Economia

Comitê confirma que não há risco de déficit de energia para 2015

Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), formado por agências reguladoras e órgãos de governo confirmou hoje (2), por meio de nota, que o risco de déficit de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) para 2015 é zero. A conclusão foi apresentada após reunião do colegiado, presidida pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

Segundo o comitê, em 2015 entraram em operação 3.885 MW do total de 6.410 MW de capacidade de geração previstos, “dos quais 259 MW desde a última reunião do comitê”. Também foi definido que o Operador Nacional do Sistema (ONS) “deverá continuar efetuando o acompanhamento das condições hidroenergéticas do SIN”, de modo que, em função de sua evolução, proponha ao comitê “a definição da geração térmica necessária para a garantia do atendimento energético do SIN.”

Durante a reunião, o CMSE anunciou que, embora as principais bacias hidrográficas onde estão os reservatórios das regiões Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste tenham “enfrentado situação climática desfavorável”, as condições de suprimento de energia do SIN melhoraram em relação ao mês anterior.

De acordo com a nota, além das análises apresentadas, outras avaliações de desempenho do sistema, “utilizando-se o valor esperado das afluências e anos semelhantes de afluências obtidas do histórico, não indicam, no momento, insuficiência de suprimento energético neste ano”.

O CMSE analisou as expectativas de suprimento de energia, considerando a entrada em funcionamento de novas usinas e o consequente desligamento das usinas térmicas com custo unitário acima de R$ 600 o megawatts (MW), conforme deliberou o comitê em sua reunião de agosto.

“Há sobra estrutural de cerca de 9.359 MW médios para atender a carga prevista, valor atualizado com as datas de entrada em operação das usinas para os próximos meses e a projeção de demanda”, informou o colegiado no comunicado.

A próxima reunião do colegiado está prevista para 2 de outubro. Além do Ministério de Minas e Energia (MME) e ONS, o comitê é formado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL).

 

Editor Armando Cardoso

tags:

Comentários

Mais de Economia