Economia

Patrulha será reforçada contra roubos nas fazendas

diario da manha
Falando ao Diário da Manhã, o presidente da Federação da Agricultura manifestou-se satisfeito com a reunião (Larissa Melo)

As viaturas contarão com monitoramento permanente com a base, dispondo de equipamentos sofisticados como GPS

Wandell Seixas Especial para Diário da Manhã

O elevado volume de furtos e roubos no meio rural tem preocupado os agropecuaristas goianos. Os prejuízos são também crescentes e difíceis, ao mesmo tempo, de serem aferidos. Os produtores em geral não levam o assunto às autoridades policiais. Boletim da ocorrência, então, não passa na cabeça das vítimas. O tema, considerado da maior relevância, mereceu recente atenção da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg).
Para tanto, o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, reuniu-se com o secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Joaquim Mesquita, e representantes de sindicatos e lideranças rurais. O encontro definiu uma aproximação mais estreita entre o sistema sindical patronal rural e as polícias. O secretário da Segurança foi taxativo de que “não faltarão homens, combustíveis e viaturas para o patrulhamento rural”. Schreiner entende que “quando produtores, polícia e entidades representativas se reúnem, são fundamentais para o avanço do setor”.
Falando ao Diário da Manhã, o presidente da Federação da Agricultura manifestou-se satisfeito com a reunião, acreditando que os resultados serão mais positivos. As viaturas contarão com monitoramento permanente com a base, dispondo de equipamentos sofisticados como GPS. “O patrulhamento será mais forte”, ressalta José Mário ao observar que “cercados nas cidades pelo patrulhamento permanente, os criminosos migram para os campos”, onde teoricamente as fazendas ficam mais vulneráveis.

Matriz holandesa é roubada
Gilson Costa, criador no município de Itaberaí, foi a mais recente vítima dos ladrões. Uma matriz leiteira, mais de 50 litros diários, foi morta por ladrões de gado. Só restaram as carcaças do animal de origem holandesa e da bezerra sexada. A vaca de três anos tinha seu valor estimado em R$ 5 mil. Num desabafo, disse ao repórter através do telefone: “Observe que, não se sabe por que só levaram um traseiro, ou seja, mataram por matar. É assim que o País caminha, né? Comandado por ladrões, e ladrões fazem as leis e a justiça as endossa”. Não é a primeira vez que o criador é vítima de roubo de gado de alto pedigree em sua propriedade, vizinha à sede do município.
O encontro objetivou proporcionar uma proximidade maior entre as polícias goianas e os produtores rurais, além de alertar quem vive nas áreas rurais sobre a importância de registrar o Boletim de Ocorrência sempre que houver algum tipo de infração. “Só assim poderemos mapear o Estado segundo o nível de criminalidade de cada região, além de contabilizar os casos e mensurar de fato a situação”, explicou Mesquita. Para Schreiner, o mal que vem gerando o aumento da criminalidade tem suas causas na intensificação do tráfico de drogas e suas consequências na elevação do número de furtos e roubos a propriedades rurais. “Quando a violência é combatida nas grandes, médias e pequenas cidades, a violência chega até a roça. Então é o momento de discutir com mais afinco a questão”, pontuou.

Balanço do crime
Segundo levantamento, só na regional de Aparecida de Goiânia foram registradas 342 ocorrências de furto e roubo entre o início de 2014 e fevereiro de 2015. O Estado está dividido entre 18 Delegacias Regionais da Polícia Civil. Das nove unidades que fizeram o levantamento até a manhã desta quinta-feira (5), a regional Goiânia registrou 5 ocorrências no período, a de Jataí 116 ocorrências, a de Porangatu 94 ocorrências, a de Rio Verde 33 ocorrências, Iporá 185 ocorrências e a de Ceres 54 ocorrências. Além disso, na regional de Águas Lindas foram registradas 33 ocorrências e na de Catalão 262 ocorrências.
Durante a reunião, também foi apresentada a estrutura de segurança formada pelo Grupo de Repressão a Crimes Rurais e de Divisas, pelo Comando de Operações de Divisas (COD), pela Patrulha Rural e pelos Grupos Especiais de Repressão a Crimes contra o Patrimônio (Gepatri). “A questão de segurança é de todo o Brasil. No caso de Goiás precisamos aproveitar esse momento para discutir a nossa estrutura de combate ao crime, além da infraestrutura da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária. É preciso saber como estamos em relação aos equipamentos, ao efetivo e à fiscalização dos trabalhos”, destacou José Mário.

Patrulhas rurais
Dentro do tema segurança rural, a questão das patrulhas rurais foi bastante debatido. Produtores tiveram a oportunidade de falar e puderam entender como funciona o envio e o monitoramento das viaturas. “Recentemente locamos 85 caminhonetes que estão circulando pelas áreas rurais do Estado. Em minha opinião, a quantidade é suficiente, mas o governador Marconi Perillo já se comprometeu a adquirir mais, caso haja necessidade. Atualmente nós fazemos o monitoramento em tempo real.
Existem casos nos quais as viaturas são monitoradas durante 30 dias e só rodam durante 17. Isso me entristece muito e nos mostra que existem problemas pontuais. Mas eu estou me comprometendo: vamos solucionar. Nossa intenção é ampliar a sensação de segurança de quem mora fora da cidade”, esclareceu o secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária, Joaquim Mesquita.
Orientações ao alcance de todos para levar adiante um trabalho em conjunto, conforme defendeu José Mário, e auxiliar a polícia estadual, a Faeg e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) Goiás – entidade da qual Schreiner é presidente do Conselho Administrativo – lançaram ao final do encontro a Cartilha de Segurança Rural. O material foi produzido em parceria com a Segurança Pública e traz as principais orientações de segurança para quem vive no campo. Além disso, contém também os contatos das 17 Delegacias Regionais da Polícia Civil, 18 Comandos Regionais da Polícia Militar e dos mais de 130 Sindicatos Rurais.
Criada em 2006, a Comissão de Segurança Rural e Assuntos Fundiários da Faeg tem como objetivo intermediar as discussões entre os produtores e órgãos representantes da segurança em Goiás. Além disso, atua de forma preventiva, orientando as famílias do campo no combate à criminalidade.
O presidente da comissão, Arno Weis, que também é presidente do Sindicato Rural de Cabeceiras, esteve presente na ocasião e fez questão de destacar o trabalho desenvolvido pelas patrulhas rurais. “Quero chamar a atenção para a importância dos policiais que andam nas viaturas das patrulhas rurais. Eles não podem ser substituídos, pois fazem amizade com os produtores e acabam firmando uma espécie de parceria. É disso que precisamos. Nos ajudando, vamos conseguir diminuir a quantidade de crimes que vem tirando o sono de quem vive no campo”, afirmou.
Além de Arno, representando o agropecuarista, também estiveram presentes o vice-presidente da Faeg, Bartolomeu Braz Pereira, o consultor do Sistema Faeg e indicado para presidir a Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), Arthur Toledo, o superintendente executivo da Agricultura, Antônio Flávio de Lima, e cerca de 50 presidentes de SRs. Já representando o governo estadual, além de Mesquita, também compareceram o delegado geral da Polícia Civil (PC), João Carlos Gorski, o coronel Victor Dragalzew Júnior – que representou o comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Silvio Benedito Alves, e o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Carlos Henrique Helbingen.

Casos frequentes
Para ilustrar a situação, alguns produtores presentes na recente reunião compartilharam experiências pessoais. Foi o caso do produtor de Cristalina Alécio Maróstica, que foi sequestrado enquanto sua propriedade era roubada. “Eu sou a pessoa nesse auditório que mais torce para que essa ação conjunta dê certo, mas sou também a que menos acredita nisso. Quero parabenizar a Faeg e a Secretaria de Segurança, mas acho que é preciso modificar a legislação, antes de tudo”.
Para o coronel Victor Dragalzew Júnior, Alécio tem razão, o que não significa que a PM não precise buscar constantemente meios de melhorar a qualidade dos serviços prestados à comunidade rural. “Estamos finalizando a capacitação dos policiais que protegem a área rural. Ao todo, são quase 500 homens que foram treinados pelo Comando de Divisas. Agora precisamos de outros atores: produtores, presidentes de SRs, entidades que representam o setor e quem mais puder ajudar”, disse.
Além de histórias como a de Alécio Maróstica, vários casos foram registrados em Goiás. No último dia 3, João Barbosa da Silva, de 35 anos, conhecido como João do Porco, foi apresentado na Delegacia Estadual de Homicídios (DIH). Ele é suspeito de integrar uma quadrilha especializada em roubo a propriedades rurais, sempre com uso de violência. Além da parte patrimonial, eles cometiam violência física e sexual com as vítimas. Um dos casos foi registrado em Caldas Novas e as investigações duraram sete meses.
O produtor rural de Rio Verde Ederaldo Brucceli foi vítima de furto em outubro passado. Da propriedade que fica na região São Thomaz, os ladrões levaram 48 toneladas de cloreto de potássio que estavam armazenados em um local distante da sede da fazenda. Segundo o produtor, graças à rápida ação da polícia após a realização do boletim de ocorrência, o adubo foi encontrado 72 horas após. “Logo que percebemos o ocorrido, já comunicamos a polícia, fizemos todo o registro e eles começaram o patrulhamento, todo o material foi encontrado no município de Santa Helena em caminhões e a quadrilha foi presa”, contou o produtor.
Em janeiro deste ano, uma quadrilha com 12 pessoas foi presa pelo Grupo Especial de Repressão a Crimes Patrimoniais (Gepatri), de Rio Verde. O grupo agia na Região Sudoeste do Estado, com foco principal nas cidades de Rio Verde, Caiapônia e Montividiu, além de Iporá, no Centro Goiano. De acordo com a Polícia Civil, em um ano o grupo chegou a roubar duas mil cabeças de gado, além de defensivos agrícolas e maquinário.
Na ocasião, o delegado Danillo Proto, titular do Gepatri de Rio Verde, afirmou que, caso a fazenda tivesse ocupada o grupo rendia os proprietários, apartava o gado e levava os animais. A quadrilha ainda praticava furtos em propriedades rurais desocupadas. Em uma das propriedades, 41 cabeças de gado foram roubadas de uma única vez e o prejuízo chegou a R$ 60 mil. No total, foram quase seis meses de investigação.
*Com o apoio de Michelle Rabelo e Catherine Moraes, da Assessoria de Comunicação da Faeg.

Comentários

Mais de Economia