Economia

Pagamentos via smartphones e tablets crescem em Goiânia

Leitor auxilia aumento das vendas de microempreendedores e profissionais liberais que passam a aceitar cartões de crédito

diario da manha

 

 

O pagamento via cartões – crédito ou débito – tem sido a forma mais usual encontrada pelos consumidores realizarem suas compras nos estabelecimentos comerciais e as empresas que não se adequam a esse modelo acabam perdendo clientes e, consequentemente, dinheiro. Atualmente, de acordo com pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) e Datafolha, 54% do faturamento de estabelecimentos comerciais no País se dão por meio de pagamentos eletrônicos – 22% feitas através de cartões de débito e 31% por crédito.

No entanto, muitos empresários, em especial os microempreendedores e profissionais liberais, têm certa resistência para aceitar pagamentos com cartão devido à burocracia e às altas taxas cobradas para utilização da máquina de cartão pelas operadoras. Uma alternativa, que tem ganhado o mercado e apresenta grande adesão, especialmente em Goiás, é a forma de mobile payment (em tradução livre, pagamento móvel), que as compras no cartão são pagas via smartphones ou tablets.

No Estado, o sistema leitor Chip&Senha da empresa Payleven – que realiza os pagamentos via smartphone – apresentou crescimento de 1.222%, com um aumento de 236% no número de cidades com usuários do sistema. A empresária Márcia Regina Vieira, que tem uma loja de roupas em Aparecida de Goiânia, comprou o leitor há três meses e está satisfeita com a novidade. “Meu comércio é pequeno e quando fiquei sabendo que poderia ter minha própria máquina no celular me chamou bastante atenção. Para utilizar também, precisei evoluir, já que tive de trocar meu aparelho de celular por um mais moderno. Assim, também comecei a tirar fotos dos produtos, além de postar nas redes sociais e enviar para minhas clientes e isso ajudou nas vendas”, conta.

 

Vantagens

De acordo com a diretora-geral e fundadora da Payleven, Adriana Barbosa, para adquirir o leitor, o empresário precisa pagar a quantia de 12x de R$ 23,90 e o empresário se torna dono da máquina, já que a empresa não cobra taxas de aluguel. Adriana ressalta que toda a transação para compra do leitor é feita via internet e o produto é enviado para o endereço cadastrado no site, não sendo cobrada taxa de frete.

A comerciante Márcia Regina, que também utiliza as máquinas de cartão convencional, destaca que uma das vantagens de utilizar o mobile payment é a facilidade e praticidade, já que efetiva o pagamento e envia o comprovante para os clientes pelo celular. “Não pagar aluguel da máquina foi uma das principais vantagens, além das taxas serem bem menores”, comemora. “Já passava cartão antes e esse sistema é melhor, mas fiquei com as duas máquinas, já que a Payleven não aceita todas as bandeiras”.

Conforme Adriana Barbosa, o uso do leitor para pagamento móvel é menos burocrático que das operadoras de cartão, visto a empresa não cobra taxas de aluguel e apresenta taxas por transação competitivas. “Além disso, a empresa não delimita um rendimento mínimo para que o usuário possa adquirir a solução e não é preciso ter CNPJ. Ou seja, é um processo menos burocrático para os microempreendedores e profissionais liberais que estão iniciando seu negócio”, indica.

 

Segurança e tarifação

Uma das preocupações, tanto dos comerciantes quanto dos clientes que utilizam cartões para pagamento, é com a segurança, mas Adriana garante que o leitor que o empresário instala nos smartphones é totalmente eficaz e seguro. “O aparelho possui os padrões de segurança EMV e PCI”, informa. “Os clientes aceitaram bem a novidade de passar o cartão pelo celular, até porque eu já usava a máquina de cartão. Acredito que seja tão seguro quanto a máquina convencional”, declara Márcia Regina.

Além de segurança, os empresários se preocupam com as taxas e tarifas que têm de pagar para poder aceitar como forma de pagamento cartões de crédito e débito. Com a utilização do leitor de chip e senha, para crédito à vista e recebimento em 30 dias, a taxa é de 3,39% e com recebimento em dois dias úteis o comerciante é tarifado em 4,39%. Ainda há o acréscimo de 1,99% para cada parcela adicional no cartão de crédito. Nos pagamentos feitos com cartão de débito a tarifa é de 2,69% para recebimento em dois dias úteis. “Quanto mais se vende com o leitor, menos se paga em taxas transacionais”, explica Adriana. A comerciante Márcia Regina destaca que com a máquina de cartão (POS) se paga um aluguel pelo uso, além de ter uma taxa de cadastro ou adesão e é cobrado um percentual sobre as transações. “Com o leitor no meu celular, as taxas são menores, não pago mais aluguel para utilizar e acho prazeroso falar que é meu”, declara a empresária Márcia Regina.

Comentários

Mais de Economia