Economia

US$ 1,3 bilhão em impostos sonegados e multas já foram recuperados

diario da manha
Os belgas conseguiram repatriar 7,8% do que havia sido depositado na Suíça

A cifra equivale, por exemplo, ao PIB das Ilhas Cayman, segundo dados do Banco Mundial

Do Uol

Desde 2010, quando as autoridades francesas passaram a dividir com outros países as planilhas que o ex-técnico de informática do HSBC Hervé Falciani havia vazado do banco dois anos antes, aproximadamente US$ 1,36 bilhão já foram recuperados na forma de impostos sonegados e multas. A cifra equivale, por exemplo, ao PIB das Ilhas Cayman, segundo dados do Banco Mundial.

A Bélgica, que tem 11 milhões de habitantes, está em primeiro lugar no ranking dos países que mais conseguiram repatriar valores – até agora, US$ 490 milhões. O país é o 10º no ranking dos valores depositados por seus habitantes nas contas secretas entre 2006 e 2007.

Num trabalho que se estende por quatro anos, os belgas conseguiram repatriar 7,8% do que havia sido depositado na Suíça. Determinaram o pagamento de impostos sonegados e aplicaram multas aos correntistas que não declararam a posse dos valores (tabela abaixo).

A Espanha está em 2º lugar na lista de valores recuperados, tendo repatriado US$ 298 milhões. Percentualmente, é o país que teve melhor desempenho até agora, 13% do que seus cidadãos mantinham no HSBC.

Em 3º lugar está a França (US$ 286 milhões). Por lá, além do foco na recuperação do dinheiro sonegado, as autoridades também se dedicaram à responsabilização de dirigentes do HSBC. A principal acusação foi a de que a filial do banco na Suíça oferecia aos franceses produtos que permitiam burlar o Fisco – prática relatada pelo jornal Le Monde.

As investigações francesas terminaram em fevereiro e o órgão equivalente à Receita Federal da França tem até maio para definir as medidas jurídicas que serão adotadas para tentar punir os dirigentes da instituição financeira.

No 4º lugar da lista dos países que mais conseguiram recuperar dinheiro aparece o Reino Unido (US$ 205 milhões). Entre os britânicos, a divulgação do SwissLeaks causou polêmica pela falta de reação das autoridades. A justificativa do poder público foi a dificuldade de acessar dados completos. Stephen Green, ministro do Comércio até 2013, saiu desgastado por ter ocupado um alto cargo no HSBC.

Na América do Sul, a Argentina saiu na frente. Desde setembro analisa seus dados.

O Brasil está para solicitar oficialmente as informações para o governo francês. No Senado, deve ser instalada na 3ª feira a CPI do SwissLeaks-HSBC, que pretende investigar tanto a instituição bancária como os contribuintes brasileiros que mantiveram depósitos na Suíça.

Países que mais recuperaram dinheiro depositado no HSBC da Suíça

(até março de 2015 – Impostos sonegados e multas)

Bélgica  US$ 490 milhões

Espanha              US$ 298 milhões

França  US$ 286 milhões

Reino Unido      US$ 205 milhões

Comentários

Mais de Economia