Economia

“Precisamos modernizar o agronegócio”, diz Goldfeld

diario da manha

SGPA prega a necessidade de reciclagem e modernização dos produtores rurais

O engenheiro Hugo Goldfeld venceu as eleições para comandar a Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura com um discurso de renovação que contagiou os eleitores da entidade. Como candidato de oposição, ele desbancou uma frente, que há décadas dominava a SGPA, e tem a missão de implantar as medidas que propôs na campanha.

Aos 71 anos, ele tem uma bagagem administrativa acumulada em serviços prestados ao Estado e na iniciativa privada como empresário de sucesso. Foi secretário de Indústria e Comércio de dois governos na década de 1970 e é reconhecido como empreendedor nato, além de capacidade de liderança que fez dele um referencial no setor agropecuário.

A prova de fogo de Hugo Goldfeld será na Feira Agropecuária de Goiânia que acontecerá em maio e que já é tradicional há décadas na Capital. Ele já anunciou mudanças substanciais na festa e pretende fazer uma política para trazer as famílias de volta para o Parque de Exposições.

Em visita ao Diário da Manhã, ele contou algumas medidas que pretende implantar e na necessidade de agricultores e pecuaristas se modernizarem urgentemente para serem senhores de suas histórias. Falou das alternativas que estão sendo pensadas para dar maior utilização ao Parque de Exposições como um parque temático e realização de festas para fazer fluxo de caixa para a SGPA que amarga um déficit grande com o parque.

Além dessas medidas, está em curso um audacioso projeto de certificação internacional nas práticas da Feira Agropecuária que Goldfeld quer transformar em modelo. As certificações ISO 9001 e 14.000 darão uma projeção para a festa que nunca foi pensada e colocará a feira de Goiânia no circuito das modernas mostras internacionais.

Hugo Goldfeld falou ainda da redução dos valores dos ingressos para chamar o público e da mudança nas práticas como exposição de animais em dias separados dos shows e rodeios. “Os animais ficam estressados com o público e as pessoas também se estressam com os animais”, corrige ele. Seu sonho é chegar ao final do mandato de dois anos e deixar a SGPA melhor do que pegou com o destaque que ele não será candidato à reeleição.

Aos 71 anos, Hugo Goldfeld tem uma bagagem administrativa acumulada em serviços prestados ao Estado e na iniciativa privada como empresário de sucesso
Aos 71 anos, Hugo Goldfeld tem uma bagagem administrativa acumulada em serviços prestados ao Estado e na iniciativa privada como empresário de sucesso

A ENTREVISTA

DM – Entre o discurso de candidato de oposição e a realidade encontrada, há muita diferença?

Hugo Goldfeld – Nossa administração na SGPA será voltada para ajudar nossos filiados a se modernizarem nas práticas e fazer com que nossa atividade seja de agronegócio e não somente de agropecuária. Na Festa Agropecuária, por exemplo, nesse ano, já será diferente do que foi em anos anteriores. A exposição será dividida em duas partes, com a primeira sendo dedicada somente para gado e a segunda semana só de shows. Achamos que irá melhorar a situação não misturar as duas atividades, porque o público provoca um estresse no gado e o gado por sua vez estressa o público que vai para ver os shows. Então, já separamos para tentar uma experiência diferente e isto foi compromisso que fizemos durante a campanha. O segundo compromisso que assumimos durante a campanha foi fazer da SGPA alguma coisa semipermanente, não que funcione 90 dias por ano, mas que não fique completamente ocioso o parque durante todo o ano. Já fizemos um contato prévio com uma churrascaria para funcionar no parque durante o ano inteiro. Outra alternativa, que estamos buscando, é implantar uma unidade do Vapt Vupt. Então, estamos tentando utilizar aquela área para fazer render alguma coisa. Propomos ao governo que está fazendo a reforma da Praça Cívica que use o espaço do parque para as festas que o governo promove. De uma forma geral, estamos tentando mudar tudo de modo global. Precisamos mudar e modernizar tudo para caminhar rumo ao futuro.

 

DM – Quais medidas o senhor propõe para modernizar?

Hugo Goldfeld – Um exemplo que estamos pensando é a certificação de qualidade e meio ambiente das Certificações ISO 9001 e 14.000, porque se conseguirmos essa classificação importantíssima teremos grande parte de nossos problemas resolvidos. Se temos certificação de meio ambiente o problema do som estará resolvido e em seguida temos solução para problemas como esgotos e dejetos e daí por diante.

 

DM – Como a SGPA pode ajudar na relação dos agropecuaristas com empresas, fornecedores e compradores dos produtos?

Hugo Goldfeld – Eu sempre entendi a SGPA como mediadora e intermediária, que vai sempre tentar colocar o produtor rural junto com o comprador de seus produtos e tentar melhorar essa relação evitando conflitos e a exploração da parte mais fraca que são os produtores rurais. Precisamos mediar e estreitar esse relacionamento. Isso é uma parte da SGPA e para isto estamos firmando convênio com o Sebrae-GO para dar cursos e consultorias afim de ampliar a veia empresarial dos produtores. Usar o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) para dar cursos modernizantes das práticas rurais. Pretendemos fazer com que essa modernização signifique novos empresários rurais e não apenas produtores rurais. O momento já não comporta mais apenas fazendeiros, é preciso sermos empresários do meio rural, sermos empreendedores do setor rural. Coisas como simples como fluxo de caixa e outros que ajudam a modernizar a atividade rural, mas que os produtores ainda não atinaram para isto. Outra medida fundamental é mostrar a modernidade que está à nossa frente e que precisamos dar maior utilização, como inseminação artificial, melhoramento genético e facilitar o uso dessas ferramentas. Acho que essa é a principal função institucional da SGPA e se conseguirmos fazer isto será maravilhoso.

 

DM – Haverá mudanças nas atrações para este ano?

Hugo Goldfeld – Primeiro, é preciso dizer que os shows são a principal fonte de renda para a SGPA, o que paga nossas contas. Para esse ano já teremos mudanças nos valores dos ingressos. Nos dias fora dos shows, o ingresso mais caro, fora dos shows, será de R$ 10 ao passo que no ano passado foi de R$ 30 e nosso estacionamento também está sendo negociado para um preço mais baixo. Nos dias de segunda-feira a quarta-feira, o ingresso será R$ 10 ou um quilo de alimento não perecível. Isso é justamente para chamar de volta as famílias para a festa e para que tenhamos público, para facilitar a vinda das pessoas. No final de semana, teremos uma atração infantil para as crianças se divirtam. Queremos fazer com que as famílias de Goiânia voltem para o parque, precisamos da família de Goiás. Encontramos a SGPA com uma dívida grande e sem receita e pretendemos dar a volta por cima.

 

DM – Quais serão as atrações principais?

Hugo Goldfeld – No dia 8 de maio será Pablo, esse cantor da sofrência aí, será a abertura. No dia 17, será uma atração diferente com Kids Country Show, destinado ao público adolescente, com Frozem, Pepa e outras atrações do gênero. Daí pra frente, terão shows com artistas conhecidos e que levam grande público como Bruno e Marrone, Cristiano Araújo, Cabaré com Leonardo e Israel e Rodolfo.

 

DM – O senhor disse que não quer ser reeleito, mas o que espera realizar em seu mandato?

Hugo Goldfeld – Primeiro preciso resolver o problema de fluxo de caixa, porque entidade sem dinheiro não faz nada. Se não dermos um jeito de arrumar dinheiro para manter a SGPA, ela corre o risco de quebrar igual o Jóquei Clube. Vamos criar lá um parque temático e tentar viabilizar economicamente aquele parque. Vamos buscar recursos em Brasília e tentar de todas as formas resolver isto. Pensamos em fazer lá uma alameda de alimentação lá dentro e para isto temos muitas condições melhores do que setores onde se concentram restaurantes, como Oeste e Marista. Nesses setores, você corre o risco de ser assaltado, tem dificuldade para estacionar seu carro e outros inconvenientes. No parque temos todas as facilidades e segurança. Uma alameda gourmet com total segurança com shows e diversão. Esse é o nosso objetivo e vamos conseguir realizar isto ao final de dois anos, além de deixar um legado para que essas mudanças continuem.

Comentários

Mais de Economia