Cultura

Musical ‘Causos, Viola e Cachaça’ volta ao Sesi com músicas e causos novos

diario da manha

Com uma homenagem a Cascatinha e Inhana e presença da atriz e cantora Vanessa Pereira, musical ‘Causos, Viola e Cachaça’ retorna ao Teatro Sesi renovado

Rariana Pinheiro

Após dois anos da estreia, o espetáculo “Causos, Viola e Cachaça” tem rodado diversas cidades do Estado homenageando a vida simples do campo. Já passou por Caldas Novas, por exemplo, causando grande comoção. E agora retorna à Capital com novidades: novos causos, a participação da cantora e atriz Vanessa Pereira e uma homenagem à dupla sertaneja Cascatinha e Inhana. O espetáculo, que faz parte do projeto Terça no Teatro, acontece hoje, a partir das 20 horas, no Teatro Sesi.

A peça é, na verdade, um musical em que os cantores e atores vilaboenses Saulo Barros e Alex Pereira contam causos auxiliados por clássicos da música sertaneja raiz. No palco, os artistas mostram um entrosamento de anos de apresentações e cantorias, pois, além de amigos, já estiveram envolvidos em diversos projetos, principalmente na cidade de Goiás.

“Fazer a peça com Saulo é muito bacana. Somos amigos irmãos e temos uma sintonia musical. A música nos uniu. Nos conhecemos no Coral Solo na cidade de Goiás, desde então começamos a fazer projetos juntos e nunca mais paramos. E depois de todo esse tempo podermos estar em um projeto como este é emocionante”, disse Alex Pereira.

Em cena, Saulo e Alex vivem dois compadres que, após um dia de trabalho no campo, sentam na porta de casa e começam a conversar. Em um cenário que remete a um rancho, canções como “Cabocla Tereza” e “Menino da Porteira” servem de gancho para os famosos causos e vice-versa.

O espetáculo foi montado pela RC Produções, a criação e o texto musical são de Reinaldo Clemente e a direção de Samuel Baldani. Mas a presença de Vanessa Pereira fez com que Alex se aventurasse em atualizar o texto para a participação da cantora. Assim, dessa vez também assina o texto, juntamente com Reinaldo Clemente.

HOMENAGEM

As modificações no espetáculo nasceram da vontade da equipe em ter uma voz feminina na produção. Foi daí que nasceu o desejo de homenagear a dupla que tem o potente timbre de uma mulher: os paulistas Cascatinha e Inhana.

“Inhana tem uma voz fantástica e um estilo muito original de cantar com Cascatinha. Se o normal nas duplas sertanejas tradicionais são as vozes soarem de forma uníssona, a Cascatinha e Inhana faz um dueto em que se percebe claramente as duas vozes, a de Cascatinha mais suave e de Inhana, alta e potente”, compara Alex.

Ainda de acordo com o músico, a dupla também foi pioneira em trazer a influência latina para o sertanejo, uma mistura que inspirou outros nomes, como Pedro Bento e Zé da Estrada. “Outra conquista da dupla é que ainda é muito presente na música popular brasileira. Vamos cantar duas músicas deles que fazem parte da tradição do cancioneiro brasileiro: “Índia” e “Meu Primeiro Amor”, conta Alex.

É nessa hora que Vanessa Pereira entra em cena. “A Vanessa é soprano e tem um alcance vocal espetacular. Achamos que ela seria a artista ideal para nos ajudar a homenagear a dupla Cascatinha e Inhana”, disse o cantor.

REPERCUSSÃO

Com apresentações em Goiânia e pelo estado, o espetáculo, com a empolgação do público, tem provado várias lições aos envolvidos: o Brasil rural ainda está muito próximo da vida das pessoas. “Sempre vai ter um pai ou avô, alguém da família que tem suas raízes fincadas no campo e traz essa cultura pra dentro da família. Então, por mais que cantamos músicas muito antigas, elas estão na ponta da língua de muitos jovens de hoje”, ressalta Alex.

A apresentação no Sesc de Caldas Novas abriu os olhos do artista, que o sertanejo raiz e a cultura do campo também estão presentes em outras regiões do Brasil, mesmo com o protótipo caipira do goiano. “No Sesc de Caldas Novas a recepção foi muito calorosa e a maioria do público era de outros estados, principalmente do sul e do sudeste do Brasil. Logo percebemos que outros estados também se alimentam e ressaltam a música brasileira”, explica.

“Acreditamos que essa iniciativa irá contribuir para a divulgação e preservação de um intenso acervo cultural caipira, para a promoção da música de raiz e para a manutenção dos causos e da moda de viola como gêneros característicos da cultura brasileira, além de promover a cachaça produzida em Goiás”, disse o ator e jornalista Alex Pereira.

De acordo com o autor e produtor da peça, Reinaldo Clemente, o espetáculo faz sucesso porque revive um Brasil rural de outros tempos quando o campo era mais densamente habitado e a essência desta época está arraigada à cultura popular brasileira.

“A gente pode até sair do campo, mas o campo não sai de nós. Queremos valorizar raízes dos costumes e lazeres do povo goiano”, disse Reinaldo Clemente, que já criou outros eventos ligados ao mundo das canções, como o Conversando Música.

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro