Educação

Colégio Elite Goiânia vai dar aulas anti-bullying e ensinar diversidade

A formação integral do aluno é necessidade no modelo de ensino do século XXI

diario da manha

As matérias tradicionais como Matemática, Língua Portuguesa, História e Biologia seguem com toda relevância, entretanto o modelo de educação do século XXI exige novos olhares por parte das escolas. Nesse contexto, entra a formação integral do aluno com o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. Temáticas como bullying, diversidade e protagonismo ganham cada vez mais espaço nas aulas.
Atento às exigências do mundo contemporâneo, o Elite Rede de Ensino – que conta com a unidade Elite Goiânia – implementou em sua grade do ensino fundamental anos finais a disciplina chamada Espaço de Ser. A proposta da matéria é a construção de uma educação integral relacionando as dimensões cognitivas, físicas, afetivas, sociais e culturais. Por meio de projetos e dinâmicas, os alunos desenvolvem diversas habilidades como as de lidar com emoções, interagir com pessoas diferentes e trabalhar em equipe.
Naturalização das diferenças
Quando o assunto é diversidade, os estudantes do 9º ano realizam o projeto “Deixe as diferenças em paz” como foco na existência das dissemelhanças entre as pessoas: sexo, orientação sexual, raça, religião, gostos pessoais, crenças, músicas, regionalidades e poder social. É uma sequência didática que trabalha com a naturalização as diferenças.
Os alunos do 6º ano fazem o “Novos olhares para o mundo”. Neste momento, as crianças conhecem outros tipos de moradia e alimentação, por exemplo, bem distintas das vivências que estão acostumadas. Elas passam a ter ciência dos contrastes do mundo. “A ideia é apresentar diversas realidades, que talvez elas nunca tivessem parado para refletir: crianças indígenas, crianças refugiadas de guerra e um café de uma família americana x o café de uma família da Somália”, explica Luiza Itabayana, coordenadora do ensino fundamental – anos finais, do Elite.
A temática bullying é assunto na disciplina Espaço de Ser, o 6º ano também desenvolve o projeto “Não tem graça”. É trabalhado o conceito, a previsão do crime em lei, sentimentos envolvidos, personagens da ação bullying (vítima, agressor e espectador). “É a partir desse tema que trabalhamos as habilidades de empatia, respeito, reconhecimento das diferenças e percepção dos sentimentos”, destaca Luiza.
Caso Malala
Outra temática importante é o “Solte sua voz”, do 7º ano, que se inicia destacando o caso da jovem paquistanesa Malala que ganhou o Prêmio Nobel da Paz aos 17 anos. Malala ficou conhecida mundialmente após ser baleada na cabeça por talibãs ao sair da escola em outubro 2012, aos 15 anos. Ela se manifestou contra a proibição dos estudos para as mulheres em seu país. Hoje, vive com sua família na Inglaterra, mas tem ainda o desejo de voltar ao seu país para entrar na política.
Aqui, o foco é no protagonismo juvenil. O propósito da ideia é mostrar aos alunos que crianças e adolescentes como eles têm sim lugar de fala em um mundo adulto e que são capazes de operar mudanças em nível local ou até mesmo em nível mais amplo. “Trabalhamos uma ferramenta indispensável: a comunicação. Se você quer fazer a diferença, precisa propagar suas ideias, mas precisa comunicar com clareza”, afirma Itabayana.

tags:

Comentários