Economia

Recuperação de microbacia é meta da Emater

diario da manha
O plano de infraestrutura visa melhorar as estradas vicinais e de acesso à propriedade (divulgação)

A proposta de trabalho consiste em programas estruturantes, transferência de tecnologia setorial e de pesquisas

Wandell Seixas Da editoria de Economia

O Plano de Apoio da Extensão Rural do Estado de Goiás, objetivando a aceleração da adoção do sistema integrado de lavoura, pecuária e floresta na região do Cerrado, foi lançado ontem pelo presidente da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Pedro Arraes, durante reunião técnica da Embrapa no Hotel Best Western Suítes, em Caldas Novas. O ato solene contou com a presença do presidente da Embrapa, Maurício Lopes, entre outras autoridades.
A proposta de trabalho da Emater-Goiás consiste em programas estruturantes, transferência de tecnologia setorial e de pesquisas. O Goiás Rural Sustentável e Produtor de Águas, arrojado plano de metas da instituição, contemplará as microbacias hidrográficas do Estado. A iniciativa atuará em três eixos estruturantes: infraestrutura, ambiental e social e desenvolvimento tecnológico econômico. Ao longo deste ano, a meta é elaborar a carta consulta. Para 2016, está prevista a implantação do projeto em quatro sub-bacias. Em 2017, 50% das ações serão implementadas em uma sub-bacia e até 2018 completará a meta dos 100%.
Como resultados, o plano de infraestrutura visa adequar e melhorar as estradas vicinais e de acesso à propriedade; projetos coletivos de irrigação; estratégias de barramentos e armazenamento de água; equipamentos para mudanças de sistemas de irrigação; melhoria e adequação da rede de energia elétrica. No setor ambiental, o plano objetiva a reabilitação ambiental, conservação do solo e de água; recuperação e conservação do ambiente, das reservas legais, produção de sementes e mudas de espécies do Cerrado; implantação de corredores biológicos, controle dos focos de contaminação e poluição da água e redução do impacto de usos de agrotóxicos.
No eixo econômico, a ideia é diversificar as atividades agrícolas e não agrícolas na microbacia; empreendimentos para agregação de valor de produtos da agropecuária; projetos de galpões pós-colheita e armazenamento adequado e projetos de certificação de produtos e identificação de origem controlada.
Na área social, o plano consiste nos projetos de abastecimento de água, saneamento básico; projetos de adequação de moradias no espaço rural e de segurança alimentar.
No eixo de planejamento local da propriedade e da microbacia, a ideia é promover atividades como o diagnóstico socioambiental e econômico das propriedades agrícolas, criar planos integrados de propriedades rurais, criar planos de desenvolvimento da microbacia e planos municipais e regionais de desenvolvimento rural sustentável. Para essas iniciativas, a proposta é a de promover a capacitação através de cursos de desenvolvimento humano, social, organizacional e tecnológico.

Situação de 36 Microbacia
A proposta para o plano da sustentabilidade e da produção de águas tem como escopo parcerias com instituições estaduais, federais e municipais, além da iniciativa privada. A ideia da diretoria da Emater é a de que o projeto poderá consolidar a visão nacional e internacional de Goiás como Estado com as melhores produtividades agrícolas e pecuárias. Dispor ainda de alimento seguro, agricultura sustentável e Estado de energia renovável.

Alimentação e nutrição
O programa de alimentação e nutrição prevê metas de atendimento de 32 mil pessoas, capacitação de oito mil famílias no processamento de alimentos. Nesse sentido, a proposta é priorizar o aproveitamento de frutas nativas do Cerrado e exóticas na fabricação de doces. Transmitir informações e orientações de ordem sanitária, garantindo a segurança e qualidade dos alimentos. Para tanto, a ideia é formar parcerias com instituições governamentais e privadas.
Está em sua proposta de trabalho, também, a geração de renda para 30 mil pessoas, através da agregação de valor à produção e criação de empregos e oportunidades e comercialização de produtos. O incremento ao turismo rural será desenvolvido, através do aumento da oferta de produtos de agricultura familiar.
Está prevista a promoção dos produtos típicos regionais, como o queijo cabacinha de Mineiros; melancia de Uruana, banana de Buriti Alegre, marmelo de Cidade Ocidental, farinha de mandioca dos Kalungas, baru de Pirenópolis e o abacaxi de Jaraguá.
Maior estímulo ao Programa de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais, ao Programa de Apoio à Comercialização dos Produtos da Agricultura Familiar Juntos aos Mercados Institucionais, faz parte das metas da Emater nessa nova gestão. O programa de produção de sementes tem por objetivo ofertar produtos de alta qualidade com baixo custo aos agricultores.

Programas de pesquisa
Na área de pesquisa com fruteiras, a empresa receberá maior incentivo à coleta e multiplicação e uso de germoplasma de plantas nativas do Cerrado. Receberão tratamento especial as tangerinas, citros, limão taiti, caqui, atemoia, figo orgânico, melão, abacaxi, mandioca e banana. No segmento dos grãos, merecerá atenção também o melhoramento da soja, arroz e feijão. Os projetos de pesquisa serão extensivos ainda às hortaliças, sobressaindo o feijão vagem, o tomate salada, a abóbora e o pepino orgânico. A Emater continuará operando nos projetos de pesquisa de integração lavoura, pecuária e floresta.
As metas incluem ainda ações na infraestrutura da empresa, entre as quais a mudança dos laboratórios para a área do Centro de Treinamento. uma área de 250 hectares comporá o campo experimental, destinada aos trabalhos de pesquisa e produção de sementes. Finalmente, a nova diretoria está prevendo reforma da sede da Emater em Goiânia e de alguns escritórios experimentais no interior.

Comentários

Mais de Economia