Economia

Instituições de renome internacional estarão no lançamento do Inova Goiás

diario da manha

Representantes de ministérios e de organismos internacionais, reitores, pesquisadores, especialistas e empresários participarão do lançamento do Programa Estadual de Inovação e Tecnologia (Inova Goiás) na próxima quarta-feira, 2 de setembro, às 9h30, no Centro Cultural Oscar Niemeyer. Nomes como o do pró-reitor de Pesquisa da Universidade de São Paulo, José Eduardo Krieger, além de integrantes da Agência USP de Inovação, estão confirmados no anúncio daquele que será o maior e mais completo programa do País, com investimentos da ordem de R$ 1,5 bilhão até 2018, e que será executado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SED), comandada pelo vice-governador José Eliton.

Também já confirmaram presença o secretário de Inovação do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Marcos Vinícius de Souza, e representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). No evento, o governador Marconi Perillo e o vice-governador e secretário José Eliton entregarão ao BID carta-consulta pleiteando financiamentos de aproximadamente U$S 70 milhões – em reunião realizada no início do mês, em Brasília, o BID já acenou favoravelmente ao repasse de recursos.

Um dos objetivos do Inova Goiás é fazer do estado referência nacional nas políticas de promoção da inovação, possibilitando, dessa forma, o acesso das empresas goianas a novas tecnologias e processos produtivos e também modernizando ainda mais a prestação dos serviços públicos, além de fortalecer a economia e potencializar o desenvolvimento. O programa, executado pela SED com apoio da Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento (Segplan), prima também pela interação do governo do estado com as universidades, instituições de pesquisa e setor privado.

Outra meta do governo com o Inova Goiás é aumentar a competitividade por meio da inovação e tecnologia, colocando o estado entre os três primeiros do Brasil que mais investem em inovação, com a mais avançada plataforma do país em ciência e tecnologia.

Entre outros benefícios, o programa trará aumento da empregabilidade e da renda per capita; o aumento da eficiência dos meios de produção; e o aumento do número de pesquisas com maior relevância para o setor produtivo.

O Inova Goiás será desenvolvido em duas linhas específicas: uma voltada para a promoção da inovação nos diferentes setores econômicos do estado; e outra destinada a modernizar a máquina administrativa e elevar a qualidade dos serviços públicos prestados pelo governo de Goiás ao cidadão goiano.

Dentro da primeira linha, serão implementadas ações estratégicas que fortalecerão e integrarão as mais variadas iniciativas de transferência de tecnologias e educação profissional, arranjos produtivos e polos de tecnologia em todo o estado. Serão fortalecidas ainda as parcerias com instituições de ensino e pesquisa do estado e de outras partes do país.

A hora de inovar
Segundo destaca o vice-governador e secretário José Eliton, Goiás já deu um salto de qualidade ao diversificar a sua economia e fortalecer a sua infraestrutura e logística, o que tem atraído investidores de várias partes do mundo. “Também temos investido em qualificação profissional; fomos referência em programas como o Pronatec e Bolsa Futuro, este que é o maior programa estadual de qualificação, e agora é a hora de inovar, e com isso agregar tecnologias aos produtos e processos produtivos, alavancando ainda mais a nossa economia e fazendo de Goiás um dos estados mais competitivos”, afirma.

Na medida em que busca inovar os diferentes setores produtivos para fortalecer a economia do estado, o governo de Goiás aposta na inovação tecnológica para modernizar os órgãos públicos estaduais e oferecer serviços de melhor qualidade aos goianos. Nesse sentido, o Programa Inova Goiás inclui ações estratégicas voltadas para desburocratizar e dar maior acesso aos serviços públicos.

Para viabilizar a efetividade de todas as ações do Inova Goiás, o governo assinará convênios com instituições privadas, agências financeiras internacionais, instituições de ensino e pesquisa e com o governo federal, assegurando os recursos necessários à execução do programa.

Comentários

Mais de Economia