Economia

Câmara promove degustação

Produto representou 8,7% das exportações agrícolas brasileiras de janeiro a abril deste ano, período em que foram embarcadas mais de 12 milhões de sacas, com receita de US$ 2,2 bilhões

diario da manha

 

 

O Dia do Café foi no último dia 24 de maio, mas será comemorado hoje em Brasília, com direito a solenidade na Câmara Federal e degustações. Nem precisa explicar muito. O café é bebida de preferência nacional, tendo conquistado cada vez mais adeptos no Brasil e no exterior, especialmente nas últimas décadas. É a segunda bebida mais consumida no País, perdendo apenas para a água. Segundo a Associação Brasileira da Indústria do Café – Abic, o consumo de café deverá crescer de forma mais intensa em 2015 e alcançar 21 milhões de sacas no ano. Em 1990, o consumo interno brasileiro era de apenas 8,2 milhões de sacas; em 2013, atingiu 20,1 milhões; e, em 2014, 20,3 milhões.

Evolução crescente também é observada nas exportações brasileiras de café, de acordo com a edição de abril do Informe Estatístico do Café, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa. O produto representou 8,7% das exportações agrícolas brasileiras de janeiro a abril deste ano, período em que foram embarcadas mais de 12 milhões de sacas, com receita de US$ 2,2 bilhões, permanecendo como o quinto produto no ranking, atrás do complexo soja, carnes, produtos florestais e complexo sucroalcooleiro.

Em 2014, a safra alcançou 45,3 milhões de sacas; as exportações foram de 36,7 milhões de sacas e o mercado interno consumiu mais de 20 milhões de sacas. A previsão para 2015, segundo a primeira estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab (Jan 2015), é que sejam colhidas entre 44,11 e 46,61 milhões de sacas. Esses números da produção confirmam o Brasil como fornecedor de um terço do mercado mundial de café.

Esses são indicadores que apontam o Brasil como maior produtor e exportador mundial de café e o segundo consumidor. Além disso, a atividade cafeeira gera riquezas para a Nação, entre elas, divisas, renda e emprego para milhares de brasileiros, impulsionando a economia e o desenvolvimento nacional com sustentabilidade. A importância econômica e social do café também será destacada hoje, na Câmara dos Deputados, com evento para celebrar o Dia Nacional do Café, comemorado em 24 de maio por industriais, cooperativas e associações de produtores, varejistas, cafeterias e consumidores. Essa data simboliza o início da colheita do café.

 

Degustações na Câmara Federal

Na Câmara dos Deputados serão promovidas degustações de cafés de alta qualidade e de origens distintas, preparados como expressos ou filtrados. A iniciativa vai também divulgar o novo branding “Brazil. The Coffee Nation”, da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA, na sigla em inglês), que pretende posicionar o País também como origem de produtos de cafés reconhecidos por sua alta qualidade, presentes nos mais sofisticados e exigentes centros de consumo do mundo.

A cerimônia de comemoração do Dia do Café hoje será realizada na área de exposições – Hall da Taquigrafia de acesso aos gabinetes dos parlamentares ao plenário, de 9h às 17h. Baristas experientes estarão à disposição para preparar um excelente café e ainda dar dicas de formas de preparo. Além da colocação de banners alusivos à data, haverá distribuição de fôlderes e folhetos sobre os benefícios do café à saúde e a importância da pureza como atributo da qualidade.

A realização da degustação é uma iniciativa da Abic, BSCA e da Frente Parlamentar Mista do Café. A ação conta com o apoio das demais entidades do setor: Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (CeCafé), Conselho Nacional do Café (CNC), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), além do SEBRAE e da Apex-Brasil. A Abic, Abics, CeCafé, CNC e CNA são as cinco instituições privadas que integram o Conselho Deliberativo da Política do Café – CDPC, do Mapa.

 

Pesquisa, produção e indústria

Esse protagonismo do café é resultado da ação coordenada de centenas de pesquisadores, técnicos e extensionistas das instituições integrantes do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, em sintonia com o setor responsável pela produção e industrialização do café Brasil. O resultado é a ampliação da presença do café brasileiro, com mais sustentabilidade e qualidade, no País e a conquista e consolidação de mercados no exterior.

“A conjugação de esforços da pesquisa, ensino e extensão com a produção e a indústria propiciou desenvolver cultivares de café cada vez mais produtivas e melhores, entre tantas outras tecnologias, o que tem permitido o aumento verificado no consumo interno, como também da produção e exportação”, completa o gerente geral da Embrapa Café, Gabriel Bartholo, responsável pela coordenação do Consórcio Pesquisa Café.

 

Evolução da cafeicultura

No Brasil, de acordo com o Informe Estatístico do Café, do Departamento do Café – Dcaf, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, a partir de 1997, com a criação do Consórcio Pesquisa Café, a evolução da cafeicultura se deu de forma bastante expressiva. A área de cultivo nesse ano era de 2,4 milhões de hectares, a produção de 18,9 milhões de sacas de 60 kg e a produtividade de 8,0 sacas/hectare, com o consumo per capita de 4,3 kg de café.

Passados 18 anos, de acordo com o Levantamento de Safra da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab (janeiro/2015), houve redução da área de cultivo para 1,9 milhão de hectares e, em 2014, o País produziu 45,3 milhões de sacas, com produtividade de 23,3 sacas/ha. E o consumo per capita, nesse mesmo período, também de acordo com o Informe Estatístico, aumentou para 6,12 kg.

Em nível mundial, segundo a Organização Internacional do Café – OIC, em 1997, a produção foi de 99,7 milhões de sacas de 60 kg e o Brasil participou com 19% desse mercado. E, em 2014, como a produção mundial evoluiu para 141,4 milhões de sacas e, a brasileira, para 45,3 milhões de sacas, nossa participação subiu para 32% do mercado mundial, com redução de aproximadamente 20% da área de cultivo. Contribuíram para essa evolução, nesses 17 anos, cerca de mil projetos de pesquisa desenvolvidos no âmbito do Consórcio Pesquisa Café que geraram tecnologias, conhecimentos básicos, produtos e processos que beneficiaram direta e indiretamente a produção, colheita e pós-colheita, beneficiamento e industrialização do café.

 

Observatório do Café

Desenvolvido pela Embrapa Café, no contexto do Agropensa da Embrapa, tem como objetivos principais coletar, analisar e disseminar, de forma sistemática, dados estatísticos, informações sobre tendências de produção e consumo, oportunidades e ameaças dos mercados e possíveis trajetórias do processo de inovação, além de resultados de pesquisas realizadas pelo Consórcio Pesquisa Café e suas implicações para a competitividade do agronegócio cafeeiro e ainda subsidiar políticas públicas e a tomada de decisão pelos diversos protagonistas do setor.

No Observatório do Café estão disponíveis, entre outros, as seguintes publicações, documentos e análises das instituições integrantes e parceiras do Consórcio Pesquisa Café: Relatório de Atividades da Embrapa Café – 2012 a 2015; Revista Coffee Science; Publicações Técnicas (com informações sobre tecnologias desenvolvidas pelas instituições consorciadas); imagens e vídeos sobre cafeicultura; Informe Estatístico do Café; Valor Bruto da Produção; Relatório Internacional de Tendências do Café; Rede Social do Café; Clipping do Café do Consórcio; SAC – Consórcio Pesquisa Café; Acompanhamento da Safra Brasileira; Relatório Final de Levantamento de Estoques Privados de Café; Evolução do Consumo Interno; Tendências de Consumo de Café no Brasil; Relatório sobre Mercado de Café; Relatórios de Atividades da Embrapa Café e Sistema de Informação do Café disponível – SBICafé, entre outros.

tags:

Comentários

Mais de Economia