino, feitas por outros nomes do humor gráfico argentino e pelo brasileiro Maurício de Souza, criador da Mônica, também estarão expostas.

Mafalda na Sopa pode ser visitada até 24 de outubro, de terça-feira a domingo, das 11h às 19h. A entrada é franca e a Biblioteca Parque Estadual fica na Avenida Presidente Vargas, 1261, no centro do Rio.

No Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) está em cartaz desde ontem (4) a exposição O que se vê (Lo que se ve), da fotógrafa argentina Adriana Lestido. Temas como a infância desamparada, a maternidade em situações críticas, mães presas, mães adolescentes, a relação mãe-filha, o amor e a natureza são alguns dos focos da mostra, que reúne 82 trabalhos em preto&branco, cobrindo um período de produção que vai de 1982 a 2005. 

Referência na fotografia argentina, Adriana Lestido tem em seu currículo exposições realizadas em países como a Alemanha, França, Inglaterra, Escócia, México,  Estados Unidos, Suécia e Colômbia. Suas obras enriquecem acervos como os do Museu de Belas Artes de Buenos Aires, a Fondation Cartier, de Paris e o Museum of Fine Arts de Houston (EUA). 

Com vários prêmios em sua carreira, Adriana Lestido é fotojornalista, com passagem por vários jornais de seu país, como La Voz e Página 12.

A exposição Lo que se ve fica em cartaz até 11 de outubro e pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h às 18h, e sábados, domingos e feriados, das 12h às 17h. Os ingressos custam R$ 8, a inteira, e R$ 4, a meia.

Aos domingos, a entrada no museu é gratuita. O Museu Nacional de Belas Artes fica na Avenida Rio Branco, 199, no centro do Rio.

Editor Lílian Beraldo

tags:

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro