Cultura

Os legados de Xangô

Festival atraiu cerca de 400 pessoas e levou ao público diversidade artística e debates sobre cultura afro-brasileira

diario da manha

Banda Terra Cabula agitou o festival (FOTO: PATRÍCIA NEVES)

Rariana Pinheiro

Muita música, artes visuais e sobretudo conversas e debates que focavam na representatividade, integração e diversidade cultural em Goiânia. Foi assim a primeira edição do Xangô Festival de Artes, que aconteceu na tarde da última sexta-feira (19), no Centro Cultural Martim Cererê. Realizado pela Milo Recs, em parceria com a Asgard Cursos, o evento reuniu cerca de 400 pessoas. 

Além de shows, o público teve acesso a exposições, performances, feira de publicações independentes, cursos, debates e mesa-redonda com convidados de Goiás e São Paulo, pelo valor de R$ 10. “O Festival procura contemplar manifestações artísticas que tenham referências nos diferentes ritos que compõem o identitário cultural e religioso brasileiro, prezando pela originalidade estética e sem deixar de lado a busca pela evolução pessoal e espiritual”, explica o produtor do evento Camilo Rodovalho. 

E, de acordo com o coordenador do núcleo de cultura da Agard, Gleiton Nunes, também responsável pela produção do evento, a primeira edição trouxe resultados positivos, pois cumpriu a meta de dar mais espaço a artistas talentosos, com pouca visibilidade, além de debater questões importantes.

 “O festival trouxe poder de fala aos artistas e produtores de cultura. Foram abordados temas como justiça e conquistas de visibilidade social. As próximas edições queremos fazer um evento com mais refinamento e otimização dos espaços de fala. Queremos manter o preço acessível e conseguir mais representantes, parceiros e simpatizantes da diversas variações da cultura afro-brasileira”, disse.

Ainda segundo Gleiton, outro objetivo do festival é criar eventos de menor tamanho trimestrais com palestras e apresentações culturais. “Os planos ainda estão no papel, mas com possibilidade reais de execução”, disse Gleiton. 

O festival

O Xangô Festival de Artes trouxe ao público uma série de atrações. Um dos destaques da programação musical foi a banda paulista Rakta, que lançou em abril “Falha Comum”, terceiro disco do grupo, e Sesper, pseudônimo de Alexandre Cruz, da banda Garage Fuzz, na qual também atua até hoje. Lava Divers, de Minas Gerais, e os goianos João Canta Brandão, Diego Mascate e A Banda de Apoio também integram o line-up. 

O evento contou ainda com exposições individuais, feira literária, DJs e até mostra de cinema. Outra inovação foi o Espaço Asgard Cursos, que teve mesas-redondas sobre cultura, consumo, arquitetura e urbanismo,  entre outros assuntos.

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro