Entretenimento

Copa Goiás Asefut - Unidos pelo Futebol 

diario da manha

A Co­pa Asefut (As­so­cia­ção das Es­co­las de Fu­te­bol de Go­i­ás) che­gou ao fim  no  fi­nal de se­ma­na pas­sa­do. No sá­ba­do (9), seis par­ti­das  re­a­li­za­das no es­tá­dio Olím­pi­co Pe­dro Lu­do­vi­co Tei­xei­ra e no do­min­go 8 jo­gos no cam­po do Cam­pi­nas. A co­pa Asefut que te­ve seu iní­cio em Mar­ço, é um dos tor­nei­os mais com­pe­ti­ti­vos do cen­tro oes­te, e que en­vol­ve mais de 1640 at­le­tas en­tre 07 e 16 anos de ida­de.

90 equi­pes de 21 es­co­las de fu­te­bol mo­vi­men­ta­ram o cam­pe­o­na­to, sen­do, es­co­las de fu­te­bol da gran­de Go­i­â­nia e das ci­da­des cir­cun­vi­zi­nhas (Co­pa Go­i­ás  – Ase­fut Uni­dos pe­lo Fu­te­bol ) com mais de 900 jo­gos, 150 pes­so­as com­pu­se­ram as co­mis­sões téc­ni­cas das equi­pes, e mais de 7 mil pes­so­as vi­ram o even­to em lo­co, e com cen­te­nas de gols e mi­lha­res de jo­ga­das tra­ba­lha­das pe­los téc­ni­cos, lin­das de­fe­sas dos go­lei­ros e par­ti­ci­pa­ção fi­el das tor­ci­das.  Mui­tas par­ti­das do cam­pe­o­na­to e as fi­nais fo­ram trans­mi­ti­das ao vi­vo pe­la in­ter­ne­te, via Fa­ce­bo­ok do Api­to es­por­ti­vo e tam­bém pe­lo si­te;  api­to­es­por­ti­vo.com.br  –  Se­gun­do Clé­ber Fran­ça, ar­ti­cu­la­dor do Api­to es­por­ti­vo, du­ran­te os jo­gos trans­mi­ti­dos que so­ma­ram um to­tal de 47, ti­ve­ram mais de 100.000 aces­sos ao si­te e fa­ce­bo­ok.

De­pois de qua­se 10 mes­es de com­pe­ti­ção, os cam­pe­ões fo­ram re­ve­la­dos, mas no fi­nal da co­pa, to­das as es­co­las en­vol­vi­das na dis­pu­ta da Co­pa Go­i­ás – Uni­dos pe­lo Fu­te­bol – Me­re­ce­ram o Tí­tu­lo de  cam­pe­ãs, não fal­tou em­pe­nho pa­ra ne­nhu­ma equi­pe, não fal­tou gar­ra, não fal­tou de­se­jo de ven­cer, foi es­pe­ta­cu­lar o tor­neio, to­das equi­pes bri­lha­ram.

O pre­si­den­te da Ase­fut, Rob­son Ja­ber- (Ro­bi­nho) é uma per­so­na­li­da­de mui­to que­ri­da no meio es­por­ti­vo e uma pes­soa ex­tre­ma­men­te ca­pa­ci­ta­da que se en­vol­ve com­ple­ta­men­te em seus pro­je­tos vol­ta­dos  pa­ra as cri­an­ças e ado­les­cen­tes que com­põe  a  ba­se do fu­te­bol em Go­i­ás. Ro­bi­nho quan­do con­ver­sa com os at­le­tas, quan­do fa­la do cam­pe­o­na­to, quan­do li­da com di­fi­cul­da­des, quan­do es­pla­na so­bre seus pro­je­tos fu­tu­ros, é im­pres­sio­nan­te e em­pol­gan­te ou­vi lo, é con­ta­gio­so o quan­to ele é en­vol­vi­do com o “re­a­li­zar e bem fei­to”,  to­dos da Ase­fut  pro­cu­ram fa­zer o me­lhor pos­sí­vel. Foi do Ro­bi­nho a ideia de in­se­rir a li­te­ra­tu­ra nos cam­pe­o­na­tos que a Ase­fut é or­ga­ni­za­do­ra.

Du­ran­te as  fi­nais, os at­le­tas que se des­ta­ca­ram fo­ram pre­mi­a­dos com um dos meus  li­vros au­to­gra­fa­do (Jo­ão e o bem Te Vi ) Au­tor – An­dré Jú­ni­or – Obra li­te­rá­ria vol­ta­da ao pú­bli­co in­fan­to­ju­ve­nil. As cri­an­ças e seus pa­is, ado­ra­ram a no­vi­da­de, e fi­ca­ram ra­di­an­tes com a opor­tu­ni­da­de de con­ver­sar e re­ce­be­rem um li­vro do au­tor An­dré Jú­ni­or

O es­cri­tor An­dré Jú­ni­or  dei­xou cla­ro que: “A li­te­ra­tu­ra, a es­co­la, o es­por­te e as fa­mí­lias, de­vem ca­mi­nhar no mes­mo sen­ti­do, pre­ci­sam ser ali­a­dos nes­se pro­ces­so de en­si­no e apren­di­za­gem. O es­por­te é a fer­ra­men­ta de in­ser­ção so­ci­al mais efi­caz, pois o re­sul­ta­do é ime­di­a­to e as trans­for­ma­ções são sur­pre­en­den­tes”!

A cri­an­ça que tem o há­bi­to de ler, é uma cri­an­ça mais pas­si­va, mais equi­li­bra­da, uma cri­an­ça que te­rá gos­to no “aprender” te­rá fa­ci­li­da­de pa­ra se re­la­ci­o­nar e res­pei­tar o di­rei­to al­heio, te­rá mais des­pren­di­men­to, e te­rá fa­ci­li­da­des em to­ma­das de de­ci­sões cor­re­tas vi­da afo­ra.

A cri­an­ça que pra­ti­ca es­por­te tem mais âni­mo pa­ra es­tu­dar, tem mais sa­ú­de, ad­qui­re mais re­sis­tên­cia fí­si­ca e men­tal, é mais equi­li­bra­da, apren­de a con­vi­ver com ou­tras pes­so­as em har­mo­nia, apren­de a tra­ba­lhar em equi­pe e apren­de que,  na vi­da po­de­mos ga­nhar e per­der, e que, se apren­de tan­to na gló­ria quan­to na der­ro­ta; apren­de tam­bém que, quan­do se per­de, lo­go ha­ve­rá ou­tra opor­tu­ni­da­de de po­der bus­car á vi­tó­ria e se re­di­mir.

En­si­nou Ru­ben Al­ves: “Há es­co­las que são gai­o­las e há es­co­las que são asas.”

Ob­ser­van­do o que en­si­na o es­cri­tor  Ru­ben Al­ves, apren­de­mos que:  as es­co­las  que não ofe­re­cem es­por­tes ao alu­no e as es­co­las de es­por­tes que não ofe­re­cem cul­tu­ra ao alu­no, com cer­te­za são “Gai­o­las” o alu­no apren­de­rá al­go, mas,  ja­mais po­de­rá vo­ar…vo­ar e vo­ar!

 

(An­dré Jú­ni­or, mem­bro da UBE – Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res – Go­i­ás. es­cri­tor­li­te­ra­[email protected]­hoo.com.br)

tags:

Comentários

Mais de Entretenimento

10 de julho de 2019 as 09:38

HORÓSCOPO 10/07/2019

9 de julho de 2019 as 11:36

Cuphead vai se tornar série na Netflix

25 de maio de 2019 as 19:51

Atriz Lady Francisco morre no Rio