Economia

Mesmo com pequena melhora, inflação em Goiânia contínua alta

diario da manha

Apesar de apresentar uma leve recuperação, a inflação em Goiânia contínua em alta e chegou a 1,10% em novembro, contra o registro em outubro, 1,16%, segundo dados divulgados pelo Instituto Mauro Borges (IMB) da Secretaria de Gestão e Panejamento (Segplan).

Segundo a pesquisa, os reajustes dos combustíveis, das tarifas de energia e gás de cozinha, influenciaram o índice geral. Com este resultado, o acumulado da inflação de janeiro a novembro, em Goiânia, subiu para 2,64% e nos últimos 12 meses para 2,78%.

Além dos grupos transportes com 1,52% e habitação com 4,97%, também contribuíram para a alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de Goiânia, no mês passado, os grupos de educação com 1,41% , comunicação com 1,11%, alimentação com 0,07% e artigos residenciais com 0,16%. Ajudaram a conter uma alta ainda maior do indicador os grupos vestuário com -0,50%, saúde e cuidados pessoais com -0,77% e despesas pessoais -1,03%.

No grupo alimentação, o que tem maior peso na formação do IPC de Goiânia, tiveram alta, entre outros, o óleo de soja com 2,23%, a carne suína com 3,87%, carne bovina com 0,76%, o frango com 1,81% e o refrigerante 290 ml com 4,06%. Em queda ficaram o feijão carioca com -4,82%, arroz com -0,41%, tomate com -1,22%, batata inglesa com -7,365, repolho com -11,44%, laranja pera com -6,79%. E ainda, a banana prata com -5,66%, queijo frescal com -1,01%, leite longa vida com -0,35% e a cerveja com -1,85%.

Com Informações da Segplan

Foto/Tânia Rêgo/Agência Brasil

Comentários

Mais de Economia