Economia

Bovespa cresce e tem maior alta no ano

diario da manha

Matheus Cruvinel,Da Editoria de Economia

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em forte alta ontem. O crescimento de 3,35% seguiu o otimismo dos índices dos Estados Unidos, apesar de uma nova queda nas bolsas da China e do pessimismo no mercado de ações da Europa. O Ibovespa terminou o pregão alcançando 46.038 pontos.

O grande responsável pelo crescimento foi o Mercado Financeiro. A valorização ocorreu depois da comissão no Congresso concluir a votação estabelecendo alíquota da contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL) sobre instituições financeiras em 20%.

Valorizaram Bradesco (BBDC3 R$ 26,00, +5,45%; BBDC4, R$ 24,08, +4,92%), Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 27,37, +6,04%), Banco do Brasil (BBAS3, R$ 18,57, +4,92%) e Santander (SANB11, R$ 14,80, +5,56%). O setor financeiro é o que possui mais peso na carteira da Ibovespa, respondendo por 22% do índice se levarmos em consideração só os bancos, sem contar empresas de seguros e outras financeiras.

Também subiram as ações da Petrobras (PETR3, R$ 9,13, + 2,82%; PETR4, R$ 8,11, +2,66%). O barril do petróleo Brent registra ganhos de 0,26% a US$ 43,32. Os papéis da Vale ( Vale3, R$ 15,90, +3,58%; Vale5, R$ 12,63, +2,93%) voltaram a ter alta com o minério de ferro subindo 0,37%. Do outro lado, as maiores baixas dentre os papeis que compões o índice Ibovespa, foram a KROT3 ( R$ 8,50, -3,52%), CMIG4 ( R$ 7,85, -2,48%) e BRML3 (R$ 11,37, -1,98%).

 

Dólar e Commodities

Na BM&F, após chegar a bater R$ 3,65 mais cedo, o dólar fechou em queda ante o real, após três sessões seguidos de alta. A moeda norte-americana terminou o dia cotada a R$ 3,6014 para venda, em baixa de 0,19%. Mais cedo, o dólar chegou a atingir R$ 3,6563, maior nível desde 14 de fevereiro de 2003, quando chegou a R$ 3,67.

No mercado futuro, da BM&F, o dólar desvalorizou 0,55%, passando a valer R$ 3,60. Na área de commodities, a soja e o etanol ficaram estáveis, ao mesmo tempo em que o milho fechou em queda, com desvalorização de 0,06%, e a arroba do boi com uma alta irrisória de aproximadamente 0,01%, passando a valer R$ 146,86.

Comentários

Mais de Economia