Economia

Se o "não" ganhar, Grécia terá dificuldades para retornar ao Dracma

diario da manha

This XML file does not appear to have any style information associated with it. The document tree is shown below.

Agência O Globo –
economia

Falta ao país planejamento e apoio popular necessário para fazer a transição
ATENAS – Introduzir uma nova moeda não é tarefa fácil. Casos recentes, como a adoção do marco alemão pela Alemanha Oriental e a própria criação do euro, foram beneficiados por anos de cuidadoso planejamento e amplo apoio popular. Se a Grécia abandonar o euro, não contaria com nenhum destes elementos.

“O precedente histórico sugere que seria um desafio gigantesco”, disse Richard Portes, professor de Economia da London Business School. “A situação da Grécia é talvez ainda pior porque não está claro se eles têm a capacidade administrativa para mudar rapidamente para uma nova moeda”.

O governo da Grécia diz que pretende manter o euro mesmo que os eleitores rejeitem os termos da proposta de socorro internacional no referendo. Pesquisa encomendada pela Bloomberg apontou um resultado muito apertado na votação, mas mostrou que 81% dos gregos querem manter o país na zona do euro.

Muitos economistas dizem, porém, que isso seria difícil após um voto “não” mesmo se no longo prazo o país se beneficiar deste caminho. O sistema bancário grego é dependente de apoio do Banco Central Europeu, que poderia ser retirado neste cenário. Isso poderia forçar a Grécia a criar seus próprios meios de troca — um novo dracma — para manter sua economia funcionando.

INTRODUZIR MOEDA PODE LEVAR SEIS MESES

Países que mudam a moeda devem lidar com duas questões: como introduzir novas notas e moedas e o que fazer com contas correntes, dívidas e instrumentos financeiros denominados na moeda antiga.

A primeira questão é direta. O Banco Central grego imprime notas de euro em Holargos, subúrbio de Atenas. Esta unidade era responsável pela impressão do dracma antes da adoção do euro e poderia ser responsável pela nova dracma também.

“Uma moeda é um cartão de negócios nacional, então você quer fazer isso direito”, disse Ralf Wintergerst, chefe de produção de notas na Giesecke & Devrient Gmbh, empresa alemã que imprime cédulas desde o reichsmark alemão nos anos 1920.

Wintergerst diz que introduzir uma nova moeda leva em média seis meses, e algumas vezes até dois anos. Artistas precisam desenhar as notas, especialistas em segurança acrescentam medidas como marcas d’água e tinta especial, e funcionários de bancos precisam planejar quanto de cada cédula é necessário e levar o dinheiro aos bancos.

“A coisa mais desafiadora era estabelecer uma distribuição eficiente e assegurar que a nova moeda esteja disponível em todos os lugares”, disse Boris Raguz, chefe do Diretório de Tesouraria do Banco Central da Croácia, que em 1993 supervisionou a introdução da moeda do país, a kuna, depois da separação da Iugoslávia.

TRANSIÇÃO TERIA QUE SER RÁPIDA

Maiores dificuldades surgem quando os bancos começam a emitir a moeda. Por causa do prazo necessário para distribuir novas notas e moedas, as duas divisas precisam existir lado a lado por algum tempo. Enquanto os bancos gregos podem mover transações com cartões para a nova dracma imediatamente, as lojas podem aceitar as duas moedas – e talvez apenas euros se os comerciantes duvidarem do valor da nova dracma.

“Quando a conversão vai ocorrer? Com que taxa?”, indagou Antonio Fatas, um professor de Economia da escola de negócios Insead, próxima de Paris. “Esta é a grande questão”.

As duas moedas começariam provavelmente a uma taxa de um para um, o que pode ser ajustado ao longo do tempo. O euro foi criado em 1999, mas existiu apenas virtualmente por três anos, usado para transações eletrônicas a uma taxa fixa contra francos, marcos e outras divisas que ele substituiu. Então, em 1º de janeiro de 2002, as cédulas e moedas do euro foram introduzidas, apesar das antigas moedas ainda terem permanecido em circulação por cerca de dois meses.

A Grécia teria uma situação mais complicada porque a transição teria que ocorrer rapidamente, com pouco planejamento. E ao contrário da maioria das outras moedas que foram abandonadas, a atual moeda da Grécia – o euro – vai permanecer em circulação na Europa não importa o que aconteça. Isso significa que qualquer nova divisa pode ter pouco apelo para a população, que esperaria sua desvalorização depois que o mercado puder ajustar seu valor.

“Tão logo qualquer um obtenha a nova dracma no bolso, faria o que for possível para se ver livre dela”, disse Jacob Kirkegaard, pesquisador sênior do Peterson Institute for International Economics, em Washington.

Outro complicador, segundo Kirkegaard, é que os muitos importadores gregos podem exigir receber o pagamento em euros, no lugar de dracmas depreciados.

Ludek Niedermayer, que chefia o departamento de risco do Banco Central Tcheco quando a coroa foi introduzida em fevereiro de 1993, disse que na época seu país era relativamente isolado. A Grécia, ele destaca, é bem mais integrada na economia europeia, tornando mais difícil a mudança. A confiança é chave para a nova moeda, diz Niedermayer. “Se você introduz uma moeda que ninguém quer, é um mau começo”, disse.

 

Comentários

Mais de Economia