Economia

Marconi discute em Harvard aumento da competitividade da economia goiana

diario da manha

O governador Marconi Perillo dedicou o primeiro dos três dias da missão oficial do Governo de Goiás aos Estados Unidos à discussão e à avaliação de técnicas e procedimentos para aumentar a competitividade da economia goiana. A adoção de medidas, por parte do governo estadual, para atingir esse objetivo foi o tema central do encontro do governador e comitiva goiana com diretores, professores e pós-graduandos da Universidade de Harvard, em Boston, nesta segunda-feira, dia 11.

Marconi propôs o estabelecimento de uma agenda de intercâmbio na área entre Harvard e técnicos do Governo de Goiás. Ele discutiu com os mais respeitados estudiosos de gestão governamental a estratégia que pretende adotar para transformar Goiás no Estado mais competitivo do País e quer que os técnicos do Governo sejam recebidos para discussão, aprendizado e formulação de estratégias.

O governador chegou logo cedo à Harvard Kennedy School, acompanhado pelos secretários Thiago Peixoto (Segplan), Ana Carla Abrão Costa (Fazenda) e Isanulfo Cordeiro (Gabinete de Gestão de Assuntos Internacionais). Marconi e comitiva almoçaram na própria universidade, acompanhados de professores e alunos.

Foco de interesse
Participaram da reunião com o governador professores e pós-graduandos das áreas de economia, administração, direito e gestão pública, interessados na experiência de Goiás como foco de estudo. Marconi discutiu avanços e novas teorias desses setores aplicáveis à gestão estadual.

Na Universidade de Harvard, Marconi Perillo levou como grande desafio temas como o gerenciamento da educação e o desenvolvimento da competitividade produtiva. Os dois temas são tidos como obstinação do quarto mandato dele, principalmente depois de ter conquistado a liderança nacional nos índices da educação pública medidos pelo Ideb.

Ele ouviu exemplos de países europeus e latino-americanos que foram bem-sucedidos recorrendo à Harvard para aprimoramento das relações entre gestão pública e serviço público de qualidade. O governador disse que “os modelos de gestão pública da Universidade não ficam apenas nas teorias de organização governamental, mas testam a eficácia dos projetos públicos quanto à real capacidade de transformar positivamente a realidade e as demandas da sociedade”.

Afirmou ainda que sua visita a uma das principais universidades do mundo acrescentou a possibilidade de alternativas para o desenvolvimento do estado em médio e longo prazos. “O Governo de Goiás quer avançar na ideia de capacitar os servidores goianos a partir das teorias desenvolvidas aqui”.

O primeiro foco proposto por Marconi é a chamada “complexidade produtiva”, que traduz a multiplicidade do conhecimento transformada em produtos. Outra demanda é a diversificação do desenvolvimento econômico do Estado a partir das vocações existentes através da agregação de novas capacidades.

Também foi discutido o projeto Goiás sem Fronteiras, que será lançado neste ano, considerando como hipótese a realização de convênios com a Universidade de Harvard. Os estudiosos apresentaram ao governador a proposta de aplicar, em Goiás, a Teoria da Complexidade Econômica, desenvolvida pelos doutores do tema e já adotada com sucesso por diversos países.

Marconi ficou surpreso com a quantidade e a qualidade das informações que Harvard detém sobre Goiás. No que eles chamam de Product Space — classificação da diversidade produtiva de cada estado do país — Goiás é colocado como o décimo do Brasil em complexidade produtiva, com 41 produtos competitivos internacionalmente, a maioria ainda em produtos menos elaborados.

Na teoria de Harvard, o crescimento imediato está na capacidade de mapear estes produtos e apoiar a diversificação a partir desta capacidade com agregação de novas técnicas. Cerca de 30 doutorandos em gestão pública, administração e economia colocaram o governador numa “roda de debates”. O grupo fez uma série de questionamentos, principalmente sobre como Goiás chegou ao atual estágio de desenvolvimento, alcançando a nona posição no ranking das maiores economias do Brasil. Com a irreverência dos novos doutores, Marconi demonstrou domínio dos assuntos e das informações sobre Goiás e o Brasil e acabou sendo aplaudido e elogiado pelos professores e doutorandos.

Comentários

Mais de Economia