Economia

Dilma propõe a Marconi que lidere movimento nacional

Ministro Mangabeira Unger recomenda que Goiás lidere movimento nacional em reunião no Palácio Pedro Ludovico Teixeira na manhã de ontem. Ele citou quatro pontos que devem constar da agenda dos Estados do Centro-Oeste

diario da manha
Governador na reunião com o Ministro Roberto Mangabeira.Fotos: Wagnas CabralData: 19.06.2015

A construção de um movimento nacional liderado por Goiás, junto aos Estados do Centro-Oeste, em defesa de uma agenda comum para a região foi proposta pelo ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Roberto Mangabeira Unger, ele veio ao Estado em missão delegada pela presidente Dilma Rouseff, ao governador Marconi Perillo em reunião realizada na manhã de ontem. O encontro ocorreu no Palácio Pedro Ludovico Teixeira.

Ao menos quatro pontos que devem constar na agenda dos estados foram propostos por Mangabeira Unger: a definição de um currículo em comum para o ensino médio; a criação de uma agência interestadual de empreendedorismo; a recuperação de pastagem nos estados; e políticas para o extrativismo rural.

“Estou com a tarefa de ajudar a presidente a fazer uma agenda de desenvolvimento, após o ajuste fiscal. E, para isso, estou rodando o Brasil. Preciso de uma visão ampla e compreender as demandas regionais”, afirmou Mangabeira. O ministro solicitou ao governador que agende encontro com os demais governadores do Centro-Oeste.

Participaram da reunião, em Goiânia, auxiliares do governo estadual, como os secretários Thiago Peixoto (Segplan), Ana Carla Abrão (Sefaz), Joaquim Mesquita (SSP), Raquel Teixeira (Seduce), Leda Borges (Cidadã) e Henrique Tibúrcio (Segov), além do presidente da Juceg, Rafael Lousa.

A missão do ministro a Goiás continuou, no período da tarde, com visita ao Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia) e reunião com empresários do setor farmoquímico. O secretário Thiago Peixoto acompanhou a comitiva integrada também pelo secretário de Ciência e Tecnologia do Distrito Federal, Paulo Salles, e pelo prefeito de Anápolis, João Gomes.

 

 

 

 

tags:

Comentários

Mais de Economia