Economia

Brasil Central consolida primeiro consórcio interestadual do país

diario da manha

Em apenas três meses das primeiras ações efetivas para criação do Movimento Brasil Central (MBrC), o bloco já tem muito a comemorar. Já foram assinados documentos importantes entre os governadores de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Rondônia e as unidades da federação caminham para criar o primeiro consórcio intestadual de cooperação do país. Em Palmas (TO), na semana passada, os governadores assinaram um protocolo de intenções que irá criar o consórcio efetivamente após a aprovação das casas legislativas locais.

Apesar de ter voltado bastante animado do Tocantins, o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Thiago Peixoto, explica que o trabalho está apenas começando. “Temos nos dedicado bastante e já estamos colhendo frutos. Mas não podemos esmorecer. Vamos continuar trabalhando com afinco para consolidar o bloco e o consórcio. A ideia é que tenhamos marcos a cada novo encontro”, explicou o deputado federal licenciado (PSD), que é o principal representante técnico e executivo de Goiás no MBrC e tem se destacado como liderança no bloco.

O secretário lembra que em Goiânia, em julho, foi assinada a Carta de Goiânia, que definiu as regras gerais para formação do bloco de cooperação que então reunia cinco unidades da federação: Goiás, DF, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Em Cuiabá (MT), em agosto, foi escolhido o consórcio como modelo de formatação do bloco e assinado um termo de cooperação entre os governadores, além de ter sido incluído o Estado de Rondônia no grupo.

Em Palmas, na semana passada, o 3º Fórum dos Governadores do Brasil Central teve como resultado a assinatura do Protocolo de Intenções que cria o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central. Agora cabe aos legislativos fazer a aprovação. “Essa é uma grande novidade e avanço. Os estados nunca se reuniram em um consórcio desse modelo. Trata-se de uma ação efetiva por meio da qual os governos buscarão seus próprios meios de financiamento de ações e projetos em comum, por exemplo”, explicou Thiago Peixoto.

Futuramente, deve ser criada a Agência de Desenvolvimento do Brasil Central para captar recursos públicos e privados para financiar projetos de integração regionais. “Estamos fazendo história aqui no Brasil Central. Estou bastante entusiasmado. Sabemos que governadores de vários Estados se reúnem constantemente para tratar de assuntos diversos, mas essa é a primeira vez que construímos um bloco legal com objetivos claros definidos”, disse o governador Marconi Perillo.

Ele reconheceu que MBrC nasceu sem grandes pretensões, mas que foi se fortalecendo de maneira significativa em muito pouco tempo. “Os resultados são graças aos trabalhos que vêm sendo desenvolvidos por nossas equipes. Para ter uma pauta definida em cada novo encontro dos governadores, nosso pessoal técnico tem se esforçado bastante. Cabe a nós, governadores, darmos o nosso aval político. E tenho certeza de que na próxima reunião, em Campo Grande, em outubro, já teremos o protocolo de intenções devidamente aprovado por nossos legislativos”, afirmou o governador goiano.

Programas
O protocolo de intenções cria um modelo de cooperação entre as seis unidades da federação. Ele estabelece, entre outros pontos, a criação do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central. A ideia é construir uma agenda desenvolvimentista com base em ações em vários eixos estratégicos que interessem a todos as UFs em bloco. O consórcio prevê atuação em seis grandes programas e áreas: agropecuária; industrialização; inovação, ciência e tecnologia; empreendedorismo; educação; meio ambiente; infraestrutura e logística; e turismo.

O que é
O Movimento Brasil Central (MBrC) é um bloco de cooperação político e econômico criado em Goiânia em julho deste ano com a presença dos governadores de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Rondônia. A primeira conversa sobre a ideia de articular um trabalho de desenvolvimento regional a partir da região central do Brasil ocorreu em novembro do ano passado em Harvard, nos Estados Unidos, entre o deputado federal goiano Thiago Peixoto (PSD-GO) e o professor Roberto Mangabeira Unger, titular da universidade.

O assunto voltou à pauta em junho de 2015, durante um evento do Governo de Goiás, em Goiânia, com a presença de Mangabeira. Na oportunidade, já ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, ele provocou o governador Marconi Perillo (PSDB-GO) a liderar a construção de uma agenda de desenvolvimento regional. Desde então, o bloco foi criado e já ocorreram reuniões do Fórum dos Governadores do Brasil Central em Goiânia (julho), Cuiabá (agosto), Palmas (setembro) e ainda estão programadas outras em Campo Grande (MS), em outubro, Brasília (DF), em novembro, e Porto Velho (RO), em dezembro.

Há, ainda, a possibilidade de uma reunião de encerramento em Goiás, em local a ser definido, também em dezembro. A tendência é organizar um seminário para avaliar o trabalho desenvolvido pelo MBrC em 2015 e traçar as metas para o ano que vem. Desde o início do processo, se destacam no bloco as figuras do governador Marconi Perillo, principal articulador político, e do secretário Thiago Peixoto, principal nome do ponto de vista técnico e executivo do grupo.

Comentários

Mais de Economia