Economia

Dilma diz que governo quer consolidar expansão da classe média

diario da manha
Brazil's President Dilma Rousseff participates in a ceremony of announcement for new measures of the Plan "Brasil Maior" and the installation of Sector Councils for competitiveness in Brazil April 3, 2012. Anxious to give more competitiveness to industries affected by the appreciation of the real, the government announced an overhaul in credit lines, reducing interest rates and longer period for payment, according to local media. REUTERS/Ueslei Marcelino (BRAZIL - Tags: POLITICS BUSINESS)

A presidenta da República, Dilma Rousseff, declarou hoje (22), em Piracicaba, São Paulo, que o objetivo do governo é consolidar a expansão da classe média brasileira com a volta do crescimento econômico. “Estamos atualizando as bases da economia e vamos voltar a crescer dentro do nosso potencial. Nosso objetivo é consolidar a expansão da classe média. Queremos que o Brasil seja um país de classe média.”

A presidenta lembrou as medidas que o governo tem tomado para retomar o crescimento, como o esforço para o reequilíbrio das contas públicas, é “essencial para que a economia se recupere”. “Estamos tomando medidas que já têm dado resultado, como o realinhamento dos preços e o aumento das exportações no Brasil. Vamos ampliar as concessões e fazer esforço para manter os principais programas, como o Minha Casa Minha Vida”, disse.

Dilma discursou na inauguração de uma unidade de produção de etanol segunda geração, na cidade de Piracicaba, no interior de São Paulo. A unidade, da empresa Raízen, criada a partir da fusão das empresas Cosan e Shell, recebeu investimentos de quase R$ 240 milhões. A maior parte desse valor, cerca de R$ 207 bilhões, são recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Dilma Rousseff destacou a importância da produção em massa de etanol, como uma alternativa ao petróleo, e disse que, com unidade inaugurada hoje, o país pode se manter em posição destacada na produção desse combustível.

A unidade inaugurada hoje é a segunda desse tipo no país e tem capacidade para produzir mais de 42 milhões de litros de etanol por ano. O chamado etanol segunda geração, ou etanol celulósico, é aquele feito a partir do bagaço e da palha da cana-de-açúcar. A vantagem do etanol celulósico é aumentar a capacidade de produção de etanol em até 50% a partir da mesma área plantada, pois reutiliza os resíduos da primeira produção, que eram desperdiçados.

Comentários

Mais de Economia